sábado, 28 de abril de 2018

MITOLOGIA MODERNA: DOS DIN.GIR AOS EXTRATERRESTRES, por Artur Felisberto.



Zecharia Sitchin é um dos muitos pseudo historiadores que se servem da ciência para inventarem a mitologia dos deuses como astronautas e que, por ser baseada em falsas evidências, é mera decepção e embuste.

Começa ele por confundir o determinativo sumério genérico para divindade que era Din.Gir ou Dinhir com os Anunnaki. Depois, traduzindo literalmente o nome destes deuses, alternativamente escritos como "a-nuna", "a-nuna-ke-ne, ou "a-nun-na", por "aqueles que vieram do céu" em vês de aqueles que vieram de Anu, que sendo o deus do céu era pai dos deuses que este teve com Ki, particularmente Enki e Enlil. Depois de ter cometido a insensatez de ter levado à letra o conceito de entidades que vieram do céu como seres reais e não meras entidades teológicas começa a acreditar que só poderiam ter sido astronautas extraterrestre caindo nos erros mais elementares da interpretação histórica que são: o anacronismo e aplicação errada do “princípio das causas actuais” aceitando que se “pode explicar-se o passado a partir do que se observa no presente” ignorando que este principio só é válido se cumprir escrupulosamente outro principio de que as causas semelhantes só têm consequências parecidas se, e apenas se, ambas condições de acção das causas forem também semelhantes. Ora, as condições tecnológicas actuais do auge da revolução industrial que permitem a existências de astronautas não têm qualquer semelhança com a tecnologia emergente do Neolítico que permitiu o esboço da primeira escrita e o registo das mitologias da época.

Ora, se nada existe de extraordinário em aceitar que os Anunnaki, enquanto entidades teológicas filhas do Pai do céu, são no plano mítico entidades vindas do céu, admitir que estes seriam astronautas só respeitaria o “princípio das causas actuais” ou “princípio do actualismo” se ainda hoje fosse assim, ou pelos menos se só actualmente fosse evidente que os astronautas fossem reconhecidamente extraterrestres, o que está longe de ser verdade. Pelo contrário, é a mitologia moderna dos extraterrestres que se serve da moderna tecnologia para tentar explicar com causas naturais o que no passado era pura mitologia.

Voltando aos argumentos de Zecharia Sitchin e simpatizantes verificamos:

clip_image001clip_image002

Another one of the enigmas of Mesopotamia is the Din.Gir. The name Din.Gir is Sumerian meaning “righteous ones of the bright pointed objects”. The Sumerians were referring to the Anunnaki, the pantheon of their gods. They used this two part symbol to designate the Anunnaki collectively. When looking at how the Sumerians wrote this symbol it is not apparent from this two dimensional drawing that it represents a three dimensional object. It’s only when you look at the solar winged disk that you see it as the three dimensional object that it is. This disk has been presented in a variety of styles from the mechanical to one much more bird like. There is another translation of Din.Gir as "The Righteous Ones of the Blazing Rockets". What is the word in Sumerian which means "Blazing rockets"? This is a Sitchin mistranslation and unfortunately has been carried over to other web sites as well. The myths of the sun god both Mesopotamian and Egyptian have the sun god traveling across the sky in a boat, the vehicle of choice. What follows is speculation on the Gir – what seems to be a capsule of sorts – that sharp pointed object.

No entanto, ao procurar na sumeriologia os sumeriogramas para Din.Gir não encontramos nada que confirme a existência de pictogramas para Din.Gir que confirmem poderem ter a leitura de “Os Justos dos Foguetes Flamejantes”!!!

O mais parecido que encontramos é dos dicionários acádicos.

Diĝir [DEITY] (1837x: ED IIIb, Old Akkadian, Lagash II, Ur III, Early Old Babylonian, Old Babylonian) wr. Di(n)ĝir; dim3-me-er; dim3-me8-er; dim3-mi-ir; di-me2-er, "deity, god, goddess" Akk. Ilu, iltu.


[1]
clip_image004
diĝir (dingir)
[2]
clip_image006
dim3-me-er (ES)
[3]
clip_image008
dim3-me8-er (ES)
[4]
clip_image010
dim3-me-ir (ES)
[5]
clip_image012
di-me2-er (ES)

Como se constata, o pictograma mais parecido com um foguetão é de facto este:

clip_image014

Ainda assim nada parecido com o que este autor refere como prova.

clip_image001[1]clip_image002[1]

E ainda assim transliterando-se como Dim.me.ir que ainda que algo semelhante a Din.gir dele difere muito sendo declaradamente a junção do pictograma Dim + me-ir, ou seja, um termo literariamente construído para significar divindade no vago sentido de algo que se aproxima (dim) das leis (me) poderosas (ir).

Por mais que se procure não se consegue encontrar o sumeriograma para GIR que desenharia “um objecto longo, em forma de seta, dividido em várias partes ou compartimentos» e seria o pretexto para postular a cabeça dos foguetões dos extraterrestres. Aliás, a existir algo parecido seria mais fácil identifica-lo como sendo uma ponta de seta que é hoje o que mais se assemelharia a um objecto deste tipo e bem conhecido dos sumérios. No entanto é mais que provável que se trate de uma das muitas mistificações destes adeptos dos extraterrestres algures reconhecidamente como sendo uma adaptação de uma imagem por sinal de origem egípcia rodada a 90º.




clip_image016
clip_image018

Alguém acredita que esta simples manipulação de imagens nos convence que, por um lado a figura central destas imagens representavam, no Egipto Antigo, os deuses sumérios Din.Gir e, por outro, que ambas representam um foguetão espacial?

Sem comentários:

Publicar um comentário