terça-feira, 18 de junho de 2013

DEUSES TELÚRICOS III, por artur felisberto

TALOS, UM DEUS SOLAR PLANTADO NA ILHA DE CRETA

clip_image001

Figura 1: Morte de Talo[1], “o que foi transformado em «talo» de planta.

En la mitología griega Talo (en griego Τάλων e Τάλως = Talôs) era un gigante de bronce. Existen varias versiones sobre su genealogía: a veces era considerado hijo de Cres y padre de Hefesto (lo que contradice la versión dominante), otras era un autómata forjado por el propio Hefesto con la ayuda de los cíclopes, y también a veces era el último de una malvada raza de gigantes de bronce. 

En cualquier caso, se le presentaba como el infatigable guardián de Creta (dado por Zeus a Europa o por Hefesto al rey Minos), encargado de dar tres vueltas cada día a la isla, impidiendo entrar en ella a los extranjeros y salir a los habitantes que no tenían el permiso del rey. Se decía que cuando Talos sorprendía a algún extranjero, se metía en el fuego hasta calentarse al rojo vivo y abrazaba entonces a sus víctimas hasta abrasarlas.

El invulnerable cuerpo de bronce de Talos era irrigado por una única vena diminuta que lo recorría desde el cuello al tobillo, donde estaba rematada por un clavo que le impedía desangrarse, siendo su único punto débil. Cuando Jasón y los argonautas llegaron a Creta tras obtener el vellocino de oro, Talos les impidió desembarcar del Argo arrojándoles grandes rocas a la bahía. Según Apolodoro (1.140), la hechicera Medea volvió loco a Talos con sus pócimas, haciéndole creer que podía hacerle inmortal quitándole el clavo de su tobillo, o bien que Poeas, padre de Filoctetes, atravesó la vena con una de sus flechas. En la Argonautica (4.1638), Medea le hiptonizaba desde el Argo, volviéndole loco y haciendo que se arrancase el clavo. En cualquier caso, al quitar el clavo de su tobillo se derramaba el icor de Talos, desangrándose y muriendo (compárese con la historia del talón de Aquiles). -- Wikipedia

clip_image002

Figura 2: Talos, nu, avançando para a direita, atira uma pedra com a mão direita segurando outra na esquerda. Rev: ΦΑΙC-ΤΙΩΝ, Cão pisteiro farejando.[2]

Hefesto («o coxo») e Talo parecem ser a mesma personagem, nascida por partenogénese, tendo sido um e outro precipitados de grande altura por rivais enfurecidos (ver 23. b 92. b) - originariamente em honra da sua mãe divina. – 12 Hera e seus filhos, os mitos gregos de Robert Gaves.

Ligado, pelo seu nascimento, a Hefesto ou a Dedalo, Talo era tanto um ser humano como um automato de bronze, ou melhor não seria nem uma nem outra coisa porque era um deus alado de transporte solar.

 

Ver: SUÁSTICA V, A RODA SOLAR (***)

 

Guardava a ilha de Creta do rei Minos com uma vigilância e um zelo excepcionais e impedia os viajantes de aportarem à ilha.

7. Hesiquio dice que Talos es un nombre del Sol; originalmente, por tanto, Talos sólo daba la vuelta a Creta una vez al día. Pero quizá los puertos de Creta quedaban protegidos de los piratas por tres cuerpos de vigilancia que enviaban patrullas. Y como a Talos el Sol se le llamaba también Tauro («el toro»; Bekker: Anécdotas i-344.10 y ss.; Apolodoro: i.9.26), su triple visita anual a las aldeas era probablemente un recorrido regio del rey Sol llevando su máscara de toro ritual, pues el año cretense se dividía en tres estaciones (véase 75.2). -- 92. Dédalo Y Talos, Los Mitos Griegos I, Robert Graves

Quando os apanhava ao largo da costa, lapidava-os e queimava-os, apertando-os com o próprio corpo que ele tinha previamente levado ao rubro”.

The name of the Talaea Mountains refers to the giant Talos, who played an important role in Cretan mythology. Talos was the guardian of the island of Crete. He circumnavigated it three times a day in order to protect it from intruders. This giant, who was made of bronze and had a unique vein running from his neck to his heel, was invention of Hephaestus. Talos was unarmed, however he was able to hurl enormous rocks at hostile vessels when they approached Crete, while at the same time his bronze body glowed so that everything he touched was destroyed by fire. He was also responsible for the laws being obeyed in the country. During his walks through the island he was holding the plaques in his hands, on which the laws were written. -- Culture And Ancient Cities of Rethymno.

Mas um dia, Medeia, com os seus encantamentos, conseguiu enlouquecê-lo e Talo, caminhando aos tropeções, caiu e rompeu a veia do pé que era o único ponto vulnerável do seu corpo. Diz-se também que Filoctetes lhe perfurou o pé com uma flecha. O mito posterior do “calcanhar de Aquiles” pode ser um plágio deste.

O mito de Talo é um belo exemplar do maneirismo helenista que, ao restaurar velhos mitos, perdidos em suportes orais de pouca qualidade, de acordo com uma metodologia empírica de refundação racionalizante os deixa eivados de descarados anacronismos. De acordo com uma perspectiva racionalista mais moderna poderíamos suspeitar que Talo era o vulcão Santorini da ilha de Thera que lapidava navios incautos com «es-talos» (< ish-Talo, lit. «gerados por Talo») de bombas piroclásticas, que literalmente queimava com o fogo das tefras dos seus ejecta, comprimindo-os entre os seus braços de lava incandescentes. A ruptura da “veia do pé” pode ser uma metáfora para uma qualquer variação súbita (metáfora do enlouquecimento?) na actividade vulcânica que de piroclástica passou a uma qualquer outra actividade inofensiva, possivelmente na forma dum túnel de lava (= “veia do pé”?) subterrâneo!

Mas, nada obsta que Talo existisse como rival do colosso de Rodes pois na fase final da talassocracia cretense a era do bronze estava no auge e Creta, capital dum império marítimo que ficou lendário na Atlântida, teria conseguido construir então uma estátua colossal ao seu deus padroeiro que mais não seria do que a versão local do hercúleo Melcarte de Tiro (Kartu-Tiro) e ao qual seria sacrificados estrangeiros nos festivais dionisíacos da primavera num gigantesco turíbulo de bronze.

«Crocodilo» < Croco-Tilo, o Talo amarelo < Kartu-Kyro > Kartu-Tiro

ó Mel-Kar-Tilo > Mirtilo > «Mértola».

Mas mesmo assim, é quase seguro que o cone Vulcânico de Santorini terá sido o modelo deste deus que seria Tauro, Taro, Talo, Til e Tiro, etc.

Com o tempo, o vulcão de Santorini pacificou-se e perdeu-se o rasto ao seu passado aterrador de que ficou apenas a lembrança dum filho de Hefesto que, no contexto metafórico descrito teria que adquirir uma conotação semântica relacionada com a fundição do bronze de que Hefesto era patrono e que mantinha ainda subliminar a relação com a lava em fusão!

O autómato de bronze, se não era uma mera reminiscência do gigantesco deus incinerador de sacrifícios humanos de Creta era já um claro anacronismo helenista inventado para dar suporte ao que restava da reminiscência semântica duma antiga actividade vulcânica, tão perigosa quão imprevisível, perto da ilha de Creta.

"A man of bronze, who had been placed in Crete by Zeus, to watch over Europa. To this end he was commanded to run around the island three times a day, to see who landed there. It was his practice to catch strangers, press them to his brazen bosom, and leap into a fire, laughing. From this practice comes the phrase "sardonic laughter".

Afinal que tem “riso sardónico” a ver com Talo?

El abrazo ardiente de Talos puede referirse a los sacrificios de seres humanos quemados ofrecidos a Moloch, alias Melkarth, que era adorado en Corinto como Melicertes (véase 70.5), y que probablemente también era conocido en Creta. Como este Talos llegó de Cerdeña, adonde se decía que había huido Dédalo cuando le persiguió Minos, y era al mismo tiempo el regalo de Zeus a Minos, los mitógrafos han simplificado la fábula atribuyendo su construcción a Hefesto, antes que a Dédalo; Hefesto y Dédalo eran el mismo personaje.

La sardónicus risus, o rictus, un retorcimiento de los músculos faciales, sintomático del tétanos, quizás se llamaba así porque el hombre-ciervo de los bronces sardos primitivos tiene la misma sonrisa triste y boquiabierta. -- ESCILA Y NISO por Robert Graves.

Sardónico (< Lat. sardonicu < Gr. sardonikón), adj. diz-se do riso forçado e sarcástico.

«Sardónico» < Lat. sardonicu < Gr. Sardonikón

<= Sardonia (= Sardô) => «Sardenha».

Sardonia < *Kartu(-ania) > Cretania.

Quer assim dizer que já na época clássica seria patente a patranha etimológica da origem mítica do “riso sardónico”!

8. La vena única de Talos pertenece al misterio de la fundición de bronce primitiva mediante el método de la cire-perdue. En primer lugar, el herrero hacía una imagen con cera de abejas que cubría con una capa de arcilla y ponía en un horno. Tan pronto como la arcilla estaba bien cocida abría un agujero entre el talón y el tobillo para que saliese la cera caliente y dejase un molde en el cual se podía verter bronce derretido. Cuando llenaba ese molde y adentro se enfriaba el metal, rompía la capa de arcilla y quedaba la imagen de bronce con la misma forma que la original de cera. Los cretenses llevaron el método de la cire-perdue a Cerdeña, juntamente con el culto de Dédalo.

Como Dédalo aprendió su oficio de Atenea, a la que se llamaba Medea en Corinto, la fábula de la muerte de Talos puede haber sido una interpretación errónea de una imagen que representaba a Atenea haciendo una demostración del método de la cire-perdue. La tradición de que la fusión de la cera causó la muerte de Ícaro parece pertenecer más bien al mito de su primo Talos, porque Talos, el hombre de bronce, está íntimamente relacionado con su homónimo, el forjador de bronce y supuesto inventor del compás.

(…)

10. La muerte de Talos por Peante recuerda la de Aquiles por París, también hiriéndole en el talón, y las de los centauros Folo y Quirón (véase 126.3). Estos mitos se relacionan íntimamente. Folo y Quirón murieron a causa de las flechas envenenadas de Heracles. Peante era el padre de Filoctetes, y cuando Heracles fue envenenado por otro centauro le ordenó que encendiera la pira; como consecuencia, Filoctetes obtuvo las mismas flechas (véase 145.f), una de las cuales le envenenó (véase 161.1).

Entonces París tomó prestadas las flechas mortales de Apolo Tesalio para matar a Aquiles, el hijo adoptivo de Quirón (véase 164.j); y finalmente, cuando Filoctetes vengó a Aquiles dando muerte a París, utilizó otra flecha de la aljaba de Heracles (véase 166.e). El rey sagrado Tesalio era muerto, al parecer, por una flecha untada con veneno de víbora, que su sucesor le clavaba entre el talón y el tobillo. -- 92. Dédalo Y Talos, Los Mitos Griegos I, Robert Graves

CRESUS

clip_image003

Figura 3: King Croesus of Lydia on the funeral pyre, lit by his servant Euthymos. (Adaptação com cores do autor de desenho do “Vase Catalog Number: Louvre G 197Attic Red Figure attributed to Myson”).

Como não nos parece que os habitantes da Sardenha tenham tido um prazer particular na matança dos piratas que tentavam assolar as suas costas resta aceitar que a relação mítica do “riso sardónico” com Talo se tenha processado a partir duma confusão fonética do nome da ilha da Sardenha com o nome da ilha de Creta! É que, a Sardenha teria sido outrora uma das colónias insulares desta talassocracia para onde terão, aliás emigrado em massa depois da explosão da ilha de Tera, razão, em parte das tragicómicas confusões reveladas neste mito.

Porém, o “riso sardónico” deve ter derivado, obviamente, de Sardes...devendo haver uma correlação com os horrores da morte pelo fogo a que Cresus foi condenado por Ciro e com a diabólica ironia do mesmo rei de Sardes que mesmo derrotado e mais morto que vivo e a cheirar a carne queimada ainda teve forças para dar uma soberba lição de cínica sensatez ao maior imperador do mundo!

Sardes, in Manisa Salihli is one of the most remarkable sightseeing areas of Turkey. It is the ancient Capital of Lydia, once ruled by King Croesus, who was the first one to use coinagein exchange for goods.

E isto é a gente a especular porque sardónico pode derivar duma palavra que foi afeiçoada para soar como Sardes!

Mas um riso sardónico é sinónimo de gargalhada tragicómica, mordaz e satírica, ou seja, algo da esfera dos sátiros, companheiros de Saturno, seguramente uma variante antiga de Vulcano. Ora, a verdade é que quase todos estes termos brejeiros têm conotação sarcástica, cáustica e picante, própria de deidades infernais como Vulcano! De resto a brejeirice dos bacanais tinham na Grécia o acompanhamento de alegres deuses infernais tais como Hefesto, Dionísio e os sátiros, tal como Saturno era o deus das orgiásticas saturnais. A meu ver, a origem étimológica de termos como Gr. Sarkastikós (= Sar kaustikós => lit. carne assada”) teria sobretudo a ver com o prazer que os sátiros tiveram no banquete do sacrifício do “deus menino”, Dionísio. Em qualquer dos casos a relação de Talo com esta conotação com os sacrifícios humanos de criancinhas seria também incontornável!

«Sarcástico» • (< Gr. Sarkas-tikós), adj. que envolve «escárnio» < «escarnir» < Germ. Skirnjan < Ish-Kur(a)n > «escornear > escornar» = • v. tr. ferir com os cornos; • (fig.) tratar com desprezo; • envilecer.

Quer dizer, a confusão seria inevitável e pode ter sido reforçada pelo facto de Talo ser considerado também filho de Cres, variante do nome do titã Creus, nome foneticamente próximo de Creso ou Cresto, nome que posteriormente foi confundido pelos primeiros romanos com o de Cristo. Quer isto dizer que, um dos nomes de Talo, enquanto filho morto da Virgem Mãe telúrica, pode ter sido Crio, Creso, Cresto ou Cristo.

Cres, The earth-goddess of the island of Crete.

Creso foi o último rei da Lídia (?, c. - 560-546 a.C.), filho e sucessor de Aliate. Submeteu a Ásia Menor, mas acabou vencido por Ciro II, O Grande, em Timbra e feito prisioneiro em Sardes. Famoso pela sua riqueza, a qual foi atribuída à exploração das areias auríferas do Pactolo, rio afluente do Hermo onde, segundo a lenda, se banhara o Rei Midas (que transformava em ouro tudo o que tocava). -- Wikipédia, a enciclopédia livre.

There was indeed great misfortune in store for Croesus. Cyrus the Great of Persia, extending his vast domains, was soon threatening the kingdom of Lydia. Croesus consulted the oracle of Delphi in Greece. The oracle replied: "If Croesus goes to war he will destroy a great empire." So Croesus went out to meet the army of Cyrus and was utterly defeated, he destroyed his own great empire. The old story goes on to relate that Cyrus ordered Croesus to be burned alive. [3]

O desgraçado rei veio a morrer também pelo fogo, quem sabe se castigado pela Deusa Mãe! Pelo menos terá sido uma parte da sua má consciência a este respeito que o terá levado à sensatez ante mortem que lhe permitiu salvar a sua cidade do mesmo destino!

Cyrus asked to Croesus why he shouted Solon's name, and Croesus asked him another question "what your soldiers are doing now?", showing the persian soldiers taking all the treasures and destroying everything; Cyrus replied "They are plundering your city"; then Croesus said "They are not plundering my city, it's your city now and your soldiers are destroying your city". After that short conversation Cyrus the Great stopped his soldiers. [4]

Esta ironia agónica de Cresus contrasta com a sua imolação sacrificial pelo fogo típica dos sacrifícios aos deuses de morte e ressurreição solar.

Ora, como esta muitas outras confusões e erradas conotações campeiam no mundo da mitologia pelo que, divagação por delírio será de preferir o que mais se ajusta à elucidação do quebra-cabeças em mosaico (puzzle) que é a pré-história.

 

FALARIS

Falaris, quien había recibido el encargo de construir el templo de Zeus Atabirino en la acrópolis, aprovechó su puesto para autoproclamarse tirano.

Según la Suda, consiguió hacerse amo de toda la isla. Finalmente fue depuesto por una rebelión general encabezada por Telémaco, antepasado de Terón (tirano c. 488 - 472 a. C.), y quemado vivo en su toro.

Faralis era conocido por su excesiva crueldad. Entre sus supuestas atrocidades se encuentra el canibalismo: se dice que comía bebés en período de lactancia.

En su toro de Faralis, que se dice fue inventado por Perillo de Atenas, las víctimas del tirano eran encerradas y, mediante una hoguera encendida debajo, cocinadas vivas mientras que sus gritos representaban el bramido del toro. La leyenda cuenta que el mismo Perillo fue la primera víctima. Algunos eruditos de principios del siglo XX indicaron una posible conexión entre el toro de Faralis y las imágenes de los cultos fenicios (véase el becerro de oro bíblico), e hipotetizaron una continuación de la práctica de los sacrificios humanos de Oriente. No obstante, esta idea luego perdió adeptos, aunque los argumentos originales no han sido refutados. La historia del toro no puede ser descartada como pura invención. Píndaro, quien vivió menos de un siglo más tarde, asoció expresamente a este instrumento de tortura con el nombre del tirano.

Canaanite worshipers of Molech made huge bronze statues of this god in the shape of a man with a bull's head. These hollow statues were filled with children who were then roasted inside the idols as offerings to Molech. [Lev 18:21; 20:2-5; I Ki 11:5-7 & 33; 2 Ki 23:10-13; Is 57:9; Jer 32:35, 49:1-3; Zeph 1:5; Acts 7:43. [5]

Só não vê quem não quer que Molequec, o touro de Falaris e Talo tinham as mesmas funções rituais de gigantescos «turíbulos», ainda hoje característicos das catedrais sevilhanas mas, onde seriam queimados tanto touros como seres humanos, antes de haver bruxas e judeus disponíveis para «autos de fé» em nome dum deus da salvação! De resto, entre Moleque, Moloc e Tlaloc parece haver ressonâncias fonéticas de “brônzeo timbre”, com o mesmo cheiro a carne humana assada apenas suportável pelas narinas divinas!

«Turíbulo» < Lat. turi-bulu, lit. “o que transporta ou e transportado pelo o touro”.

Tan-Talo, literalmente a Cobra cretense de estalo, ou cascavel, padroeira da talassocracia minóica.

Pois bem, durante muito tempo foi difícil a acreditar que a magnífica e requintada civilização do período áureo da saturnina civilização minóica tivesse sido também uma época obscura e arcaica de sacrifícios humanos. A verdade é que não é mais do que isso o que o mito de Talo sugere!

Por outro lado parece que uma variante do nome de Talo seria Tântalo. Ora, Tântalo está associado aos mitos gregos mais arcaicos e aos sacrifícios humanos neste mundo e aos suplícios infernais do outro que, nem por acaso, eram supostos castigos divinos decretados pelos deuses minóicos que presidiam aos tribunais dos infernos mas seriam meras idealizações de verdadeiros suplícios humanos à custa dos quais se tem feito o progresso da civilização pelo sacrifício da liberdade humana natural no altar da razão de estado e do poder necessário à boa ordem civilizada.

Na mitologia grega, Tântalo foi um mitológico rei da Frígia ou da Lídia, casado com Dione. Ele era filho de Zeus e da príncesa Plota. Segundo outras versões, Tântalo era filho do Rei Timolo da Lídia (deus associado à montanha de mesmo nome). Teve três filhos: Níobe, Dascilo e Pélope.

No início do seu reinado de Tântalo teria sido piedoso e consequentemente tão bafejado pela sorte da ajuda divina que chegou mesmo a ser tão poderoso que foi convidado por Zeus a sentar-se à mesa dos deuses e senhores da nova ordem olímpica.

Jactándose de ello entre los mortales, fue revelando los secretos que había oído en la mesa y, no contento con eso, robó algo de néctar y ambrosía y lo repartió entre sus amigos. Tántalo quiso corresponder a los dioses y les invitó a un banquete que organizó en el monte Sípilo. Cuando la comida empezó a escasear, decidió ofrecer a su hijo Pélope. En lo que constituye un arquetípico rito de iniciación chamánica, descuartizó al muchacho, coció sus miembros y los sirvió a los invitados. Los dioses, (…), evitaron tocar la ofrenda. Sólo Deméter, trastocada por la reciente pérdida de su hija Perséfone, “no se percató de lo que era” y se comió el hombro izquierdo del desdichado.

Sabendo-se que no monte Sípilo era adorada Cibele podemos começar a compreender porque é que apenas Deméter aceitou o sacrifico de Pélope. Na verdade, todos os sacrifícios humanos desde toda a antiguidade foram feitos em hora e louvor da poderosa e terrível Deusa Mãe senhora da vida e da morte de quem toda a fartura, fortuna e fertilidade dependiam; a que dava todas as formas de vida e que tanto dava como tirava!

O mito de seguida é pouco mais do que a restauração da boa ordem paternalista olímpica na forma dum milagre de morte e ressurreição solar que passou a fazer parte dos ritos pascais elêusinos.

Zeus ordenó a Hermes que reconstruyera el cuerpo de Pélope y lo volviera a cocer en un caldero mágico, sustituyendo su hombro por uno forjado de marfil de delfín, hecho por Hefesto y ofrecido por Deméter. Las moiras le dieron vida de nuevo y así obtuvo nuevas cualidades. Para reforzar su iniciación en los misterios divinos, Poseidón secuestró al nuevo Pélope y lo llevó al Olimpo, haciéndolo su amante.

Notar ainda que a nova ordem olímpica trazida da Anatólia hitita e do carro de guerra de cavalos pouco mais teria ainda feito neste mito contra a velha ordem matriarcal cretense uma vez que o sacrificado rapaz passou a ser copeiro e amante do deus dos mares de Creta confirmando-se assim que os sacrifícios de crianças aos deuses não seriam senão uma forma de delírio cultural em volta da homossexualidade implícita na cultura minóica do rapto de crianças e da pedofilia iniciática imposta pelo equilíbrio demográfico da ilha de Creta.

Mais tarde, Pélope retornou ao mundo dos humanos, possivelmente noutra geração dando início a uma dinastia que vira a dar nome ao Peloponeso. Enamorado de Hipodamia, pediu-a em casamento ao pai da moça, Enomau, rei de Olímpia, que já havia morto uns trinta anteriores pretendentes, por causa de uma secreta paixão incestuosa por esta filha justificada por uma profecia de que haveria de ser morto por um genro. Como condição para concordar com o casamento, Enomau exigiu que Pélope o vencesse numa corrida de quadrigas.

clip_image004

Figura 4: Cavalos alados etruscos.

O rei possuía excelentes cavalos, além de um auriga experiente, Mírtilo, vantagens com que já se livrara dos pretendentes anteriores. Assim, sabendo-se em desvantagem, Pélope procurou o seu ex-amante, Poseidon, a quem pediu ajuda. O mito conta brejeiro que, em memória dos "doces regalos de Afrodite" que vivera com o rapaz, o deus dos mares dispôs-se a ajudá-lo, cedendo-lhe um carro puxado por cavalos alados.

Pélope < Pherope, literalmente o que transporta a cobra alada solar!

Hipodamia, a “domadora de cavalos” pode ter aparecido vinda do mito anterior onde seria Despoina, a Coré, filha de Deméter, mais tarde Pótinia Teron, deusa dos cavalos trazidos pelos argonautas do Ponto Euxíno.

Quanto a Tântalo, Como castigo Tântalo oi lançado ao Tártaro, onde, num vale abundante em vegetação e água, foi sentenciado a não poder saciar sua fome e sede, visto que, ao aproximar-se da água esta escoava e ao erguer-se para colher os frutos das árvores, os ramos moviam-se para longe de seu alcance sob força do vento. A expressão suplício de Tântalo refere-se ao sofrimento daquele que deseja algo aparentemente tão próximo, porém, quanto inalcançável.

De resto, o nome de Talo e de Tântalo leva-nos sem muitas curvas a Tlaloc, o deus com idênticas funções entre os Azetecas, e com reconhecida fama de apreciador de carne humana bem passada! Esta conotação de “brônzeo sentido” é, como se viu antes, uma evolução da semântica do vulcanismo!

clip_image005

Figura 5: Pélope conduzindo o carro de Hipodamia!

Ver: TLALOC (***) & CANIBAL (****)

 

*Kur-lu-kako > Kalilusco > Taliloco > Tlaloc.

                                            > Tailliush > Tallos.

1- Ker-kius > Kerhius > *Kelius

2-                                                              > Solius > Solis > Sol.

Talos < Tellus < *Kelius  > Lat. Chelus > «Céu»

                                           > Grec. Hélios.

Ora, o material mais plausível para fazer imagens deste deus seria seguramente o «bronze» razão pela qual este arcaico deus acabaria por vir a ser uma espécie de patrono dos engenheiros que tiveram Dédalo como protótipo!

Putting to sea from there, they were hindered from touching at Crete by Talo.(2) Some say that he was a man of the Brazen Race, others that he was given to Minos by Hephaestus; he was a brazen man, but some say that he was a bull. He had a single vein extending from his neck to his ankles, and a bronze nail was rammed home at the end of the vein. This Talo kept guard, running round the island thrice every day; wherefore, when he saw the Argo standing inshore, he pelted it as usual with stones. His death was brought about by the wiles of Medea, whether, as some say, she drove him mad by drugs, or, as others say, she promised to make him immortal and then drew out the nail, so that all the ichor gushed out and he died. But some say that Poeas shot him dead in the ankle.

-----------------------------------------------------------------------------------------

2 (…) Talo would seem to have been a bronze image of the sun represented as a man with a bull's head. [6]

Se assim foi, estamos perante a confirmação do que suspeitávamos. Que Talo seria uma mera variante de Tella, o deus touro do mito hitita que deveria corresponder nos mitos micénicos ao touro de Minos, o Minotauro.

Por sua vez os touros do céu seriam o sol e a lua!

Figura 6: Winged ΤΑΛΩΝ armed with a stone. Silver didrachm from Phaistos, Crete (ca. 300/280-270 BC), obverse.

In the Cretan dialect, talôs was the equivalent of the Greek hêlios, the sun: the lexicon of Hesychius of Alexandria notes simply "Talos is the sun". In Crete Zeus was worshipped as Zeus Tallaios, "Solar Zeus", absorbing the earlier god as an epithet in the familiar sequence. The god was identified with the Tallaia, a spur of the Ida range in Crete.

clip_image006

On the coin from Phaistos (illustration) he is winged; in Greek vase-paintings and Etruscan bronze mirrors he is not. - From Wikipedia, the free encyclopedia.

clip_image007

Figura 7: taula de "Torralba d'en Salort".

Talos' name means "the sun" in the Cretan dialect, and "cut down" or "hewn" in Greek. - Theoi Project.

Não foi possível confirmar que *talos significasse em Grego Antigo o que quer que fosse! No entanto a etimologia proposta de significar “corte” ou feito em tiras parece confirmar a suspeição de uma arcaica relação meditarrânica com o conceito da taulas, talaiotes, mesas de pedra ou de tábuas implicitas na relação neolítica entre a Deusa Mãe, Talia / Tellus e arte de «talhar» a pedra e a madeira e fabricar «talhas» de barro!

Com esta conotação existe o interessante epíteto de Ares Polemistes Talaurinos que apela para um escudo feito de «talas» de couro taurino.

Consegue-se no entanto saber que em grego tala- é uma raiz com o significado de de “algo que suporta (e sofre) o peso” de uma carga forçada, como as «taras» dos «talantes» duma balança…o que, nem por acaso era o papel das taulas ("mesa" em catalão) da epoca arquitectónica talaiótica das Baleares.

 

Ver: TALABRIGAS (***) & TALIA (***)

 

No entanto, as relações entre as taulas talaióticas, as «taras», os talantes e «talentos» da balança, e o sol parecem remotas. Parecem…mas só por distração se não dá conta de que os “doze trabalhos de Hércules” são meras matáfora dos esforçado trabalho do sol ao longo do ano zodiacal e da capacidade deste para suportar, enquanto axis mundis, a abóbada celeste.

Um resto das divergências formais resultaria de naturais rivalidades políticas entre o que restava da civilização micénica e o que viria a ser o império hitita. Sobretudo a parte em que se refere que Talo foi colocado por Zeus em Creta para vigiar a Europa quase que poderia ser lida como eco subtil da geopolítica da época!

 

Ver: MINOTAURO (***) & SUÁSTICA (***)

 

O único problema numa interpretação unificada de ambos os mitos, do Minotauro e de Talos, reside no facto de que Talos seria um brônzeo filho de Hefesto / Vulcano e o Minotauro era o filho do touro branco que foi Zeus, o deus que seduziu a Europa.

(…). In his account of the death of Talo our author again differs from Apollonius Rhodius, according to whom Talo perished through grazing his ankle against a jagged rock, so that all the ichor in his body gushed out. This incident seems to have been narrated by Sophocles in one of his plays (…).

The account, mentioned by Apollodorus, which referred the death of Talo to the spells of Medea, is illustrated by a magnificent vase-painting, in the finest style, which represents Talo swooning to death in presence of the Argonauts, while the enchantress Medea stands by, gazing grimly at her victim and holding in one hand a basket from which she seems to be drawing with the other the fatal herbs. (…) -- [7]

Ora, nem por acaso, a tradição helenista legou-nos pelo menos três Talos relacionados com Creta, o que só comprova o fascínio e grau de incertezas dos autores clássicos em relação às arcaicas tradições daquela ilha e explica as divagações helenísticas que, tanto podem ser variantes, como pedaços do mesmo mito. De facto todos eles estão mais ou menos relacionados com a civilização minóica. Dois deles estão relacionados com a metalurgia do bronze. Ora, os mitos dos homens de “sangue azul” e os dos “homens verdes” como Glauco são seguramente manifestações de metáforas visuais relativas à cor putrefacta dos “deuses mortos” de mistura com metáforas relativas à relação marítima e enquiana destes deuses.

Cinaethon too in his poem represents Rhadamanthys as the son of Hephaestus, Hephaestus as a son of Talo, and Talo as a son of Cres. The legends of Greece generally have different forms, and this is particularly true of genealogy. -- Pausanias, Description of Greece.

Some Some have said that Talo 1 was son of Cres and father of Hephaestus. But others say that he was a creature made of bronze, given by Zeus to Europa, or by Hephaestus to Minos II, to be the warder of Crete; and whereas some have said that he was a brazen man, others have said that he was a bull. Talo I, yet others affirm, was the last of a generation of men of bronze sprung from the ash-trees.-- By Carlos Parada[8].

A tradição continental do mito de Talo era tão fraca que, como se pode ver, Talo ora era filho ora pai de Hefesto! Parte da confusão explica-se pelo cruzamento de dialectos mitológicos que permitem antever teónimos da mesma “família linguística” onde os clássicos teimaram ver deuses da mesma “família mítica”!

De facto, Radamanto (variante cretense de Osíris e do pérsico Abatur, lit. “ o pai touro!) não é senão uma variante infernal de Hermes que era filho de Enki, o deus do Kur, de quem herdara as funções herméticas de juiz dos mortos e por isso uma forma de Hefesto, que, por sua vez seria uma manifestação arcaica de Zeus, como fica suspeito nesta variante do mito, uma vez que se sabe por outras fontes que Radamanto era considerado filho de Parsifai e dum touro branco, que seria Zeus! Este Talo, filho de Cres, tinha uma genealogia suficientemente arcaica para poder ser, dos três, o que mais directamente se relacionaria com a linhagem dos titãs! De facto, os mais conhecidos exegetas da mitologia não identificam Cres que, então, será assim uma mera forma de Creus.

Os deuses arcaicos, como sabemos, eram quase todos taurinos, sobretudo quando relativos a funções telúricas como parecem ter sido as deste “deus filho” das chuvas da Primavera. Interessante seria cruzar este mito com a tradição taurina que refere:

Its association with the sun makes this animal a god of the heavens, resurrection, and fire, while its association with the moon makes it a god of earth, water, night, and death. This animal's masculinity is not diminished by its feminine lunar connections. However, when ridden by moon-goddesses such as Astarte, its masculine powers are said to be tamed or domesticated.[9]

Assim, quase que seguramente que o mito de Talo seria uma variante do mito do Minotauro e, em ambos os casos uma reminiscência de arcaicos ritos sangrentos de morte e ressurreição relacionados com velhos cultos matriarcais.

Tilla = (Tella, Hurri, Hurris) Hurrian bull-god. Taru = Hattic weather god. He is equated with the Hittite weather god Teshub. He was the father of Telepinu. Attala = Hittite ‘fartherly’ or 'lordly' (> Attalus, king of Lydia)

                    > Kar®u > Taru(ish) > Talo.

Kur-ur-ish > Hurris > Hurri

                                   > Tilla > Tella => Tellus.

                    > Turris > «torre».

At-tala óTala-at > Talo.

Na verdade, uma vez colocada a hipótese salta aos olhos que o Minotauro, isto é, o Touro de Minos” era, enquanto Talo, Taros = Touro.

Tella ou Tilla (Hurrian bull-god) - This is another bull sacred to the Storm-god (Teshub / Taru). In preparation for battle, the Storm-god has Tasmisus plate his tail with gold and drive him up Mount Imgarra with Seris and the battle wagon. The Sea, the Waters. She is told by Imbaluris that 'Kumarbis must remain father of the gods!'. Struck with fear by this message, she makes ready here abode and prepares to act as hostess for a feast for Kumarbis. This feast may have served as a meeting of Mother-goddesses who delivered Kumarbis' child by the Rock, Ullikummis.

                                                          ó Ker-ish, filho de Ker ó Helios.

Tilla < Tella < Thera-la < Ker-lu < *Kur-lu, o homem da terra!

ó Taru < kaur-is < Hurris.

«Sol» < Sol(is) < Chauris < Kaurish ó Ishkur.

clip_image008

Figura 8: representação num lekito de uma ker sobre a cabeça de um jovem guerreiro morto.

Na Na mitologia grega, as Queres são espíritos femininos, filhas da Noite, que as teve sem se unir a outro deus, tal como foi gerada pelo Cáos. Como todos os filhos do Cáos têm a força das leis enexoráveis da natureza sendo infalíveis e incontornáveis como a morte. Elas têm sobretudo a função de psicopompos de levar os mortos até Caronte.

E enquanto touro, Talos foi também um «couro» apolínio como Hélios, o Sol! Talos seria já de sí uma variante fonética micénica do minóico (mino)Ta(u)ro, como Melissa foi de merisha.

Talos < Taros < Ker-ush > Hel-i-ush > Hélios.

In the genealogy of the epic poet Cinaethon, Talos was apparently the Cretan sun-god, a son of Kres (that is, the island of Crete), and the father of the fire-god Hephaistos.

Notar que sendo Talos filho de Kres numa genealogia que Pausânias considerava duvidosa também poderia ter sido mais propositadamente filho de *Kertu, a deusa mãe dos cretenses, cuja forma mortífera terá possivelmente dado origem às Queres, espíritos dos mortos, variantes benignas das Eríneas, filhas de Ker, a deusas da “Morte Negra” por ser ela a Noite eterna e primordial.

Talos, enquanto deus morto como o sol-posto seria assim o “deus menino”, filho primogénito da “Morte Negra”, a deusa mãe Ker-tu, e por isso um deus alado e um legitimo irmão das Queres como Tánatos e Hipnos.

A confusão helenística tardia entre Talos, deus morto, e o mito alternativo de Talos, sobrinho de Dédalo o ferreiro, deu origem ao mito do deus autómato feito de bronze. Mas, as confusões inevitáveis da longa idade das trevas dos gregos terão gerado também a óbvia mistura da mitologia de Hefesto com a de Dédalo.

Dédalo < latim: Daedalos < grego: Daídalos < etrusco: Taitale

< Micenic. *Thei-Talos < Min. TE TU-RU-SA.[10]

Os mitos hititas, tal como têm chegado até nós revelam muitas idiossincrasias ainda mal estudadas que são seguramente o resultado duma religiosidade eclética que misturava a tradição matriarcal peri-mediterrânica, herdade do império cretense, com o patriarcado emergente do auge da agricultura e com a crescente consciência cultural do papel do macho taurino na fecundação das fêmeas, adquirida nos cultos secretos dos ritos de iniciação de morte e ressurreição solar.

Um dos resultados deste ecletismo é o carácter confuso e algo pueril dos seus mitos que têm mais de “histórias da carochinha” do que de teologia.

Ora, *Shethar seria uma evolução itálica de *Ishtal, quiçá o verdadeiro nome em sumério do arcaico deus cretense Talo e que em linguagem egeia seria *Talush, afinal uma variante de Escuro, filho esposo de Istar.

 

DEUSES COLOSSAIS

Uma variante de Iskur deve ter sido particularmente venerado em Creta na forma de um megalito fálico que foi substituído por um obelisco de bronze em comemoração do início da descoberta da fundição deste metal, ou mesmo por um farol de bronze como mais tarde veio a ser o de Rodes.

To you, O Sun, the people of Dorian Rhodes set up this bronze statue reaching to Olympus when they had pacified the waves of war and crowned their city with the spoils taken from the enemy. Not only over the seas but also on land did they kindle the lovely torch of freedom. Dedicatory inscription of the Colossus.

Assim, a falta de certeza sobre a etimologia do nome dos «faróis» permite-nos a suspeita de que estes tenham pouco a ver com os faraós ou pelo menos que o nome destes tenha sido mera coincidência circunstancial que apenas veio reforçar a alusão a uma alegoria muito mais universal e comum com o próprio nome dos faraós que era o arcaico nome de Kar, o deus Sol!

Outra maravilha colossal do helenismo foi o colosso de Rodes, igualmente dedicado à Roda solar, passe a ironia que não será descabida de todo já que Urash era o nome sumério dos deuses da primavera e da aurora > *Uratish > Rautes > *Ra-tu(ish), lit. «filhos da Rota» solar Rodes => lat. rota > «roda», precisamente por ser um farol, ou seja, um sol artificial como o da ilha de Faros de Alexandria.

clip_image009

Figura 9: Moeda com a efígie de Rodes. O sol «chapado na cara» e, na «coroa de rosas», uma homenagem à deusa da Aurora, a Deusa Mãe primordial da luz do sol! O nome da «cor de rosa» resulta assim das cores róseas da aurora, enquanto o nome desta flor derivará de um dos epítetos de Eos Rhododaktulos (< Rhotha Tha-Ki-tur(us) < *Ra-tu-Kiki-Kur, lit. «a que dá à luz (tu) o deus Ra, na dupla (Kiki) montanha (kur) do nascer do sol) de «dedos róseos» como a respectiva flor que servia de emblema à cidade de Rodes! Notar que a estilização da rosa dos antigos clássicos difere bastante da rosa dos clássicos modernos!

Rŭber, bra, brum (collat. form, nom. rŭbrus, Sol. 40, 23), adj. [Sanscr. rudhira, blood; Gr. eruthros, red; ef. rufus].

Quer assim dizer que o sânscrito rudhira estaria ainda foneticamente muito próximo de Rhododaktulos. No entanto, o sangue vermelho deve ter colhido o nome das cores «rutilantes» (< Lat. rutilante) do nascer do sol.

Rhodo(-daktulos) < Sanscr. Rudhira < *Ru-tir > Lat. rutilare

                                                                             < *Heru-Ter,

lit. “o poder solar de Horus” > Gr. Eruthros.

A influência da cultura mítica Egípcia no desenvolvimento das linguagens indo-europeias revela-se assim muito mais intensa do que se poderia pensar.

The oldest coin of Greece bore the impress of an ox. (…). Subsequently each province had its own impress: (…) Rhodes, the disc of the sun (the Colossus was an image to the sun.

Mas, maravilha das maravilhas do mundo antigo foi o “Colosso de Rodes”.

Kolossos, ou, Colossus, of the huge statues in the Egypt. temples, Hdt.: generally a statue, Aesch., Theocr. The most famous Colossus was that of Apollo at Rhodes, 70 cubits high, made in the time of Demetrius Poliorcetes, Luc. [deriv. uncertain]

Kolos, on docked, curtal, (> Lat. Curtus), Il.; of oxen, stump-horned or hornless, Hdt.; so, ô kole, addressed to a he-goat, Theocr. < kol-oustos , ê, on, docked, without horns, Id.s.v. kolon. = akeratos , on, ( < keras ) without horns, Pl.Plt.265c sq., Arist.HA 501a14, al. > kolosurtos, ou, poet. word, a noisy rabble, Il., Ar. [deriv. uncertain] -- Henry George Liddell, Robert Scott, An Intermediate Greek-English Lexicon.

O termo colossos < Kolosos só aparece no helenismo Esquilo e Heródoto, Pausânias

Tlaô = to take upon oneself, to bear, suffer, undergo. Atlas [a_euphon, tlas, v. Talaô]

Colossus, variante arcaica de Talo < Kal-Ash(us) > *Talassos, lit. «o filho de Talassa, a Deusa Mãe Mar dos gregos, filha de Talo e irmã de Talo!

 

Ver: TALASSA (***) & TALABRIGA / TALA / TALLA (***)

 

Tal facto ou idêntico terá degenerado no mito de Talo. O certo é que a “veia única” de Talo seria quiçá o único lado de autómato do mito pois seria já uma versão qualquer da maquinaria que levaria o combustível líquido para alimentar um farol que seria já uma maravilha de engenharia de fazer inveja ao próprio Dedalo, como mais tarde veio a ser o de Alexandria.

"Of the Seven Wonders of the Ancient World, only one had a practical use in addition to its architectural elegance: The Lighthouse of Alexandria. For sailors, it ensured a safe return to the Great Harbor. For architects, it meant even more: it was the tallest building on Earth. And for scientists, it was the mysterious mirror that fascinated them most... The mirror which reflection could be seen more than 50 km (35 miles) off-shore.

Porém, o farol de Alexandria situava-se numa pequena ilha perto da cidade de Alexandria chamada Pharos. "Its name, legend says, is a variation of Pharaoh's Island."

O lado hediondo dos sacrifícios humanos de estrangeiros seria apenas uma referência aos penosos trabalhos de escravidão que seriam a manutenção de um farol deste tipo numa época arcaica?

Sendo assim começa a desenhar-se a evidência de que o mito de Talo andou relacionado com as primeiras actividades metalúrgicas, ou seja com a primitiva tecnologia da fundição e tratamento dos metais na sequência de muito mais arcaicas actividades relacionadas com tratamento do fogo e utilização da pedra de que a cerâmica seria já o mais generalizado dos ofícios e a actividade de ferreiro a arte emergente. Em qualquer dos casos todas estas actividades estavam sobre a protecção de Enki, do deus de todas as «artes e ofícios», patrono do engenho e arte necessários desde a concepção e fabrico de utensílios e obras de arte, passando pelo seu transporte por terra ou por mar e indo até à sua distribuição pelos mercados.

clip_image010

Figura 10: O "Trabalho de Sísifo" era a sua condenação eterna: carregar um pedregulho até o cume de uma montanha que assim que atingia o cume rolava montanha abaixo obrigando Sísifo o mesmo trabalho ad infinitum. A metáfora com o trabalho do disco solar é obvia.

«Sísifo», aunque los griegos entendían que significaba «muy sabio», es un nombre que Hesiquio escribe Sesephus y se cree que es una variante griega de Tesup, el dios Sol hitita, idéntico a Atabirio, el dios Sol de Rodas (véase 42.4 y 93.1), cuyo animal sagrado era un toro.

Según Hesiquio (sub Carten), «Gortis» es el equivalente de Carten, la palabra cretense que significa vaca; y el casamiento parece haber sido entendido como realizado entre el Sol y la Luna, puesto que había un rebaño de vacas consagrado al Sol en Cortina (Servio sobre las Églogas de Virgilio vi.60). Sísifo, Robert Graves, - Los Mitos Griegos I.

 

Ver: HEBE (***)

 

Aceita-se que o nome de Sísifo não tivesse ocorrido por mero acaso e estivesse relacionado com um deus titânico relativo a cultos solares egeus mas a relação com Teshup é suspeita porque este deus era jupiteriano e pouco solar já que quem Arina / Ariadne é que era a rainha do Sol dos Hates. Postulando que a acentuação esdrúxula deste nome encobre um erre mudo podemos suspeitar que Sísifo seria *Kurkiki / Escur, ou seja um deus nocturno do sol-posto e dos infernos telúricos.

Sísifo < Kyrkipho < Kurkiko > Iskur > Ash-Kyrio > At(a)-Wir-io

> Atabirio.

Enki's Egyptian name was Ptah (Greek: Hephaestus; Roman: Vulcan). One of Enki's sons was Marduk, whom the Egyptians called Ra; another was Ningishzida (Egyptian: Thoth; Greek: Hermes)

Dédalo, (whose name means "Cunning Artist'') o «artista matreiro» como Enki, que tinha entre os fenícios o nome de Kothar-&-Khasis, neste mito terá sido uma variante grega dos sete Apkallu, os sábios de Enki, mas particularmente conotada com eventuais façanhas de engenharia que seguramente existiram na civilização minoica, onde teriam estado sobe a protecção do mesmo deus mas então denominado Talo.

Kothar-and-Khasis ('skillful and clever', also called Chousor and Heyan (Ea) and identified with Ptah) He is the craftsman god and is identified with Memphis.

Ou seja, até Dédalo seria a racionalização helenista de um mito relacionado com Talo, ou pelo menos com uma variante cretense dos Apkallu.

Apkallu < Apa-Kallu < *Caco-Kal-lu

>*Kaki-Taru > Thahe-Talo > Daedalus > Dédalo.

 

Ver: LOXIAS (***)

 

< *Kiki-Kur > Iscur = Hefaísto, irmão e esposo de Atena.

=> ish-Talo > Talo, filho de Talo/Tellus.

The labyrinth was constructed by Daedalus, whose father was Eupalamus, son of Metion, and whose mother was Alcippe; for he was an excellent architect and the first inventor of images. He had fled from Athens, because he had thrown down from the acropolis Talo, the son of his sister Perdix; (7) for Talo was his pupil, and Daedalus feared that with his talents he might surpass himself, seeing that he had sawed a thin stick with a jawbone of a snake which he had found. (8) But the corpse was discovered; Daedalus was tried in the Areopagus, and being condemned fled to Minos. And there Pasiphae having fallen in love with the bull of Poseidon, Daedalus acted as her accomplice by contriving a wooden cow, and he constructed the labyrinth, to which the Athenians every year sent seven youths and as many damsels to be fodder for the Minotaur.

------------------------------------------------------------------------------------------

(7) …The grave of Talo or Calos was shown near the theatre, at the foot of the acropolis, probably on the spot where he was supposed to have fallen from the battlements (Paus. 1.21.4).

(8) He is said to have improved the discovery by inventing the iron saw in imitation of the teeth in a serpent's jawbone.

clip_image011

Figura 11: Tellus, Deusa romana *Natura, da fartura e da fertilidade, numa belíssima composição do génio clássico, na Ara Pacis Augustae.

Parece evidente que Talo, um brônzeo “deus morto” como Osíris, se transformou numa árvore florida, óbvio símbolo do renascimento primaveril, como no mito de Atis, o que faz de Talo mais uma variante, a juntar a Sarpedon, dos cultos de morte e ressurreição cretenses, relacionados com arcaicos cultos de fertilidades agrícola simbolizados pela «arvore da vida». Ora, tudo isto estaria de perfeito acordo com o facto de Talo poder ter sido filho de Talo, a Deusa Mãe da «Primavera»!

Ora, foi precisamente por causa desta parte muito mais arcaica ainda do mito que nos aparece Dédalo, tio dum tal Talo ou Calos que teria inventado a serra de bronze duma forma mais bizarra no seu falso racionalismo do que na sua relação mítica com os dentes da cobra telúrica! O facto de Talo ter também sido Calos não deve ter sido por mero acaso já que, calo(s) significa «belo» em grego. Pois bem, causa ou efeito etimológico neste assunto a verdade é quase segura e Talo era um deus da Primavera e, por isso mesmo, intrinsecamente belo. Ora, o «belo» andou relacionado com a mesma etimologia da nívea e bela alvura do deus Belenus dos celtas, o Sr. da «bela-luz», como teve relações fálicas com os «taludes» dos cones dos vulcões e com os «Talo» dos vegetais que despontam na Primavera como as vergônteas nos «troncos» das árvores.

Talo foi um deus da Primavera como o hitita Telepinus de que é seguramente uma variante cretense e ambos partilham o étimo *Tel- da Deusa Mãe, a Tellus ou Terra! A verdade é que Telepinus (> lit. «alto pinheiro»?) terá estado relacionado com «pinho» (< Lat. Pinu), o «pinheiro» de Atis da frigia em cultos agrários de morte e ressurreição primaveril.

Telepinus < Tel-A(l)phinus < Tel-la-ki(ko) > Tlaloc > Tallush > Talo.

«Belo» < Lat. Bellu < Wel-lu < *Kar-lu + ish > «Carlos»

                                                                           > Lat. Tellus > Grec. Talo.

      «Farol»< Faro < (A)polo < *Kar-lu + ish > Phalus > Esp. «palos».

Ø     «falo» > «folho».

Ø     faraoc < «Faraó».

Ver: HEROGAMOS (***)

 

Ora, Belenus, equivalente apolíneo dos celtas, é quase Telepinus.

Belenus < Wer-Anu (> «Verão) < Kur-Anu + Ki = Kur-Ki-Anu > Tel(e)phian > Telepinus. E ambos eram variantes do nome de Vulcano.

Kur-Anu + Ki > Kur-Kan > Vulcano.

Já ficamos então a suspeitar de que Talo seria o filho vulcânico de Talo, o sol-posto causador do fogo subterrâneo ou seja, o mesmo que Vulcano e logo ele mesmo um vulcão activo, seguramente Santorini o grande farol do mar Egeu. A verdade é que o culto deste deus como farol vulcânico natural leva-nos à Itália enquanto o “novo mundo” da talassocracia cretense e que teria ficado a dever o seu nome ao facto de se tratar dum pais de inúmero vulcões junto à costa, o que em tempos de navegação arcaica seriam inestimáveis pontos de referência suficientes para deles ter derivado a necessidade e o nome dos faróis!

Antes dos romanos o deus dos vulcões era Sethlans

Etruscans Glossary:

Satre = (n.pers.m.) Saturn.

Shethre = (n.pers.m.)

Shethra = (n.pers.f.)

Shth = short for Shethre

Sethlans [= Hephaistos, Agni, Yavishtha] teaches Man to harness Fire and other Natural Forces for his Benefit. He is guardian of all Artisans and of their Arts. (n.pers.m.) Vulcan

Sethlans tanto pode significar terra (> land) de Seth como aquilo que quase seguramente seria enquanto mera variante do nome arcaico de Saturno.

Satre < Shethra / Shethre = (n.pers.f.) < *Shethar + an > Sethalans > Sethlans, possivelmente filho ou marido da deusa celta Achtland.

Achtland = Celtic goddess of love

 

THERA

clip_image013

clip_image014

Figura 12: Thera

Figura 13: Arquipélago de Santorini.

The eruption of Santorini in Greece in 1,650 B.C. was one of the largest (VEI=6) in the last 10,000 years. About 7 cubic miles (30 cubic km) of rhyodacite magma was erupted. The plinian column during the initial phase of the eruption was about 23 miles (36 km) high. The removal of such a large volume of magma caused the volcano to collapse, producing a caldera. Ash fell over a large area in the eastern Mediterranean and Turkey. The eruption probably caused the end of the Minoan civilization on the island of Crete.

http://volcano.und.nodak.edu/vwdocs/volc_images/europe_west_asia/

http://ntap.k12.ca.us/NTAP_hosted/whs/projects/history/santorini.html

«Cratera» < Lat. cratera < Gr. kratér (= vaso grande, talha), s. f. espécie de taça com duas asas onde os antigos traziam para a mesa o vinho misturado com água abertura pela qual o vulcão expele a lava; • (fig.) desgraça; • calamidade.

Não deixa de ser uma coisa estranha que a cratera de um vulcão deva o seu nome a uma mera e superficial conotação morfológica com um «vaso grego de boca larga». A verdade é que é suspeito que a inversa seja muito mais plausível! Foi o «vaso grego de boca larga» que recebeu o nome da sua estranha semelhança com a cratera de um vulcão adormecido incomodamente sugerido pela explosiva bebedeira que o vinho provoca, ou mesmo pela explosão das rolhas provocada pelo vinho fermentado! Entre Akroteri e a etimologia do Gr. kratér existe seguramente muito mais cumplicidade do que se poderia não ter pensado antes.

Claro que estas 30 mil pessoas tiveram que ser evacuadas para algum lado coisa que não era outrora tão fácil como nem hoje seria ainda! As cidades são nichos ecológicos que não se deslocam facilmente para outros lados sem graves convulsões ambientais.

clip_image015

Figura 14: Akroteri, a Minoan city on the south part of Thera, is being excavated. Photography copyrighted by Robert Decker.

About 3-6 feet (1-2 m) of ash fell on the city which had a population of about 30,000. The residents appear to have been successfully evacuated prior to the eruption.

No bodies have been found in the ash like those at Vesuvius. Archeologists also reported that movable objects had been taken from the city…

Então, é de pensar que parte destes povos de marinheiros resolveram demandar paragens com «sistema ecológico» menos robustos porque menos evoluídos ou seja ilhas desabitadas como as Canárias onde vieram a tornar-se Guanches, ou quem sabe as Américas então ainda distantes da fase do início da história porque generalizadamente em fases paleolíticas tão arcaicas como as que se viveriam no norte da Europa de então! Será que ao Anasazi começaram deste modo como colónias de sobreviventes da Aztelan, a terra do vulcão *Satalan?

Iscur-Anu > *Ash-Thera-Anu > Tella-ish-an > Tallos (an)

                                                                            > Tarish.

                                                    > Ashtilan > Aztlan.

 

Ver AZTLAN (***)

 

Pois bem, Santorini é seguramente um nome romanceado pelo gosto cristão de forma a parecer S. Saturnino tal como teria sido outrora um deus, *Saturino < Iscur-Anu > Saturno!

Ora, tal como os cristãos afeiçoaram o nome de Saturno para Santorini também os romanos poderiam ter latinizado para *Saturino um nome aborígene que poderia ter estado muito mais próximo de Kallisté e que poderia ser algo como *Ashtalano < *Ash-Thera-Anu > Saturan > *Saturino > Santorino.

 

ITÁLIA

O importante, no entanto é dar conta de que Sethlans é o nome dum deus vulcânico que de forma flagrantemente sonora nos faz ouvir ressonâncias étmicas relativas à Atlântida por intermédio da mítica origem dos Azetecas, que, afinal, seriam primos dos etruscos, quiçá porque ambos sobreviventes da explosão da ilha de Thera no arquipélago de Santorini.

Azetec. Aztlan < Etrusc. Sethlans < *Ash-Tela-Ana

                                                        < Tellus + An < *Kur-la > Kali.

                                                        > «Terra».

A reforçar toda esta semiologia temos o próprio nome da Itália.

Mas parece que existem positivistas que parecem preferir que o nome de coisas importantes derive de coisas banais.

La denominación Italia deriva casi con toda seguridad de una colonia griega en el Brucio (actual Calabria), la de los italos (referible a los italiotas). Por su parte la palabra italos en griego antiguo aludía al toro joven (¿??); cuando concluyó la hegemonía de los rasena ("etruscos") en Italia y comenzó la romana los pueblos peninsulares que se coaligaron contra la incipiente potencia romana adoptaron como emblema al toro "vitalos" llamado ahora italos tal como se constata en la numismática de esa época. Transformada en provincia (por victoria = provincia) de la urbe romana, la península y sus islas adyacentes fue desde entonces llamada Italia. -- Wikipédia.

O problema é que não se encontra o termo grec. *italos nos dicionários de grego, onde o vitelo é portos, aparentado com o luso «potro» (muda a espécie mas mantém-se a idade).

 

Ver: MINOTAURO (***)

 

A moeda é um evento recente das colónias gregas da Anatólia do sec. VII A. C. e à época da Magna Grécia. Antes disso as sociedades anteriores à idade do ferro tinham naturalmente sistemas económicos de troca directa, que durou por vários séculos sabe-se lá desde quando e que, deu origem ao surgimento de vocábulos como “salário”, quando o pagamento dos soldados romanos era feito através de certa quantidade de sal; "pecúnia", do latim "pecus", que significa rebanho (gado) ou "peculium", relativo ao gado miúdo (ovelha ou cabrito). Seria normal que este facto tivesse influenciado a numismática.

clip_image016

clip_image017

clip_image018

clip_image019

clip_image020

clip_image021

Figura 15, Figura 16, Figura 17, Figura 18, Figura 19, Figura 20: Moedas gregas, algumas da Magna Grécia.

Assim, vamos encontrar na “cara” de moedas gregas desta época, toda a espécie de animais que possivelmente teriam uma relação com a prosperidade económica das cidades que as cunhavam, nalguns casos sem uma relação óbvia como será o caso do cão, caranguejo, da tartaruga, do galo e da lebre e até mesmo do veado, mas mais evidentes no caso do QOURIW (touro) , AINION (bode), SAIWN (cavalo).

clip_image022

clip_image024

Figura 21: Lucania, Italy, c. 425 - 400 B.C

Figura 22: Lucania, Italy, c. 560 - 510 B.C.

The coinage of Thourioi began in the late 440s. The earliest dies are believed to have been been numbered consecutively, meaning this coin was struck with the third triobol obverse die used by the city.

Parece que Atenas, a cidade de burgueses astutos foi a primeira a reconhecer as imagens cunhadas, ao passarem de mãos em mãos, poderiam ter um elevado potencial propagandístico de que cedo se aproveitaram para fazerem a apologia da sua padroeira Atena e do seu mocho. Roma fez o mesmo desde a república e durante o império chegando a ser descarados os motivos propagandísticos em algumas cunhagens imperiais de momentos de crise. Assim, deuses, símbolos, cenas e animais mitológicos são preponderantes na numismática antiga sem que se possa inferir que tenha havido uma peculiaridade do helenismo italiota a respeito duma relação entre a sua fonte de pecúlio e a iconografia das suas moedas, que em rigor, pouco diferiam tanto em estilo como na iconografia das moedas do helenismo. Em regra, no entanto, a cara das moedas continham os símbolos heráldicos da cidade que as cunhava.

clip_image025 Figura 23: moeda Lídia com a cabeça dum bezerro.

A primeira moeda Lídia foi cunhada em eletrum com a cabeça de um leão na única face.

Atenas usou o mocho, Corinto o Pégaso e Egina a tartaruga, Brutium o trípode, etc.

De facto, encontram-se moedas da Magna Grécia com motivos taurinos, bem como cabeças de cavalo e cenas de “Hércules e o touro cretense”; a lebre é típica da Sicília (Messana, 480 - 461 B.C.), o touro com cabeça humana, da cidade siciliana de Gelas mas o motivo taurino mais frequente é o QOURIW (touro) da Lucania. No continente o trípode é frequente em Brutium, e na Calábria são raros ou motivos taurinos. Porém, nem o touro nem o bezerro eram uma especialidade de trocas especial da Itália antiga, reconhecível pela numismática.

clip_image026

Figura 24: A vaca e o bezerrinho são um motivo típico das moedas da Ilíria da época da Magna Grécia.

No indo-europeu original, o prefixo “wet-” significava “ano” e “wet-olo” era o que tinha completado um ano. O que deu”Vitluf”, que, na língua dos oscos, era o acusativo de “bezerro”, ou seja “aos bezerros”, e daí em latim “vitellus”, bezerrinho. (...) E “vetulo“, em latim, que deu em português “velho” e “veterano”, de muitos anos. É que o gado vacum era tão importante para esses povos que adoptaram, como emblema, a imagem de um touro jovem, que aparece em algumas moedas da época, com o nome de “vitalos“.Pouco tempo depois, o “v”, de “vitalos” caiu, e ficaram os “italos“, nome com que se

denominaram as tribos do Sul e que com o tempo incluiu também os latinos. – Inacio Steinhardt, Blog: História das Palavras[11]

Como não encontramos bezerros com nome de Vitalos na numismática consultada e como nos 58 textos gregos do Projecto Perseus o termo ítalos aparece sempre referido a Itália ou aos seus habitantes e nunca a touro, a não ser numa interpretação etimológica mítica de Apolodoro, somos levados a concluir que as teses pseudo-modernas do nome de Itália pouco mais fazem do que seguir a falsa pista de Apolodoro.

And passing through Abderia 9 he came to Liguria, 10 where Ialebion and Dercynus, sons of Poseidon, attempted to rob him of the kine, but he killed them11 and went on his way through Tyrrhenia. But at Rhegium a bull broke away 12 [p. 217] and hastily plunging into the sea swam across to Sicily, and having passed through the neighboring country since called Italy after it, for the Tyrrhenians called the bull italus, 13 came to the plain of Eryx, who reigned over the Elymi.14 -- Apollodorus, Library and Epitome (ed. Sir James George Frazer)

The Etruscans were known to ancient Greek writers as Tyrrhenians (the Romans called them ``Tusci'' or ``Etrusci''); and the part of the Mediterranean Sea enclosed by the Italian peninsula and the islands of Sicily, Sardinia, and Corsica was--and still is--called the Tyrrhenian Sea, since this area was dominated by Etruscan shipping for several centuries.

           > «troixas», do mesmo que os cretenses ou os primeiros cristãos foram «cretinos»(J)![12]

T®usci < Trusci < (H)Etrusci < Ki-Tur-ki < Kiter-uscos.

                               Tyrrhenians < Tur-ki-(a)n-ian => Tarkinian

                                                                 > «Turcos».

Se assim foi, o mais provável é que tivessem sido estes a dar o nome à Itália, já que assim parece ter sido, lendo nas entrelinhas do mito de Apolodoro. No entanto, a razão pela qual as coisas aconteceram pode não ter sido tão simples nem por meras razões pecuniárias.

De facto, o «vitelo» latino tem vários sinónimos e parece ser um diminutivo de “vitula”.

«Vitelo» < Lat. vĭtellus , i, m. dim. [vitŭla, ae, f. (Gr. italos, bull; whence Italia; Sanscr. vatsas, calf)] (= novilho de menos de um ano) = būcŭlus (tb. bōcŭlus ), i, m. dim. [bos] = jūnix, or uncontr. jŭvĕnix , īcis, f. [juvenix].

Ora, Vitula era o nome duma das muitas deusas romanas que acabaram por cair em desuso com o tempo. Ainda assim parece haver provas de que assim terá sido.

ALIAE. RESTITVTAE. ANIMAE. DVLCISSIMAE.

BELLATOR. AVG. LIB. CONIVGI. CARISSIMAE.

AMICI. DVM. VIVIMVS. VIVAMUS.

In this inscription, it is almost impossible to translate the last three words. "While we live, let us live," is inadequate, to say the least.

So far did this doctrine go that latterly it was deemed necessary to have a special goddess as a patron. That goddess, if we may rely upon the authority of Festus, took her name "Vitula" from the word "Vita" or from the joyous life over which she was to preside.

A relação mais que possível desta deusa com cultos taurinos nada tem de original pois Istar era-o de nome (e de funções) bem como Hator, a vaca Egípcia e a relação dos deuses “manda-chuva” e de fertilidade agrícola com o gado bovino deve remontar aos primórdios do neolítico, aos primórdios da pastorícia ainda na fase da caça acompanhada pois a sua figuração aparece nos mais antigos ritos de iniciação de guerreira e de caça que a arte rupestre representam. Se os filhos de Vitula eram vitellus, também os seus crentes italiotas o teriam sido em linguagem etrusca.

Italos A. = tauros, D.C.Fr.4.2, Hsch.; whence Italy is said to be called, Timae.12, cf. Fest. s.v. Italia. (Witalos, cf. Lat. vitulus, Osc. Viteliû (Italia).)

Italos era um monarca lendário de Itália que se diz ter sido o filho de Tele-gono e Penelope. Veja Thuc. vi. 2, e Italia.

clip_image028

Figura 25: Juno Sospita ou Vítula?[13]

"And Kirke the daughter of Helios, Hyperion's son, loved steadfast Odysseus and bare Agrios and Latinos who was faultless and strong: also she brought forth Telegonos by the will of golden Aphrodite. And they ruled over the famous Tyrrhenians, very far off in a recess of the holy islands." - Hesiod, Theogony 1011

"Telegonos, on learning his mistake, transports his father's body with Penelope and Telemakhos to his mother's island, where Kirke makes them immortal, and Telegonos marries Penelope, and Telemakhos Kirke." - Homerica, Telegony Frag 1 (from Proclus, Chrestomathia).

Telegono, figlio di Ulisse e di Circe, mandato dalla madre a cercare il genitore, fu sospinto da una tempesta ad Itaca e qui, costretto dalla fame, cominciò a saccheggiare i campi; e con lui Ulisse e Telemaco, ignari, ingaggiarono un combattimento. Ulisse fu ucciso dal figlio Telegono. Ma dopo che (questi) riconobbe chi fosse (l'ucciso), per ordine di Minerva ritornò in patria con Telemaco e Penelope, nell'isola Enea; portarono a Circe Ulisse morto e qui (lo) seppellirono. Per ordine della medesima Minerva, Telegono sposò Penelope, Telemaco Circe. Da Circe e Telemaco nacque Latino, che dal suo nome diede il nome alla lingua latina; da Penelope e Telegono nacque Italo, che diede il nome all'Italia. Hyginus, Fabulae 127.

clip_image030

Figura 26: Mapa dos vulcões de Itália. A particular abundância desta entidade telúrica deve-se ao facto de a Itália se situar num região do globo onde se dá o encontro da placa continental africana com a europeia.

clip_image031

Figura 27: A Itália é aqui representada com a cornucópia que é símbolo da abundância telúrica da Deusa Mãe. De facto a Itália é uma região de «terra negra», a terra da «abundância» dos deuses da cornucópia que deu nome ao Egipto, porque de intensa actividade vulcânica.

A relação da lenda das viagens míticas de Ulisses com a Magna Grécia é mais do que provável mas o nome da Itália pode ser bem mais arcaico que o seu mítico fundador! A mitologia de deusas taurinas deve ter vindo de Creta onde Zeus fez a Io o contrário do que fez com Europa.

Ora, parece que foi Io, a bezerra de Zeus, quem foi casada com Telégono. Io era então a divina Bezerra que teve por nome italiota o de Vítula, que mais não seria senão a que veio a ser a latina Juno Sospita.

 

Ver: IO (***)

 

According to the historians one of the settlers there, a certain Italus, became king of Oenotria, and from him they took the name of Italians instead of that of Oenotrians, and the name of Italy was given to all that promontory of Europe lying between the Gulfs of Scylletium and of Lametus, which are half a day's journey apart. It was this Italus then who according to tradition converted the Oenotrians from a pastoral life to one of agriculture and gave them various ordinances, being the first to institute their system of common meals; hence the common meals and some of his laws are still observed by certain of his successors even today. -- Aristotle, Politics 7.1329b.

Ki-Taura > Wi-Talia > Itália.

                 > Etrusc. Vitula > Dim. Lat. vitullus > Osc. viteliû.

                 > Dim. Ki-tauros > Ki-Talos > *Wi-talos > Grec. Ítalos.

Vita > Vitula > vitellus.

Em conclusão, a Deusa Mãe, telúrica e taurina, senhora da vida e da morte, deu nome latino à vida...e ais «vitelos» etruscos e, talvez antes ainda da importância pecuniária do gado bovino à Itália, por ser a terra de Talos, o deus de dos muitos cones vulcânico, «talos» e «bétilos» ardentes que enxameiam a espinha dorsal da península de Itália por esta ser uma zona de subdução entre a placa continental euro-asiática e a placa africana.

Na etimologia dos nomes dos vulcões italianos além de vul-, do nome de Vulcano, aparece o nome da arcaica deusa do fogo e do fumo que foi *Kima =>

Amiata < *Ki-Ama-At > Tiamat.

                *Ki-Ama-Anu > Cimino.

Vesúvio < Wiash-úvio, é uma homenagem as cinzas vulcânicas, enquanto chuva de Vesta ou de seu esposo Phiash!

Colli Albani é seguramente uma modificação de Kalli/Talia, a esposa de Kalos/Talo. Ora, Kalos é, como se pode inferir do vaso seguinte, um dos erotes, filhos da deusa mãe e foi apenas uma das variantes do nome de Talo.

Talos < Kalos < *Kauros > Airos > Eros + *Kima

=> *Kimeros > Himeros.

 

SANTORINI

O mais famoso de todos os vulcões de Itália, depois do Vesúvio que destruiu Pompeia e Herculano, é sem dúvida Stromboli, o equivalente mítico italiano de antigo Santorini. Como deus do fogo telúrico, Talo era um deus dos «esTalo» (< Cast. «estallar» < ???) «produzidos por coisa que vibra de repente, que quebra, racha ou estala» como as explosões piroclásticas dos vulcões.

clip_image033

Figura 28: Nesta fotografia nocturna de feérico esplendor o Stromboli poderia ser uma metáfora Cérbero, um dragão de três cabeças guardião das portas dos infernos!

Stromboli is one of the few volcanoes on earth displaying continuous eruptive activity (also called "persistent" activity) over a period longer than a few years or decades. Its historic record goes back to more than 2500 years before present, and there is evidence that its persistent activity has been going on for as long as 5000 years. (…) Occasionally, there are periods of stronger, more continuous activity, with fountaining lasting several hours, violent ejection of blocks and large bombs, and, still more rarely, lava outflow.[14]

Stromboli = Strom-bol(i) (> Old English strong ??? < from Germanic: related to string[15]?) < storm-bal, lit. «o que transporta a tempestade»? Obviamente que começa a antever-se que se parte da língua Inglesa deriva da germânica então foi esta que derivou dum suporte comum dito Indo-Europeu necessariamente derivado das proto-linguagens mais arcaicas peri-mediterrânicas, possivelmente dos antigos falares cretenses, os povos da talassocracia mais antiga do mediterrâneo que colonizaram, por múltiplas razões, toda a costa navegável da época! A verdade é que:

Strom-bol(i) < Ishtaran-Vul > Aztalan-Kur, lit. “o monte dos infernos do Sr. deus Talo”. Outra curiosidade é reparar que o termo muito sumério Kur, biunívoco de monte e de subterrâneo (inferno) aparece afeiçoado no nome de Strom-bol afeiçoado foneticamente com um étimo em –bol, típica dos deuses apolíneos de transporte solar, que se aproxima do vul- de Vulcano. Quer isto dizer que as variações fonéticas próprias da evolução etimológica dos nomes podem ter surgido por interferências múltiplas tanto por ressonância onomatopaica como por analogia semântica com outros nomes! No caso, é o étimo vul- de Vulcano que se afeiçoou por mero onomatopaico enquanto –bol dos «deuses de transporte solar» deve ter herdado daquele a fonética que transmitiu modificada a Apolo para a voltou a emprestar ao nome do vulcão Stromboli na forma sonora dos «deuses de transporte solar», como o Discóbolo.

Na verdade, da tradição enquiana dos amores filiais de Enki/Inana restam reminiscências na mitologia clássica nas estranhas simpatias que Zeus sempre teve por Afrodite, que enquanto variante diurna de Atena foi amada secretamente por Hefesto enquanto aquela amou descaradamente Poseidon.

 

Ver: EUSES DO FOGO (***)

 

Porém, na mitologia Etrusca, seguramente mais próxima das fontes primitivas e arcaicas dos hititas, encontramos uma amante privada do deus supremo Tinia chamada Thalna.

Thalna = Winged Lady. Lover of Tinia. Goddess associated with childbirth.

Turns Aitas = Turms = "Hermes Psicopompo", Leader of the dead of Hades.

Tul is God of Boundaries, and completes the Templum Albi.

Tul [< Tur < *Kur > Ter-| + Minus > Terminus]

                    *Thalma < Thalna < Thal-Ana < Tarana

=> *Tul-An > Turan.

Madalena < Magdalena < Ma-Ki Thal-Ana > Makiarana > Macarena.

Ora bem, esta deusa alada poderia muito bem ter sido tanto a deusa dos partos quanto dos mortos como deusa da aurora e então pode ter sido Wanda (< Vanth < Wan-at ó Penates), uma variante fonética de Venus.

clip_image034

Figura 29: Tinia & Thalna, from a mirror from Vulci: 3-4th Century BCE.

Tailtiu:. Irish. Foster-mother of Lugh, who instituted the Tailtean Games, central event of the Festival of Lughnasadh (1 August), in her memory.[16]

Talo < Talishu < Tailtiu < Tali-tu < Tari-shu < Tarish > Istar

> Ishala > Estala > Estela.

               > Shala.

Shala = Diosa acadia que se cita como esposa de Adad en la motología elamita, que tenía capilla particular en un gran templo cerca de Susa..

Como Lugh é uma forma celta de Apolo Loxias é quase seguro que esta deusa era uma variante de Leto, que por sua vez seria uma forma de jovem Deusa Mãe, Vénus / Afrodite.

Em conclusão, é quase seguro que Talo na mitologia virtual do mar Egeu mãe de Talo sendo uma mera variante de Talya, mãe de Talo.

 

 



[1] Adaptação cibernética de desenho de cratera voluta de 400 a.C. -- 390 a.C. proveniente de Ruvo.

[2] Talos, nude, advancing right, hurling stone in his right hand, holding another in his left. Rev: ΦΑΙC−ΤΙΩΝ Hound on the scent to right.

[3] http://www.geocities.com/TheTropics/Paradise/5831/croesus.htm

[4] http://www.geocities.com/TheTropics/Paradise/5831/croesus.htm

[5] -- © 1998 by Suzetta Tucker, BULL The Sun, Resurrection, the Violence & Fertility of Nature.

[6] Apollodorus, Library and Epitome (ed. Sir James George Frazer).

[7] Idem.

[9]© 1998 by Suzetta Tucker, BULL The Sun, Resurrection, the Violence & Fertility of Nature.

[10] Linear A Texts in phonetic transcription, John Younger.

[11] http://steinhardts.wordpress.com/2006/11/03/.

[12] s. m. que ou aquele que, por deformidade orgânica, tem absoluta incapacidade moral; • (por ext.) pacóvio, lorpa, idiota. Seriam os cretenses tardios propícios a taras genéticas por excessiva promiscuidade consanguínea num ambiente de confinamento insular já sem grandes alternativas de emigração colonial? Talvez nem tanto porque à etimologia referida falta um elo que parece ter sido de origem suíça.

[French, cretin, from Swiss French, crestin, CHRISTIAN, hence human being (an idiot being nonetheless human).] -- The American Heritage Illustrated Encyclopedic Dictionary

No entanto, os «cretinos» já existiam muito antes de todos os cristãos, pré e pés judaicos, porque o termo grego Xρηστός era usado com esta conotação antitética já por Aristóteles e Apolodoro pelo que o francês suíço deve ter sido, a este respeito, pouco inovador. A dúvida será então a de saber se Xρηστός teria algo a ver com Creta como parece ressoar no temo cretino actual em língua lusa!

[13] Manipulação cibernética a partir de fotografia de terracota etrusca do Museu do Luvre.

[14] Copyright © Boris Behncke, "Italy's Volcanoes: The Cradle of Volcanology"

[15]"strong," Microsoft® Encarta® 99 Encyclopedia. The Concise® Oxford Dictionary,  9th Edition. (c) © Oxford University Press. All rights reserved.

[16] *Lugançada??? < Lughnasadh = Lugh-na-sadh

Sem comentários:

Publicar um comentário