sábado, 24 de agosto de 2013

II - A ORIGEM DO CANIBALISMO AMERÍNDIO, por arturjotaef

A escravatura aparece primeiro – por mais paradoxal que seja – como um progresso. Nas tribos primitivas não havia escravos. Quando essas tribos guerreavam, os prisioneiros eram mortos. Em tempos muitos antigos (a Ilíada conserva vestígios disso), eram comidos, crus ou assados. A escravatura nasce quando se preferiu conservar a vida do prisioneiro, não por humanidade, mas para que ele desse rendimento trabalhando, ou então, quando o comércio começou, vendiam-se os prisioneiros por dinheiro ou outra coisa. É provável que, quando os homens se puseram a praticar o comércio, uma das primeiras mercadorias a ser objecto de tráfico tenham sido os homens. – CIVILIZAÇÃOGREGA, DA ILÍADA AO PARTENON, André Bonnard.

No entanto, esta explicação, como todas as regras parece ter tido uma grande excepção nas civilizações centro-americanas, particularmente no caso dos Astecas.

clip_image002

Figura 1: Grande cerimónia sacrificial maia em que o sacerdote é ajudado por quatro mancebos e coadjuvado por outros três sacerdotes de diversos graus e parece fazer um augúrio inspeccionando o coração da vítima humana. No topo da imagem a grande cobra solar emplumada que seria um símbolo cretense e de que viriam a evoluir os discos solares alados egípcio e caldeus.

Los evolucionistas del sec. XIX eran propensos a considerar el sacrificio humano en función del nivel de desarrollo. Hacían notar que los pueblos antiguos habían sacrificado seres humanos cuando todavía estaban en un estadio primitivo, pero que luego habían abandonado esta práctica. Desgraciadamente, este tipo de razonamiento no es aplicable a los aztecas que, lejos de renunciar a los sacrificios, acrecentaron su ritmo conforme aumentaba su poder. Esta explicación basada en el grado de desarrollo cultural desapareció con el evolucionismo, pero la remplazaron otras. A mediados del siglo XX, las explicaciones de los sacrificios humanos reflejaban posiciones teóricas opuestas: los materialistas y las humanistas.

O evolucionismo Darwinista pode ter morrido com o seu autor mas, enquanto teoria científica comprovada tanto pela genética como pela paleontologia transformou-se em paradigma biológico que perdura sem que no entanto tenha deixado de ficar sujeito às suas próprias leis, como seria óbvio. Na medida em que não deixou de evoluir o evolucionismo não é hoje o mesmo que era no sec. XIX!

De resto, “considerar el sacrificio humano en función del nivel de desarrollo” quase não passa duma verdade de “Messier de Lapalisse” que pouco mais afirma do que o senso comum que considera tais práticas como uma “grande selvajaria” o que não é mais do que o mesmo que afirmar que são coisas de gente primitiva e não evoluída! A verdade porém é que outros povos e outras culturas antes e ao lado das dos astecas parecem ter tido menos práticas de “sacrifícios humanos”.

clip_image004

Figura 2: Mural do “campo da bola” de El Tajin, Veracruz, Mexico.

“Hay que recordar que el Juego de Pelota con carácter religioso, tenía como finalidad el sacrificio humano del perdedor para satisfacer las necesidades de los dioses. Es por eso que estos relieves de El Tajín nos dejan ver un poco más de cómo era esta ceremonia. En la parte superior de los relieves centrales observamos la imagen de una deidad muy importante, no sólo en El Tajín, sino en toda Mesoamérica: Quetzalcóatl. En esta imagen lo vemos en su advocación de gemelos divinos, ya que la en la representación observamos el perfil de un personaje que se ve de frente a otro, pero el rostro, al unirse, nos permite ver la cara de una deidad de frente que es Quetzalcóatl, ya que tiene la máscara en forma de pico de ave. Esta representación es de los gemelos divinos, la dualidad día-noche, representada por Tlahizcalpantecutli y Xólotl y tienen que ver con el planeta Venus”. -- Tajín, La Olimpia de América, Por: Rafael Roura Olvera / Armando Ruiz Aguilar.

Las ciudades del Yucatán eran los principales lugares sagrados y centros religiosos de los mayas. En sus famosos templos en forma de pirámides escalonadas se hacían ofrendas a los dioses, incluidos sacrificios humanos. Pero estos últimos desempeñaban un papel menos importante que en la religión azteca. Se estima que la inmolación de víctimas humanas sólo empezó a practicarse en el siglo XV bajo la influencia de tribus foráneas. [1]

Garcilaso Inca de la Vega establece categóricamente que los Inkas habían ya dejado esa práctica de algunos pueblos preinkásicos y a la letra dice "...no sacrificaron carne ni sangre humana con muerte; antes lo abominaron y prohibieron como el comerla; y si algunos historiadores lo han escrito, fue porque los relatores los engañaron por no dividir las edades y las provincias, dónde y cuándo se hacían los semejantes sacrificios de hombres, mujeres y niños...". En síntesis; hoy se conoce que los Quechuas de ciertas provincias practicaban algunos sacrificios humanos.

clip_image005

Figura 3: Soon after landing on the island of Hispaniola, the Spanish began their relentless search for gold. Every three months, the Indians were forced to surrender a hawk's bell filled with gold dust. In return they were given a copper token stamped with the date. Those who were found without a current token had their hands amputated as an example to others. Others who resisted were fed to the savage Spanish dogs.

Por outro lado a possibilidade de estarmos perante propaganda política de vencedores para justificar a destruição humilhante dos vencidos não deixa de ter de ser considerada porque se trata duma prática quase reflexa que tem vindo a ser repetida ao longo da história ao ponto de começar a ser suspeita de corresponder a uma reacção táctica de má consciência de vencidos em épocas de viragem histórica particularmente críticas.

Foi assim que os cartagineses foram acusados deste mesmo crime pelos Romanos que também acusaram os cristãos de comerem criancinhas, calúnias e boatos intriguistas estes que se repetiram na idade média contra bruxas e judeus e na idade moderna contra ateus e comunistas. As acusações de genocídio de judeus levantadas pelos vencedores contra a Alemanha nazi parecem ser suspeitas de exageros idênticos o que permite postular que, sempre que existem fenómenos mórbidos desta natureza civilizacional em época de crise e transição histórica, tanto estamos perante fumos com fundamentos de verdade mal compreendida como perante exageros de retórica ideológica! Os horrores que o exército de Cortés exerceu sobre os azetecas faziam dos sacrifícios humanos e da inquisição uma suave carícia!

The Indian chroniclers describe the beginning of the terrible slaughter perpetrated by Pedro de Alvarado in the patio of the main temple in Tenochtitlan. After mentioning the first rituals of the fiesta that was being celebrated - a fiesta in which "song was linked to song"- they tell how the Spaniards entered the sacred patio:

They ran in among the dancers, forcing their way to the place where the drums were played. They attacked the man who was drumming and cut off his arms. Then they cut off his head, and it rolled across the floor. They attacked all the celebrants, stabbing them, spearing them, striking them with their swords. They attacked some of them from behind, and these fell instantly to the ground with their entrails hanging out. Others they beheaded: they cut off their heads, or split their heads to pieces. They struck others in the shoulders, and their arms were torn from their bodies. They wounded some in the thigh and some in the calf. They slashed others in the abdomen, and their entrails all spilled to the ground. Some attempted to run away, but their intestines dragged as they ran; they seemed to tangle their feet in their own entrails. No matter how they tried to save themselves, they could find no escape. [2]

clip_image007

Figura 4: Alvarado en la matanza del Templo Mayor.

Durante la ausencia de Hernán Cortés en Tenochtitlan Pedro de Alvarado quedó al mando, vigilando a Moctezuma. Por estas fechas los indígenas tenían un importante ritual religioso que involucraba algunos sacrificios, y uno especialmente horrible en honor a huitzilopochtli, que consistía en abrirle el pecho a un joven, sacarle el corazón y cortarle la cabeza para seguidamente enterrar sus restos con gran pompa. Al enterarse Pedro de Alvarado, soldado valiente pero de corta visión, realizó gran matanza de indígenas quienes comenzaron a revelarse, así cuando regresó Cortés encontró a la ciudad en una gran agitación. En medio de esa gran lucha Hernán Cortés le pidió o más bien obligó a Moctezuma que calmara a su gente, y así lo hizo Moctezuma que salió a tratar de calmar a los furiosos habitantes de Tenochtitlán quienes al ver tal falta de caracter de su lider le dejaron caer una lluvia de piedras haciendo que Moctezuma perdiera la vida, aunque otra versión es que en realidad estaban tirándole flechas y piedras a los españoles, y que alguno de esos proyectiles mató al emperador por error, teoría comprensible porque toma en cuenta las profundas creencias religiosas que los hubiera convertido en sacrílegos al atacar al emperador. -- Biografía de Hernán Cortés.

Na verdade, é quase seguro que os colonizadores espanhóis levaram para o México o seu mundo cultural que era o de uma Europa a começar a sair da Idade Média e de uma Espanha em guerra civil com a islâmica Granada e com os judeus.

Las incineraciones de los herejes, de los judíos, de los ocultistas, fueron calificadas de autos de fe. Hubo holocaustos de éstos cada año, a fecha fija. A esas ejecuciones entre las llamas, y de periodicidad anual, se las llamó autos de fe particulares. Por ejemplo, el viernes de Cuaresma que precedía al Viernes Santo se celebraba con una ejecución de este tipo. Aquí no se trataba ya, por lo tanto, de una ejecución judicial, sino de un sacrificio humano, de un holocausto de propiciación.

Hubo asimismo autos de fe generales, con ocasión del advenimiento de los soberanos, de su matrimonio, del nacimiento de cada uno de sus hijos. Algunas de esas ceremonias en varias ciudades de España a la vez podían permitir la incineración de un centenar de condenados. En Sevilla se había establecido al efecto, fuera de la ciudad, un patíbulo permanente, de piedra, sobre el que se erguían cuatro estatuas, en honor a los cuatro evangelistas. Esas estatuas estaban huecas, y tenían un nicho en su interior. Dentro de ellas se encerraba, debidamente encadenadas, a las víctimas, a las que así se quemaba a fuego lento, amontonando leña alrededor de la estatua hueca.

Sólo en España, la Inquisición hizo quemar de 1480 a 1808 a 34.638 personas. El número de las que murieron antes en su mazmorra, a consecuencia de la tortura, o que consiguieron afortunadamente evadirse, y que fueron incineradas en efigie, se eleva a 18.049 personas. (Cf. J. Francais, L'Église et la Sorcellerie.)

Para el resto de Europa es difícil dar una cifra. Sabemos, no obstante, por Barthélémy de Spins (cf. Quoestio de Strygibus, 1523, y In Ponz. inibiu, in de Lamis Apología, s. d.), que sólo en la provincia de Lombardía se quemó aproximadamente a un millar de mujeres de las que se sospechaba que eran brujas, cada año, durante veinticinco años. Esto supone veinticinco mil mujeres en un cuarto de siglo. -- Robert Ambelain, El hombre que creó a Jesucristo.

 

Ver: A SANTA INQUISIÇÃO (***)

 

A mentalidade inquisitória da terra natal mais o medo a um mundo arcaico que parecia materializar todos os medos medievais da cristandade terão feito estes conquistadores, que teimavam chegar ao oiro das Índias a todo o custo, entrar em delírio paranóico acabando por exagerar tudo o que viam mal…e pior entendiam.

"Muchos cuentan -quizás por alguno de esos escritores que apresura su pluma - que hubieron días de fiesta cuando ellos mataban mil o dos mil niños, y aun más indios, reforzados por estas cosas hablamos de ellos para ocultar nuestras propias debilidades y justificar el mal trato que ellos sufrieron en nuestras manos.

No digo que ellos no hacían sacrificios y que ellos no mataban hombres y niños en tales sacrificios; sino que no fue como se cuenta, no demasiado. Ellos hacían sacrificios de animales y llamas de sus rebaños, pero muchos menos seres humanos que lo que creí, muchos menos, como lo relatare..." -- Pedro Cieza de León, llamado por Von Hagen el "Príncipe de los Cronistas" escribió por 1553

Tudo aponta para que a realidade dos sacrifícios humanos estivesse já em declínio mesmo entre os ameríndios pré-colombianos!

Como que para ensombrar as maravilhas da Natureza, o canibalismo faz aqui a sua grande entrada. E, a quantos da guerra conduzem cativos, conservam-nos não por 1hes pouparem generosamente a vida, mas a fim de serem mortos para sua alimentação: pois vencedores e vencidos se entre devoram uns aos outros e a carne humana lhes é comum entre as viandas” (Souza, pg54: i6z-x65).

Na segunda das suas viagens Vespúcio diz ter assistido a morte de um mancebo da expedição, com uma paulada na cabeça. Depois de despedaçado e assado teria sido comido por um grupo de mulheres. Vespúcio (ou alguém por ele, porque as cartas tem acrescentos de outras mãos), não percebeu que se tratava de um ritual guerreiro (HCPB: II, 200-201; Souza, 1954: 187).

clip_image009

Figura 11: Promenor do mapa de Kunstmann II.

clip_image011

Figura 12: Churrascos humanos na Flandres feitos pelos carrascos dos inquisidores espanhóis.

Da mesma ignorância padecia o autor do mapa conhecido por Kunstmann II (1505-1506?), que representa um íncola rodando um espeto onde está de assadura um corpo humano inteiro (HCPB: II, entre as pp. 434-435). Ambos transmitem aos que lêm estas primitivas informações sobre o canibalismo como sendo uma forma habitual de alimentação. Que não era. Mas que tornava os que a praticavam ameaçadoramente perigosos. – HISTÓRIA DA EXPANÇÃO PORTUGUESA, V.I da edição: Circulo de Leitores.

Parece que o princípio cristão do “amai-vos uns aos outros como Deus vos amou” pode ser levado demasiado à letra de pelo menos duas maneiras, senão mesmo de ambas em simultâneo, em alguns casos da história: ou as pessoas se amavam mutuamente em agapés e se comiam sexualmente em bacanais ou amavam-se de forma sadomasoquista comendo-se entre si em variantes diversas de canibalismo sagrado ou tresloucado! Duma forma ou de outra, o obscurantismo que ainda imperava na Europa do tempo das descobertas ter-se-ia inevitavelmente projectado na forma hiperbólica como estes conquistadores, medrosos e cheios da má consciência na descrição do fenómeno dos “sacrifícios humanos dos ameríndios”, observaram mal e descreveram pior o estranho novo mundo que lhes barrava o caminho para a terra prometida do ópio e das especiarias que era a Índia.

A propósito das desculpas (nem sequer de “mau pagador” porque não se podem pagar dívidas a mortos e/ou a desaparecidos) que os vencedores da história costumam invariavelmente apresentar para todas as formas de aniquilação brutal (ainda que mais ou menos dolosamente merecida ou provocada por morbo suicidário) dos mais acérrimos inimigos vem, a talho de foice, que se espera metido sem a força do martelo, o seguinte e brilhante paralelismo com as teses racistas do sec. XIX:

O móbil era simples: que se provasse cientificamente que o ”outro” era degenerado, inferior, animalesco, amacacado, primitivo, pré-lógico, etc., seria legítimo e até solidário que nos preocupássemos com ele, que nos encarregássemos de o civilizar – e, sobretudo, que nos apropriássemos dos enormes tesouros que dormiam nos territórios em que viviam: ouro, diamantes, marfim, peles, petróleo, ouro, especiarias. “RACISMO, um negócio de milhões”, de E Leão Maia.[3]

Este móbil do crime de “lesa ciência” que foi a “invenção do racismo”, cometido pelo positivismo do sec. XIX na forma de teorias pseudo-científicas, poderia aplicar-se, mutatis mutandis, a todas as formas de má consciência que é a racionalização e branqueamento teórico de toda e qualquer forma de exploração (aquisição de mais-valias indevidas) da fraqueza (o “estado de necessidade” marxista) alheia, para além do que sói ser “socialmente correcto” de acordo com o senso comum de cada lugar e época.

De facto, sabendo-se que a forma selvática com que o conquistador espanhol destruiu as brilhantes civilizações ameríndios (ainda que de facto desfasadas culturalmente em relação ao resto da história) para as substituir por um colonialismo que se revelou (a avaliá-los pelos próprios padrões dos invasores espanhóis e em comparação com os resultados da colonização da América do norte) como dos mais ineficazes e improdutivos de que há memória, ficamos com a sensação de que, se calhar, o crime não compensou, ou seja, a suspeita de que, em tese, houve crime na justificação da colonização castelhana da América central, é mesmo inevitável!

Voltando ao canibalismo é verdade que a sacralização que os ameríndios faziam do derramamento de sangue humano para saciar a fome dos deuses solares pode ter tido origens em perversões de ritos de morte e ressurreição solar das épocas de transição para as sociedades agro-pecuárias! No entanto, a sua frequência entre os ameríndios não pode ser menosprezada nem, de ânimo leve, banalizada!

clip_image013

Figura 13: Típico sacrifício asteca por cardiotomia com abordagem abdominal trans-diafragmática.

The question of food among the Aztecs was bound to bring up the question of whether it *ever* included human beings, and, if so, under what conditions. Since we think that we know that some human beings have eaten other human beings in the history of our world, isn't it reasonable to ask that question about the Aztecs? And further, isn't it reasonable to ask the question in the spirit of honest inquiry, with willingness to accept the conclusions that the evidence points to? Since I am a lover of the Nahuatl language (and therefore have interest in and positive feelings toward the community that used/uses it), should I simply deny the evidence and refuse to believe anything that *I* consider distasteful? If I were to behave that way, I would be declaring myself disinterested in "truth"; my attitude would be "No, thanks, I'm satisfied with what I *want* or *like* to believe."

Since I would really like to *know* (if there is any possibility of knowing), my first reaction is to consult eye-witnesses. Well, old Fords and natural stone may last forever, but the people who witnessed what was happening in central Mexico prior to the arrival of the Spaniards did not, partly due to that very arrival and partly due to the natural passage of time. So I might consider the writings of the sixteenth century Spaniards. After all, they had direct contact with some of the surviving eye-witnesses. But the evidence that I could piece together from them would be suspect because perhaps some of them may have motivated by ulterior goals in writing down what they heard. -- [4]

Os ameríndios sacrificavam sistematicamente os prisioneiros de guerra e comiam quase que sistematicamente os corpos dos guerreiros mais destemidos, ou seja estes povos, por razões religiosas ou místicas, eram tão ecológicos e económicos que quase que não desaproveitavam a carne humana!

Figura 14: Codex Magliabechiano.

clip_image015

But what the Spaniards saw was an aberration, a distorted Aztec version of an earlier religion. Even the neighboring states, who practiced similar sacrifices, regarded the Aztec's wholesale massacres of thousands of victims as abhorrent, one of the many reasons they were so willing to help Cortes in his campaigns against the Aztecs. It is no surprise that these nations were willing participants in the burning of the Aztecs sacred books, as these sacred books likely contained justifications, and even glorification of the Aztec's fanatic devotion to sacrificing captured enemies. Aztec accounts of great sacrifices of the past mentioned festivals in which tens of thousands of victims went to the altar.

Their neighbors may have well viewed this not as religious dedication, but as a political means of draining their neighbor's manpower. -- [5]

Se o canibalismo tivesse sido sempre um pecado absoluto, comer o corpo de Cristo seria, mesmo em tese mística, muito maior pecado do que comer o cadáver de um guerreiro morto em combate pelo inimigo! Ora este tipo de lógica seria inevitavelmente aflorado no longo tempo que estas culturas tiveram para elaborar os seus ritos de catarse e justificação do canibalismo sagrado! De facto, o rito é a racionalização neurótica do homem social!

Independentemente de todas as explicações que impliquem uma lógica mítica serem aceitáveis, a verdade é que o exagero do canibalismo sagrado dos ameríndios, particularmente dos Astecas, revela uma forte componente traumática no plano imaginário pelo que tem que ter uma explicação cultural muito forte, já que as componentes ecológicas não seriam nas Américas mais constrangedoras do que noutros pontos do mundo paleolítico!

A persistência dos “sacrifícios humanos”entre os Astecas numa fase avançada das civilizações centro americanas levanta pelo menos a suspeita de que se não estamos perante um verdadeiro paradoxo evolucionista estamos pelo menos diante duma grave excepção, que afinal só confirma a regra que o evolucionismo é!

clip_image017

Esta excepção só pode ser a de que, por uma qualquer razão a investigar, a sociedade asteca era uma implantação artificial no tecido social dos povos autóctone que permaneciam cultural e maioritariamente na face de caçadores /recolectores. Na verdade, o canibalismo pode ter sido, como ficou dito, um complemento regular da dieta dos povos caçadores mais primitivos precisamente pela dependência de produtos cárneos que a dieta dos caçadores recolectores provocaria!

clip_image019

Fazendo os devidos distanciamentos emocionais nada obstaria a um caçador que deificava os animais que abatia a considerar um ser humano (que poderia até ter algumas diferenças rácicas em relação à morfologia genética da sua tribo de origem, por exemplo no período de prevalência simultânea de Cromagnon e do Nienthertal) comestível!

O resto, a mística da comunhão com a divindade que sobreviveu até ao catolicismo é um mero complemento justificativo cultural que só vem confirmar o lado neurótico do começo da civilização! De facto, sendo o homem omnívoro, a sua passagem por uma fase de quase exclusiva actividade carnívora, como foi o da “caça/ recolecção”, não deve ter deixado de ser um pouco neurótica! De facto o que está em causa no canibalismo é o carácter excepcional de um animal matar para comer um elemento da sua própria espécie, coisa que só acontece em poucos animais e em períodos de grande stress ambiental!

Claro que a primeira coisa que mereceria confirmação seria verificar até que ponto a civilização dos Astecas mereceria o epíteto de evoluída porque no que diz respeito à escravatura sabemos que ela não existia no “Novo Mundo” razão pela qual os colonos europeus se viram na necessidade de para ali levarem escravos negros logo nos primeiros tempos da colonização ocidental das Américas!

clip_image021

Habituados a África e aos Africanos, intentam os primeiros colonos a escravização dos indígenas para com o seu trabalho valorizarem as terras. Trabalho forçado e demasiado penoso para quem praticava uma agricultura de horta, com pau de escavar, muito rudimentar. Muitos nem conheciam a cultura de sementeira, mas só a de “coivara” (COUCO, 1996: 66).

Os indígenas (salvo os Guaranis cultivadores já relativamente estáveis de milho) ainda eram sobretudo recolectores e caçadores, embora agricultores temporários e deambulantes. Com dificuldade se deixam escravizar para a actividade sedentária da agricultura. O ódio aos colonizadores cristãos cresce em algumas das formações, que começam a confundir baptismo com escravatura (Cartas do Brasil: 70). – HISTÓRIA DA EXPANÇÃO PORTUGUESA, V.I da edição: Circulo de Leitores.

Figura 15: Guaranis, caçadores e cultivadores de diversas variedades de vegetais, como mandioca, batata, amendoim, feijão e milho.

Sabemos ainda que, à data dos descobrimentos ibéricos, os Astecas já estavam na fase da agricultura intensiva do milho!

Porém, é duvidoso que estivessem numa fase culturalmente evoluída mesmo em termos comparativos com a civilização da Suméria ou com o Império Antigo do Egipto.

 

SÍNDROME DE ESTOCOLMO

A Síndrome de Estocolmo (Stockholmssyndromet em sueco) é um estado psicológico particular desenvolvido por pessoas que são vítimas de sequestro. A síndrome se desenvolve a partir de tentativas da vítima de se identificar com seu captor ou de conquistar a simpatia do sequestrador. As vítimas começam por identificar-se emocionalmente com os sequestradores, a princípio como mecanismo de defesa, por medo de retaliação e/ou violência. (…)

É importante notar que os sintomas são consequência de um stress físico e emocional extremo. O complexo e dúbio comportamento de afectividade e ódio simultâneo junto aos captores é considerado uma estratégia de sobrevivência por parte das vítimas.

É importante observar que o processo da síndrome ocorre sem que a vítima tenha consciência disso. A mente fabrica uma estratégia ilusória para proteger a consciência da vítima. A identificação afectiva e emocional com o sequestrador acontece para proporcionar afastamento emocional da realidade perigosa e violenta a qual a pessoa está sendo submetida. Entretanto, a vítima não se torna totalmente alheia à sua própria situação, parte de sua mente conserva-se alerta ao perigo e é isso que faz com que a maioria das vítimas tente escapar do sequestrador em algum momento, mesmo em casos de cativeiro prolongado.

A síndrome é relacionada com o rapto da noiva e outros tópicos semelhantes na antropologia cultural.

clip_image023

Figura 16: cardiotomia sacrificial dos astecas.

Jacques Soustelle, en La vie quotidienne des Aztèques, é provavelmente quem melhor expressa a posição humanista. Desde o ponto de vista, é una ideia que está na origem do paroxismo sangrento a que conduziu a civilização asteca. Faz notar que, ainda que o não possamos compreender, o vínculo que une a continuidade cósmica, tal como a imaginavam os astecas, e o sangue, para eles era demasiado real. Emanava da sua concepção do mundo, à qual adaptavam a sua conduta. Em resumo, os especialistas que pertencem à corrente humanista pensam que as crenças religiosas, a ideologia de um povo podem ser o primeiro móbil do seu comportamento.

O paradigma do amor ódio senhor escravo implica sempre uma cumplicidade cultural quase simbiótica que, como adiante se verá, acaba sempre de forma trágica em tempo de súbita ruptura deste sistema por graves crises externas.

O sucesso da monocultura do milho que os maias foram descobrir no México estaria sujeita a crises cíclicas que se foram repetindo durante alguns séculos. De facto, ao estudar a civilização maia deparamos com o fenómeno duma aparente falta de concomitância temporal das diversas cidades que pareciam nascer e prosperar segundo ciclos temporais semelhantes, mas independentes, acabando por ser abandonadas subitamente sem razão aparente. Tudo aponta para a possibilidade de populações inteiras abandonarem pacificamente estas cidades no seu auge sem aparentes sinais de violência de causas externas ou internas. O postulado de que a cultura intensiva do milho levaria a uma exaustão dos solos ou que a situação de monocultura as exporia a pragas e vulnerabilidades climáticas costuma ser uma das explicações para o colapso das cidades maias em pleno auge de prosperidade arquitectónico, já que e difícil estudar o estado de real da sua prosperidade económica.

Pelo contrário, os astecas parecem ter sido os primeiros a conseguirem criar uma certa continuidade civilizacional construindo o primeiro império do Iucatão. Ora, paradoxalmente e sem que no imediato se entenda a razão deste facto pode estar relacionada com a intensidade anómala de sacrifícios humanos dos astecas, tanto mais que a correlação de ambos os factos é incontornável.

Os humanistas respondem a esta opinião que não seria lógico, então, sacrificar uma maioria de machos quando seria mais eficaz sacrificar fêmeas antes ou durante o seu período de fecundidade, a fim de reduzir o número de nascimentos. Claro que a contra argumentação humanista não é mais do que uma irónica demonstração pelo absurdo de que as respostas do tipo “causa e efeito” às pressões ecológicas no “animal humano” não podem ser do tipo “dose / reporta”, sobretudo quando sabemos que este se caracteriza por uma progressiva independência, num quadro de comportamentos a que chamamos de “libertação” das estratégias inatas e automáticas dos instintos, privilegiando o “livre arbítrio” das respostas empíricas inovadoras em detrimento das necessidades instintivas! Enfim, coisas que todos supomos saber ainda que dizendo-as de modo diverso! Só que também não é credível que os materialistas estivessem a pensar em respostas do tipo “causa e efeito”, cínicas e racionais, duma população maioritariamente consciente das realidades demográficas e esclarecida quanto aos meios a utilizar! A verdade é que os astecas não eram maltusianos nem tinham consciência de que os problemas, que apenas pressentiam, eram de tipo demográfico!

Otra interpretación materialista, más política, recurre a la estrategia del terror: los sacrificios de prisioneros tenían por objeto aterrorizar a las provincias rebeldes y obligarles a someterse. A esto, los humanistas redarguyen que, según las fuentes, los sacrificios humanos estaban extendidos fuera del imperio azteca y que, en consecuencia, debía haber una complicidad real entre las victimas y sus sacrificadores. Todos pertenecían a un sistema en el que cada hombre debía, un día u otro, contar con tener uno de estos cometidos.

Por outro lado, a tese da “estratégia do terror” coloca os humanistas a fazerem figura de menor clarividência! É evidente que a cumplicidade existia tal como existiu sempre em todos os sistemas sociais em que imperou “a estratégia do medo e do terror” ou qualquer outra menos racional e mais emocional pela simples razão de que, mesmo nos nossos dias, ainda que muitos acreditem na teoria do “bom selvagem” de Rousseau poucos nos atrevemos a permitir que as fronteiras da nossa confortável sociedade de consumo se abram indiscriminadamente aos povos subalimentados do terceiro mundo! Inegavelmente a questão da interpretação do fenómeno antropológico dos “sacrifícios humanos”, como de todos os fenómenos aberrantes do comportamento social, presentes e passados, releva mais da ideológica do que da arqueologia ou da meta análise histórica! A ideologia não é uma inovação da modernidade!

Doutrinas e ideologias existiram sempre, fossem elas mitos, crenças religiosas e políticas ou teorias científicas. Quer dizer que, quando tratamos de questões que relevam da ideologia não as podemos desinserir do contexto de crenças em que estas se desenham! Então, a “estratégia do terror” passa a ser uma mera táctica componente de estratégias mais vastas relacionadas com a legitimação e preservação do poder e com a consolidação de estados, que, por estarem ainda numa fase evolutiva incipiente, são instáveis e incipientes, por condição!

En 1977, Michael Harner, antropólogo de la New School de Nueva York, propuso una explicación materialista que encontró franca aceptación. Harner afirmaba que el crecimiento demográfico acarreaba la disminución de los recursos proteínicos (caza, peces, aves) y que los sacrificios humanos y el canibalismo ritual se habían desarrollado para compensar las carencias de nutrición provocadas por esta situación.

Los humanistas pudieron ciertamente reírse, tanto más cuanto que M. Harner no es, según propia declaración, ni especialista en América Central, ni etnohistoriador y, por tanto, no domina las fuentes del siglo XVI. Los críticos no dejaron de subrayar este hecho. Según los especialistas, el régimen alimentario de los aztecas contenía muchas proteínas, y los esqueletos no muestran ninguna señal de carencia. Además, subrayan que las gentes del pueblo no estaban autorizadas a participar en los festines rituales, lo cual quita mucho valor a los argumentos de Harner.

A pesar de estas criticas, a las que ha contestado con mucho aplomo, M. Harner sigue afirmando obstinadamente que “los sacrificios humanos no eran ni obra de locos, ni una respuesta servil a unos dioses con extrañas aficiones, sino más bien una manera de resolver unos problemas ecológicos”.

Ora, se é verdade que os povos que praticavam “sacrifícios humanos” respondiam a problemas ecológicos também é verdade que o faziam de modo desastrado e não terá sido assim de forma simples e redutora como os materialista e os positivistas o pretendem mas também não é muito verosímil que os astecas tenham estado possuídos duma tal forma de loucura divina que os levasse a praticar irracionalmente “sacrifícios humanos” e duma forma selvática, generalizada e sistemática, sem qualquer razão de ser, real ou aparente.

Por consiguiente, muchos antropólogos y arqueólogos atribuyen un papel pasivo a la ideologia, incluso negándole toda función.

Sin embargo, A. Demarest considera la costumbre religiosa del sacrificio humano como una causa del desarrollo de estos Estados.

Señala que durante el periodo clásico, estos sacrificios servían para legitimar el poder de los dirigentes, aunque a fines del período siguiente, el culto del sacrificio legitimaba a los propios Estados. El Estado azteca pudo reclutar y motivar a los inmensos ejércitos que agrandaron su imperio gracias a la ideologia, gracias al culto militarista del sacrificio humano. Todas las transformaciones politicas que fueron efectuadas por los aztecas de Tecnochtitlán se basaban en una ideología que justificaba cada vez más la guerra o la rivalidad entre Estados. “Esta revisión del culto del sacrificio no sólo acarreó su desarrollo en mayor escala, sino que transformó también su cometido causal, es decir, que en vez de servir para legitimar y, conse cuentemente, para asegurar la salvaguardia del poder de los dirigentes o de los Estados, se convirtió en la fuerza rnotiva dora de un expansionismo ilimitado.”

La tesis de Arthur A. Demarest representa el punto de vista más avanzado de la teoría de la arqueología americana. Una vez más, la ideología es considerada un móvil primordial del comportamiento humano y las creencias religiosas son susceptibles de tener por sí mismas una fuerza causal. Las interpretaciones y sucesivas reinterpretaciones del sacrificio humano entre los aztecas distan de haber sido inútiles. La constatación de un aspecto aberrante del comportamiento humano muestra cuán numerosos son los comportamientos sociales aceptados desde que el hombre existe.

Aquilo que parece ressaltar da incómoda análise do fenómeno dos “sacrifícios humanos” dos ameríndios é precisamente o seu aspecto anacrónico enquanto práticas rituais primitivas no seio de uma sociedade que noutros aspectos se revela brilhante e paralela às grandes civilizações ocidentais do começo da história.

De facto, hecatombes humanas por meras razões de estado têm sido praticadas de forma recorrente desde a antiguidade sendo algumas reconhecidas em povos civilizados recentes como foram as crueldades das condenações à morte por empalamento no império militarista assírio e, depois, a crucificações dos romanos na revolta de escravos ou de povos colonizados e sem cidadania romana como foi no episódio da revolta da Judeia e durante as “perseguições e a morte dos santos mártires cristãos” nos circos romanos de várias épocas imperiais. Mesmo Alexandre utilizou esta forma de vingança militar.

While many people believe that crucifixion was reserved for criminals only as a result of Plutarch's passage that "each criminal condemned to death bears his cross on his back,"3 the literature clearly shows that this class of individuals were not the only ones subjected to this ultimate fate. Alexander the Great had 2,000 survivors from the siege of Tyre crucified on the shores of the Mediterranean.4 In addition, during the times of Caligula – AD 37-41 – Jews were tortured and crucified in the amphitheater to entertain the inhabitants of Alexandria. – crucifixion in antiquity, by JOE ZIAS

3 Plutarch (AD 46-120) Mor.554A/B.

4 Curtius Rufus, Hist. Alex. 4.4.17.

Os próprios colonizadores espanhóis, que tão hipocritamente se horrorizaram com o fenómeno dos “sacrifícios humanos” nos povos ameríndios, nem por isso se comportaram de forma branda e humana quando se tratou de saquear o ouro do novo mundo e de tentarem a escravização do indomável índio! Os “autos de fé” que se seguiram às primeiras tentativas de conversão dos indígenas das Américas não seriam mais brandos dos que os que na metrópole eram utilizados para queimar judeus e cristãos novos incómodos!

Enfim, o holocausto judeu no nazismo, o massacre dos kemeres vermelhos, as depurações étnicas dos Balcãs, etc., serão, todos eles, fenómenos críticos históricos menos macabro que os “sacrifícios humanos” praticados pelos povos ameríndios?

Sim e não! Sim por serem todas elas hecatombes humanas tresloucadas! Não porque nestes casos parecem ter sido casuísticas e por resposta desajustada a graves crises sociais enquanto entre os ameríndios seria regular, sistemática e ritualizada.

Evidentemente que existe algo nos comportamentos colectivos humanos deste tipo que releva da pura patologia social e não está fora de questão que desta mesma loucura tenham padecido os ameríndios do período das descobertas! O que espanta nos ameríndios é que esta patologia não tenha sido meramente episódica ou paroxística e culturalmente denegada mas tenha sido vivida de forma tão natural e executada de forma tão permanente e sistemática, que tenha que ser considerada estrutural e constitutiva da vida social corrente!

Na verde, a prática dos “sacrifícios humanos” não era um mero exercício de “vingança de sangue” e, ainda que tenham acabado por funcionar como “mecanismo de terror” num sistema ideológico que servia de legitimação para o militarismo imperial dos astecas, a verdade é que parece que este aspecto seria apenas secundário e decorreria da própria ideologia subjacente ao sistema do “culto matriarcal do sangue” menstrual da Deusa Mãe de que os “sacrifícios humanos”eram apenas um dos componentes!

Como hoje se sabe, no que diz respeito ao canibalismo sagrado os ameríndios apenas diferem de outros povos paleolíticos na forma paroxística e quase neurótica com que praticaram os sacrifícios humanos! De certa forma se poderia dizer, salvaguardadas as devidas proporções e distâncias, culturais e temporais, que o “sacrifícios humano” era uma forma peculiar e ainda totémica de exercício do direito penal, perfeitamente adaptada ao tempo da cultura dos ameríndios!

O canibalismo sagrado pode ter tido pelo menos várias motivações traumáticas específicas destes povos que mais não fizeram do que reforçar sinergicamente a neurose social que o canibalismo sagrado dos ameríndios implica:

Primeiro, o carácter colonial das civilizações pré-colombianas com todos os ingredientes de instabilidade social próprios de civilizações controladas por minorias transportado da Europa! Esta violência social latente e implícita a uma sociedade desenraizada da evolução natural circundante, mais não era do que a previsão do que veio a suceder com o colonialismo moderno.

Depois, a possibilidade de estes colonos arcaicos terem chegado às Américas em condições tais que, além do mais, lhes teriam feito perder os laços uterinos com a terra natal, de forma irreversível, quiçá trágica e violenta, como teria sido o caso duma catástrofe como a descrita no mito da Atlântida.

Por outro lado, o facto muito do que provável de as viagens marítimas destes colonos arcaicos terem sido longas e em condições muito mais precárias e penosas do que as que vieram a acontecer no renascimento Europeu, não sendo de excluir condições de fome e penúria tal que o canibalismo de sobrevivência tivesse que ter sido praticado e, mais tarde, justificado na forma de ideologias místicas que iriam acabar por instituir uma forma de canibalismo sagrado como forma de rito expiatório na forma de “sacrifícios humanos” sistemáticos e rituais.

Finalmente, não pudemos desprezar a ideia de que os povos que imigraram para ocidente nos tempos arcaicos eram obcecados adoradores de cultos de morte e ressurreição solar, adeptos fanáticos de cultos religiosos que incluíam os “sacrifícios humanos” e eventuais canibalismos mágicos (há época já em decadência no ocidente mas ainda frequentes nas sociedades de origem, como a minóica e a fenícia) e que se fixaram para sempre nos costumes que estes primeiros colonos vieram a desenvolver no ultramar, para mais sem ligações sensória da terra natal.

De resto, a ideia de que os povos ibéricos que se revelaram tão impiedosos e sanguinários nas práticas de autos de fé e torturas inquisitórias até perto do sec. XIX e ainda na colonização renascentista do novo mundo poderem ter sido ainda mais ferozes e sanguinários alguns milénios antes não deixa de ser de ponderar, quanto mais não seja para em simultâneo explicar e compreender um pouco da alma ibérica, que manteve até há bem pouco tempo os mais elevados níveis de fervor religioso católico de mistura com as práticas mais arcaicas e pagãs de auto sacrifício místico e sado-masoquismo penal, de sacrifícios animais colectivos na forma de touradas de morte e nos cultos de tragédia pungente e “morte e ressurreição primaveril nos ritos de catolicismo sui generis que são as festas telúricas “da semana santa” sevilhana.

A IDEOLOGIA CANIBAL COMO MÍSTICA GUERREIRA

One of the indigenous texts in the Codice Matritense describes how Itzcoatl and Tlacaelel rewarded the principal Aztec chieftains with lands and titles after the victory over Azcapotzalco, and then says that the king and his adviser decided to give their people a new version of Aztec history.

The preserved an account of their history,

but later it was burned,

during the reign of Itzcoatl.

The lords of Mexico decreed it,

the lords of Mexico declared:

"It is not fitting that our people

should know these pictures.

Our people, our subjects, will be lost

and our land destroyed,

for these pictures are full of lies....

clip_image025

Figura 17: um rito de “perfuração da língua” num baixo-relevo maia, praticado pela imperatriz Xoc diante do esposo, Jaguar Salvador.

In the new version, recorded in a number of extant documents, the Aztecs claim to be descended from the Toltec nobility, and their gods - Huitzilopochtli in particular - are raised to the same level as the ancient creative gods Tezcadipoca, and Quetzalcoatl. But most important of all is the exalted praise given to what can only be called a mystical conception of warfare, dedicating the Aztec people, the "people of the sun," to the conquest of all other nations. In part the motive was simply to extend the rule of Tenochtitlan, but the major purpose was to capture victims for sacrifice, because the source of all life, the sun, would die unless it were fed with human blood….

Esta crença não foi invenção dos astecas pois já era praticada pelos maias tanto na forma de “sacrifícios humanos” de morte como na forma do auto-sacrifício por sangramento, praticado particularmente nos ritos pessoais de “punção para sangramento do pénis” para os homens e da perfuração da língua para as mulheres. Parece que nestes ritos de coragem contava mais o sangue que alimentava dos deuses do que a dor. Com o tempo a sublimação do ritual deve ter acabado por sobrepor a dor física ao a derrame físico de fluidos corporais o que faz lembrar as mortificações da carne dos ascetas medievais particularmente activos na península ibérica. Ora, a igreja católica sempre considerou estes ritos como suspeitos de paganismo o que se confirma como sendo de facto sobrevivências de ritos arcaicos de auto-punição mística e de ritos de passagem intuídos na mística de morte e ressurreição solar. No entanto, eles fizeram parte das práticas de auto-flagelação penitencial dos «flagelantes»! Os flagelantes eram verdadeiros “exércitos” organizados, com indumentária própria e comandados por um mestre que organizavam a flagelação pública e privada, segundo rituais próprios. Para evitar a punição divina, neste caso a peste, infligiam castigos nos seus próprios corpos.

De início, a própria Igreja aceitava estes sacrifícios “altruístas” como forma de imitação da flagelação de Jesus pelos soldados de Pilatos!

Até o papa Clemente VI ordenou uma flagelação pública em Avignon, a fim de evitar a propagação da peste que dizimou grande parte da população da Europa. Mas, depressa os flagelantes se tornaram incontroláveis, revolucionários, perseguindo os ricos e os judeus, numa verdadeira manifestação de terror organizado, o que levou o papa a condená-los. E de que maneira! Sua Santidade não esteve pelos ajustes e muitos acabaram queimados, sem cabeça ou enforcados, além de outras medidas de carácter proibitivo, porque quando se trata de sacrifícios punitivos para defesa em causa própria os poderes públicos não brincam com os códigos penais e aplicam sempre penalidades estremas e letais.

clip_image026

Figura 18: Flagelantes medievais Flagelantes em procissão contra a peste.

No entanto, esta tradição parece mais antiga do que o próprio cristianismo, a fazer fé no primeiro livro dos Reis da Bíblia!

26Eles preparam um dos animais, puseram-no sobre o seu altar e clamaram a Baal toda a manhã, gritando: Ó Baal, ouve-nos! Mas não se via resposta alguma. Começaram mesmo a fazer danças em volta do altar.

27Por volta do meio-dia, Elias ria-se deles: Têm de gritar ainda mais alto, para chamar a atenção do vosso deus! Talvez esteja a conversar com alguém, ou tenha ido tratar de algum assunto, ou então pode estar a viajar; quem sabe até se não estará a dormitar um pouco e precise de ser despertado!

28-29Eles gritavam cada vez mais alto; segundo o seu costume, laceravam-se a si próprios com facas e espadas, cobrindo-se de sangue. Assim estiveram, desesperados, até à altura do sacrifício da tarde, sem que se visse qualquer reacção ou se ouvisse alguma voz ou se recebesse uma resposta fosse de que tipo fosse. – 1Reis:18: 26-29

Notar que o cinismo de Elias seria típico de um ateu moderno. De facto, em muitos aspectos, o monoteísmo judaico, seguido do fanatismo dos primeiros mártires cristãos e logo depois pelo dos perseguidores de pagãos tinham muito de impiedade em relação à religiosidade popular politeísta! Mas sobretudo há que notar que a autoflagelação seria uma prática canaanita dos cultos de fertilidade de Baal / Ashera que terão sobrevivido à margem do judaico cristianismo possivelmente nos seus locais de origem, ou de mais arcaica tradição ainda, como seria a região da Caldeia.

Os fenícios, que eram afinal canaanitas, terão trazido esta bárbara tradição de auto-sacrifícios para a península Ibérica na mesma bagagem dos sacrifícios humanos que fizeram a fama de Cartago.

E assim, a tradição dos flagelantes, que já teria fortes raízes ibéricas, possivelmente nas “festas dos rapazes”, continuou tanto nos rituais da semana santa como nos autos de fé da inquisição, quem sabe se em parte para assimilar fortes tradições de raiz popular moçárabe.

clip_image028

clip_image030

clip_image032

Figura 19: Procissão dos flagelantes de Góia.

E é assim que nos vamos deparar com a festa islâmica do “ashura”.

“Avant même d’être une fête musulmane, Achoura était une fête juive, marquant l’exode des enfants d’Israël après leur délivrance par le prophète Moïse. Le prophète Mahomet, en 622, alla à la rencontre des juifs le jour du Youm Kippour, fête de l’expiation durant laquelle ils jeûnaient. (…) Un an plus tard, pour confirmer la continuité de la cérémonie juive et s’inscrire dans la tradition de Moïse, le Prophète Mahomet recommanda aux musulmans de jeûner deux jours, les neuvième et dixième jours du mois de Muharram qui marque Achoura. D’où l’origine étymologique de cette fête. «Achara» signifie dix en arabe et reprend ainsi le dixième jour de Muharram. Cette fête marque la liaison entre deux religions, le Judaïsme et l’Islam. (…) Pour les pays sunnites du Maghreb, le concept est différent. Achoura, qui n’est pas mentionnée dans le Coran, est considérée comme une fête mineure. Elle symbolise l’accostage de l’Arche de Noé. Les Marocains, par exemple ont ajouté aux cérémonies religieuses des concepts culturels qui ne relèvent pas de l’Islam. Pendant deux jours, les enfants sont mis à l’honneur. Le premier jour, la tradition veut qu’on leur offre des cadeaux, des friandises, et que des spectacles viennent égayer les rues. Le deuxième jour, les enfants s’amusent à asperger d’eau les passants et leurs proches, une pratique connue de tous les Marocains sous le nom de zem-zem.

clip_image034

Figura 20: In marking the holiest day of Ashura, some Shiites believe children should learn at an early age about Hussein’s suffering, which is at the heart of their faith. (…) “The child doesn’t understand what’s going on. The parents are faithful and believe by doing this, their children will be protected and will enjoy a long life.”

No Iraque, em certas regiões, a “ashura” tomou uma forma bárbara e grotesca, com autoflagelações até ao extremo sangramento como prova de fé xiita e para expiação da negligência que levou ao martírio de Hussein. A autoflagelação é proibida dentro do Islão e esta atitude é realizada por uma ínfima minoria dentro do xiismo, mas muitos acreditam que é um ponto comum entre todos os muçulmanos xiitas.

Esta forma de os xiitas festejarem o “ashura”, teria no massacre de Hussein ou uma falsa desculpa ou uma causa para uma espécie de regressão traumática a práticas rituais arcaicas sado-masoquistas que eram implícitas aos cultos canaanitas de Baal. Ora, desculpa ainda mais esfarrapada como soiem ser as que justificam as incoerências dos mitos fundadores e das decisões políticas sem saída, parece ser a do profeta Maomé que reporta esta festa à tradição judaica. Na verdade os judeus helenistas teriam substituído a festa de Tamuz pela sua Páscoa e as festas de inverno pela festa da expiação de Youm Kippour. Se “Achara signifie dix en arabe et reprend ainsi le dixième jour de Muharram”, tal é pura coincidência como o facto de ter sido durante os dez primeiros dias deste mesmo mês que os xiitas combateram por Hussein quando este mês era de jejum e de paz! De facto, os marroquinos parecem ser os únicos que preservam, com os transmontanos portugueses, a relação desta festa com as saturnais iniciáticas arcaicas do ciclo dos ritos de passagem e das “festas dos rapazes”!

O “ashura” tem o nome de Tamkharit no Senegal o que sugere uma festa pascal de Tamuz / *Kertu. Obviamente que estamos perante sobrevivências de práticas de auto-sacrifício da época da quaresma nos “ritos de passagem”. De facto, o próprio nome “ashura”, um festival realizado no primeiro mês de Muharram do calendário islâmico em que a guerra é proibida, faz lembrar o deus solar Ashur dos bárbaros assírios e Ahura dos textos avésticos, assim como o asura dos vedas! E de Muharram à virgem de Macarena poderia ir apenas um pequeno passo etimológico.

 

Ver: MACARENA (***)

 

Na verdade, o culto de Baal / Ashera, da palmeira e da “árvore da vida” parecem cultos matriarcais muito antigos em que o “auto-sacrifício” sangrento e os “sacrifícios humanos” estariam presentes precisamente no período da quaresma, tal como teria estado o canibalismo sagrado em tempos de canícula.

Los antiguas habitantes de Mesoamérica observaban el cielo constantemente y descubrieron que Venus tiene una particularidad que lo hace sobresalir, ya que la mitad del año es una “estrella” matutina y la otra mitad es una “estrella” vespertina lo que hacía pensar a los prehispánicos que se trataba de un ser doble, un gemelo, y cuando se encontraba en la mañana era una deidad benévola, y por el contario, cuando salía en la noche era un dios cruel. -- Tajín, La Olimpia de América, Por: Rafael Roura Olvera / Armando Ruiz Aguilar.

Pois bem, o mitema da duplicidade da Estrela da manhã, que sempre foi Istar, estaria presente no mito dos deuses gémeos ameríndios estava subjacente ao mito do decesso de Inana / Istar aos infernos do Kur onde reinava a sua irmã Ereshkigal. Este mesmo mito foi transposto para o mundo helénico dos mistérios de Eleusis, uma das várias variantes do mito do rapto da virgem Korê / Perséfone que levou ao desespero de Deméter e a uma canícula prolongada que acabou num pacto mítico justificador do ciclo anual das colheitas: a jovem passaria metade do ano junto da deusa mãe, enquanto Koré, a eterna virgem adolescente, e o restante com Hades, quando se tornaria a sombria e negra Perséfone. Esta dualidade evidente no mito do decesso de Inana / Istar aos infernos estaria latente no pensamento mítico grego por meio de mito subsidiário do mito de Adónis, disputado até à morte pelas duas irmãs gémeas, Afrodite e Perséfone que por ciúmes se transformaram em eternas rivais. Em resultado vamos ter um novo rearranjo das estações que de duas passam a ser três.

Inicialmente, Perséfone, compadecida pelo sofrimento de Afrodite, prometeu restituí-lo com uma condição: Adônis passaria seis meses no submundo com ela e outros seis meses na Terra com Afrodite. Cedo o acordo foi desrespeitado, o que provocou nova discussão entre as duas deusas, que só terminou com a intervenção de Zeus, que determinou que Adônis seria livre quatro meses do ano, passaria outros quatro com Afrodite e os restantes quatro com Perséfone.

Obviamente que o acordo inicial teria que ser desrespeitado porque era um logo por corresponder a uma realidade mítica que já existia desde o rapto de Perséfone.

Voltando à Arábia Saudita, não xiita mas sunita, verificamos que esta parece ter sepultado e enterrado no seu subconsciente colectivo esta relação da palmeira e do duplo sabre da deusa mãe. Do mesmo modo, a manutenção do calendário lunar, dos símbolos supremos do crescente lunar e da estrela de Istar serão uma mesma forma traumática de denegação patriarcal do antigo poder matriarcal da tradição insular mediterrânica.

No entanto, na origem, o sangue terá sido a motivação essencial. O sangue foi reconhecido muito cedo pelos povos primitivos como fonte de vida e fazer sangramentos por mutilação pungente seria uma forma intuitiva de dar aos deuses o que cada um tinha de mais sagrado, ou seja, umas gotas da própria vida! De resto esta mística de lógica mágica intuitiva, como se notou já, teria sido durante séculos um arquétipo que levou no Egipto ao culto do «cá» e do anquê, nos povos primitivos a cobrir os cadáveres com ocre vermelho por magia simpática, a mesma que faria com que os maias preferissem esta cor nas pinturas murais dos recantos iniciáticos dos seus templos. Este arquétipo, ainda subjacente na cultura moderna, tem servido de reforço emotivo subconsciente para as pessoas procurarem participar no altruísmo de dar sangue, tanto mais que ser dador dá direito a cartão de livre-trânsito que facilita o acesso aos cuidados de saúde.

…As a result, Huitzilopochtli ceased to be the tutelary god of a poor band of outcasts, and his rise to greatness coincided with that of the Aztecs themselves.

The old Toltec prayers, most of them directed to Quetzalcoatl, were revised in his favor, and his priests composed a number of others. Since he was identified with the sun, he was called "the Giver of Life" and "the Preserver of Life."

Tlacaelel did not originate the idea that Huitzilopochtli-the-Sun had to be fed the most precious food of all-human blood but he was unquestionably responsible for the central importance that this idea acquired in the Aztec religion. There is good evidence that human sacrifices were performed in the Valley of Mexico before the arrival of the Aztecs, but apparently no other tribe ever performed them with such frequency…

O culto solar era preponderante no Egipto e será natural pensar que a mística solar centro-americana terá tido ligações com esta ou com um qualquer povo intermediário de marinheiros do mar Egeu! O templo solar egípcio de Niusserré tinha num dos lados do pátio grandes matadouros de animais destinados ao sacrifício. No chão deste pátio ainda hoje se podem ver grandes bacias de pedra para onde era escoado o sangue de bovinos. O sangue, tal como hoje de forma meramente fisiológica e utilitarista, era um fluido vital (o ka) que, ao ser oferecido ao sol, só poderia corresponder a uma mística que implicava a noção de que o astro que dava a vida se alimentava também de vida num ciclo místico cósmico infinito, eterno e sem saída!

…The explanation seems to be that Tlacaelel persuaded the Aztec kings (he was counselor to Motecuhzoma I and his successor Axayacatl after the death of Itzcoatl) that their mission was to extend the dominions of Huitzilopochtli so that there would be a constant supply of captives to be sacrificed.

Fray Diego de Duran wrote that Itzcoatl "took only those actions which were counseled by Tlacaelel," and that he believed it was his mission "to gather together all the nations" in the service of his god. It was also Tlacaelel who suggested the building of the great main temple in Tenochtitlan, dedicated to Huitzilopochtli. Before the Spaniards destroyed it, it was the scene of innumerable sacrifices of captives, first from nearby places and later from such distant regions as Oaxaca, Chiapas and Guatemala.

The changes brought about by Tlacaelel in Aztec religious thought and ritual were his most important accomplishments, but he also reformed the judicial system, the army, the protocol of the royal court and the organization of pochtecas, or traveling merchants, and he even directed the creation of a large botanical garden in Oaxtepec, on the outskirts of Cuauhtla in the present-day state of Morelos. Despite his key role in Aztec history, Tlacaelel never consented to become king, even though the nobles offered him the throne on the death of Itzcoatl in 1440 and again on the death of Motecuhzoma I in 1469.-- [6]

A figura lendária do criador da mística dos sacrifícios humanos dos Astecas, Tlaca-el-el, além de ter um ressonante nome fenício, demonstra que a visão totalitária e fanática dum homem honesto pode ser tão perniciosa para a evolução da ética social como a devassidão anarquizante e laxista dos desonestos. De qualquer modo, ficamos a saber que as grandes loucuras humanas são o resultado da intoxicação abusiva do espiritual e do divino, pelo menos duma parte poderosa e influente da sociedade. É óbvio que a teoria da justificação do expansionismo imperialista dos astecas não passava duma perversão mítica e sobretudo era obviamente um anacronismo cultural! No entanto, com ou sem desculpas teóricas, a crueldade dos assírios não terá sido muito menor, nem a dos romanos, nem a dos cruzados, nem a de Turquemeda ou dos próprios espanhóis aquém e além-mar no período conturbado da contra-reforma.

826. Muitas cidades sentiram os efeitos da generosidade desse soberano (Agripa). Ele nada poupou para erigir em Berito um sumptuoso teatro e um anfiteatro, banhos e galerias que não lhe eram inferiores em beleza. Diversos concertos de música e outros divertimentos tiveram lugar pela primeira vez nesse teatro. Com o propósito de divertir o povo e para que se visse no meio da paz uma imagem da guerra, mandaram vir ao anfiteatro mil e quatrocentos homens condenados à morte, que foram divididos em dois grupos. O combate foi tão obstinado e sangrento que, de todo esse grande número, nem um só ficou com vida. – Flávio Josefo.

Do mesmo modo, também o fanatismo elitista dos judeus não é mais recomendável do que a giad islâmica pois entre ambas nem o diabo tem escolha!

Neste contexto histórico os Espanhóis tiveram Deus do seu lado e sobretudo uma grande sorte...ou não passa tudo duma ilusão feita há medida da história dos vencedores? Não, quase todos os impérios caem de podres, seja por velhice, seja por má gestão da natural conflitualidade interna. No caso dos astecas, o recurso a uma política intensiva de terror ideológico acabou por se revelar uma arma de dois gumes e, visto a posteriore, compreende-se que a sua derrota seria inevitável. Os impérios que exploram os cativos que prendem no interior das suas muralhas acabam por cair com a ajuda da revolta e da traição destes quando os inimigos aparecem às portas das suas cidades. Os impérios que sacrificam sistematicamente os vencidos acabam por não ter quem os defenda quando são atacados. De qualquer modo quase todos os impérios e civilizações caem à mão dos estrangeiros que são chamados a socorre-los ou se aproveitam das suas guerras civis intestinas.

Les Aztèques considéraient que plusieurs Soleils avaient existé auparavant. Il y avait eu le Soleil de terre suivi de ceux du vent, du feu et de l'eau. Tous périrent dans un cataclysme. Le cinquième Soleil fut créé à Teotihuacan. Les dieux se réunirent pour désigner celui qui aurait l'honneur d'incarner le nouvel astre. Ce soleil était celui du mouvement. Mais comme les précédents sa destinée était de disparaître lui aussi dans un cataclysme. C'est cette perspective pessimiste qui est à l'origine de la vision mystico guerrière des Aztèques. Tlacaelel réussit à persuader les sages que l'on pouvait éviter la mort du Soleil en le nourrissant d'eau précieuse. Ce liquide était le sang des êtres humains que l'on allait sacrifier pour assurer la survie de l'astre solaire. Pour qu'il ne manque jamais d'eau précieuse, Tlacaelel instaura le principe des “guerres fleuries” entre les cités de la Triple Alliance. L'objectif était d'obtenir suffisamment de prisonniers pour les sacrifices. Pour que le Soleil vive, la guerre était devenue indispensable. Les Aztèques justifiaient alors leurs conquêtes par la mission suprême qu'il devaient accomplir. [7]

Acumulando todos estes inconvenientes, os astecas tiveram ainda a pouca sorte de terem partilhado uma teoria mítica com implicações pragmáticas completamente anacrónicas e de efeitos contraproducentes. É que, a razia de sacrifícios humanos atingia precisamente os elementos mais dinâmicos da sociedade da Tripla Aliança asteca e acabariam por produzir o mesmo efeito que teve a purga estalinista levada a cabe nas chefias do exército vermelho!

Claro que uma teoria cataclísmica de ciclos solares permite suspeitar uma origem cultural traumática de causa astronómica. Sendo quase certo que os astecas eram sobreviventes do cataclismo ocorrido no mar Egeu por volta do ano de 1700 antes de Cristo podemos postular que esta teoria mítica encobre a verdade recalcada desse mesmo cataclismo, tal como se postulou a propósito do carácter colonial e racista das civilizações centro-americanas pré-colombianas. Tal como os gregos acreditavam, sem grande convicção pragmática, aliás, que Faetonte, o filho do sol havia um dia caído na terra por não ter sabido conduzir o caro do sol (facto que os judeus confirmavam à sua maneira com o mito da “queda do anjo” do orgulho, Lúcifer) é quase seguro que tais mitos serão metáforas da queda de um cometa ou de um grande meteoro no centro do mar egeu precisamente por esta altura.

Todas as religiões são acerrimamente natalistas porque precisam de almas para o céu que acabam logicamente por serem sacrificadas como carne para canhão nas guerras santas que mais não são do que campanhas missionárias à força, feitas com a melhor intenção do mundo: levar almas para o céu, a bem ou a mal e o mais depressa possível! Mas por amor de Deus, se tudo isto é tão verdade como a inevitabilidade da luta de classes numa história repetitiva, monótona e sem fim, porque não nos empenhamos mais em incluir esta lógica na lei natural da luta pela sobrevivência dando conta de que ao conseguirmos o sucesso de ter eliminado os predadores naturais da espécie humana nos tornamos nos lobos uns dos outros? Será inevitável o cinismo? Estarão os sábios reformadores como o lendário Minos, que terá sido tão cruel a sacrificar jovens atenienses ao seu deus Minotauro quanto justo legislador dos vivos e depois de morto, dos mortos, Akineton, Moisés, S. Paulo, Maomé, Marx, etc., condenado a serem sempre excessivos? E um lugar-comum dizer que os defeitos dos grandes homens são do tamanho da sua imagem histórica. Mas, nada na vida se consegue sem luta e só Sócrates, Cristo e Buda parecem ter alcançado alguma paz de espírito aceitando que a luta social culturalmente mais eficaz é a aquela que é travada no interior do próprio crente.

Afinal a doença do fanatismo por intoxicação divina é tão recorrente na história como todas as guerras em nome dum qualquer ideal. No entanto, de quando em quanto, a loucura social por excesso de zelo espiritual atinge foros de tal letalidade que acabe em genocídio, como parece ter sido o que aconteceu com os astecas e, seguramente também, com o nazismo!

Notar que o núcleo semântico da teoria nazi era quase idêntico à dos astecas: a pureza da raça ariana tinha o lugar do sol e o racismo agressivo era a contrapartida dos sacrifícios humanos nos campos de concentração, nos crematórios e na guerra. Ora bem, é de ficar arrepiado só de pensar que o nome da ideologia nazi se chamava precisamente arianismo. O nome dos Ariano tem feito correr muita tinta relativa ao mito dos povos indo-europeus. A verdade é que ariano é a sobrevivência ressonante da onda de fundo do deus mais arcaico da cultura egeia. Este deus seria Úrano, o céu diurno, ou seja o pai do sol, ou seu filho Saturno / Crono, senhor dos exércitos dos infernos do Kur.

“Ariano” < haurian < Kauran > Ouranos < Ur-ano.

O deus Áries dos gregos era do signo do carneiro que é o mais solar de todos! O esoterismo é precisamente isto mesmo. A confirmação da existência duma memória cultural profunda a que Junge chamava subconsciente colectivo arquétipo. Assim, a teorias racistas são uma mera variante das intolerâncias religiosas fanáticas e/ou elitistas e correspondem a uma neurose social traumática de raízes profundas na história da humanidade, que obviamente tem sido tão conturbada e violenta quanto o e comparativamente falando a história de cada um de nos, mutatis mutandis!

“Médico, cura-te a ti mesmo" (Lucas 4: 23).

“De médico e de louco todo o mundo tem um pouco” mas, ainda assim conseguirá a humanidade curar-se sozinha? Seguramente que sim se conseguir recuperar-se como espécie natural, apesar de inteligente e civilizada.



[1] MOVIIENTOS RELIGIOSOS PRIMITIVOS. RELIGIONES DE LOS PUEBLOS DE MESOAMERICA Y AMERICA DEL SUR

[2] The Aztec Account of the Spanish Conquest of Mexico, Copyright by Casado Internet Group

[3] Docomento da revista Gente n.º 1272 de 31/01/2001.

[4] MEXICA SACRIFICE - In Their Own Words, AZTEC RELIGION – Sahagun. AZTEC STUDENT RESEARCH GUIDE.(C)1997-99 Thomas H. Frederiksen. All rights reserved

[5] WWW.rjames.com/toltec.

[6] The Aztec Account of the Spanish Conquest of Mexico, Copyright by Casado Internet Group

[7] Americas - Civilisations Precolombiennes - Azteques, Incas, Mayas.htm

Sem comentários:

Publicar um comentário