quinta-feira, 9 de maio de 2013

AS SIGNIFICATIVAS PARECENÇAS TRANSATLÂNTICAS, por arturjotaef.

Based on analysis of mitochondrial DNA—a specific type of DNA found inside cells called mitochondria—scientists classify 97 percent of Native Americans into four groups, called A, B, C, and D. Most of the other 3 percent fall into a class termed X. The former four have all been found in varying frequencies in Asia. But the X variant has been found most commonly in Eastern Europe and the Middle East. At first, scientists thought that X was the result of recent mixing, say tribes absconding with European women who came over with fur traders, explains Michael Brown at the Emory Center for Molecular Medicine, who has been studying lineage X for the past 5 years along with Douglas Wallace, department chair. "But we found out that X comprised a full 25 percent of the Canadian and U.S. Great Lakes region Ojibwa tribe DNA, which is a really high frequency. They would have had to assimilate a lot of European women in a short time to get that high number, and it wasn't practical," says Brown. Because mitochondrial DNA is maternally inherited and mutates at a certain rate, scientists can study it to roughly estimate when two populations diverged. Upon closer examination, it turned out that the Native American X was distinct enough from the European X to assume the two groups had been separated for thousands of years, which suggested that prehistoric Asians and Europeans mixed. But when? Dating DNA is tricky, and by assuming different parameters, Brown came up with two different dates for X entering the New World: "One dates between 20 and 30 thousand years ago and the other corresponds roughly to 12 to 17 thousand years ago." But Brown notes the distribution of X today supports the later date. "X is largely restricted to a band that starts in western Canada and then sweeps through the Canadian and U.S. plains, as far as the present - day Navajo homeland, and then swoops back up into the Great Lakes and the Algonquin area of New York state and Quebec," explains Brown. "And while A, B, C, and D, are found in Mexico, Central America, and South America, X is not." -- The X-Files: DNA evidence shows that some Native Americans might have come from Europe, May 2001, By Gunjan Sinha

Claro que os ameríndios nativos da América do Norte que vieram virtualmente da Europa de leste e do médio oriente asiático poderiam ter seguido na cauda dos povos asiáticos que atravessaram o estreito de Bering por pertencerem a um povo que foi antepassado comum de todos estes grupos em questão. Mas teriam também surgido por via marítima, o que seria ainda mais espantoso, no arcaico paleolítico se pensarmos que a navegação foi inventada por um qualquer adorador de Enki depois do dilúvio.

 

Ver. DILÚVIO (***)

 

O mais provável é que tenham surgido das terras ibéricas, mesmo em erráticas navegações primitivas de costa à vista, bastando para tanto bordejar a calote polar que cercaria o hemisfério norte na época das grandes glaciações que terão existido precisamente nas épocas referidas, 30-20 mil e 17-12 mil antes de Cristo.

Collins stopped short of directly linking Clovis culture (generally dating to between 10,900 and 11,500 radiocarbon years ago) and the older European Solutrean culture. "However, I have been struck by the similarities between those cultures, particularly the Solutrean artifacts and Clovis artifacts." He believes it would be a terrible mistake to automatically rule out some form of influence or contact between the European and Clovis cultures.-- Carol Ann Lysek MAMMOTH TRUMPET VOL 15, NO. 1 (2000)

Se as datações relativas as épocas arcaicas é sempre passível de revisões então qualquer datação supostamente anterior ao mítico dilúvio se pode reportar-se para os tempos que precederam a última glaciação e estes, por sua vez, coincidirem com a propagação quase universal da arte rupestre pré-glacial.

clip_image001[4]

Figura 1: Mastaba a El Faraun, IV Dinastia Egipcia, antecesora arquitectónica tanto das pirámides egícias e ameríndias como dos zigurates.

clip_image002[4]

clip_image003[4]

Figura 3: Pirâmide escalonada de Djozer percursora das de Gize.

Figura 4: Pirâmide Inca de Piquillacta.

De qualquer modo, duma forma mais ou menos subliminar, teria existido sempre a memória colectiva de tal possibilidade e portanto, o desejo de partir para ocidente em busca do túmulo do sol-posto de que a demanda medieval do Santo Graal seria uma das últimas expressões mantida até hoje que de forma mística na alma dos peregrinos dos caminhos de Santiago. Ora, quantas Compostelas terão havido nos tempos antigos e arcaicos? Quantas terão repetido a busca do túmulo do deus morto e sepultado a ocidente, quantas as demandadas do paraíso perdido calcorreando bancos de gelo e quantas outras cegadas enviesadas ao novo mundo, nem tanto em arriscadas aventuras marítimas, mas, sobretudo, depois de milagrosas sobrevivências a desvios de rota durante tempestades e outros maus percursos marítimos!

Numerous studies report petroglyphs ("stone writings") found throughout South America that display, to varying degrees, pictographic or glyphic writing. A well-known find, the stone of Calango now on display at the Lima Museum, suggests a combination f pictographs with phonetic, perhaps even alphabetic, script. One of the greatest early explorers of South America, Alexander de Humboldt, reported that he heard of a missionary named Narcisse Gilbar who had found, among the Panos Indians of the Ucayale river north of Lima, a book of folded leaves, similar to such as had been used by the Aztecs in Mexcio, but no one in Lima could read it. "It was said that the Indians told the Missionary that the book recorded ancient wars and voyages."

Arthur Posansky found inscriptions in this script on rocks on the two sacred islands of Lake Titicaca. He pointed out that it was of a kind with enigmatic inscriptions found on Eastern Island - a conclusion with which scholars now generally agree. But the Eastern Island script is known to belong to the family of Indo-European scripts of the Indus Valley and of the Hittites.

As «parecenças culturais» entre as civilizações ameríndias e as mediterrânicas arcaicas são múltiplas mas as mais conhecidas são, de facto:

·      Os paralelismos mitológicos e linguísticos

·      As analogias instrumentais e de civilização

·      As estranhas semelhanças estéticas das grandes civilizações ameríndias com:

o     As pirâmides egípcias e os zigurates;

o     Com o estilo arquitectónico de tipo minóico e micénico.

We knew that the Maya people were, and are, excessively conservative, to such an extent that this, and their hatred of the Spaniard, has made it impossible for the white man to impose his speech on the vanquished. To this day masters must address their servants in the beautiful Maya tongue if they would have their orders executed. Was it not then possible that this same language, a most perfect one in its construction, should be the one hidden in the mural inscriptions ? Time and study brought an affirmative answer to this query. But first a few words about that language, yet spoken by the people, not only of Yucatan, but as far south as Guatemala and Tabasco. It is a very old form of speech, and it affords simple and natural etymologies for names of places and tribes in Asia and Africa, as well as for those of divinities worshipped by Egyptians, Chaldees, and other civilized nations of antiquity, even for the names of the various parts of the the Indian cosmogonic diagram called Sri-Santara. The grammatical forms and syntaxes of the Maya and Egyptian tongues are almost identical, while it is well known that the Egyptian language has no cognates in Asia or Africa; and, moreover, Dr. Le Plongeon's discoveries have proved that the hieratic alphabets of the learned men of Egypt and Mayax (as Yucatan was anciently called) are almost identical. The very word Maya must be familiar to all of you, since in India it means illusion, for which reason the Brahmins call the earth Maya. We find this word scattered over a great portion of the globe in India, Chaldea, Greece, Egypt, and even in modern times in Central Asia, Afghanistan, in the interior parts of Africa, and in tropic America as far back as Sonora. In one place, it is the name of god or goddess; in another, of hero or heroine; elsewhere, of a cast or tribe; in a fourth, that of place or country.

The Rig-veda teaches us that Maya is the goddess by whose union with [Page 6] Brahma all things were created. In Greece, Maya is daughter of Atlas, mother of Hermes, the good mother Kubêli, mother of the gods, whose worship has survived to our day in Spain, France, England, Germany, in the feast of the Maya, or May Queen. Did time allow, it could be shown that the word Maya is scattered over a broad extent of the earth; and everywhere in connection with wisdom, superior knowledge, and power. In Tahiti and other islands of the Pacific, the banana-tree is sacred, and is called Maya. -- THE MAYAS by Alice Dixon Le Plongeon

clip_image005[4]

Figura 2: Chichén Itzá, México. Archaeologists believe that the Formative period of Mayan civilization began as early as 1500 BC, but the peak of Mayan cultural achievement came during the Classic period, AD 300 to 900. During this time, the Maya created unique (?) art and architectural styles, made astronomical observations, and developed a system of hieroglyphs for recording significant events. Chichén Itzá, shown here, was founded early in the 6th century and was one of the most important Mayan cities. Randy Wells/ALLSTOCK, INC.

Tanto o novo como o antigo continente tinham construções ciclópicas, e muito semelhantes, como é o caso dos zigurates da Babilónia e as pirâmides Azetecas. De ambos os lados do oceano existem tradições dos gigantes e das amazonas. As ideias mitológicas e o estudo dos astros eram idênticos na Ásia, Egipto e América.

Quanto aos hebreus, muito dos seus costumes encontram-se nos povos americanos; as vestimentas e atributos sacerdotais desses eram idênticos aos que se vêem nos monumentos egípcios. A circuncisão fazia-se igualmente no Egipto, na América e entre os hebreus; e note-se que esses últimos a praticavam com uma pedra afiada, como os índios da América equatorial.

Tanto no Egipto quanto entre os maias a pele de leopardo parece ter sido um apanágio dos sacerdotes de mais levado nível. Esta tradição teria persistido no atributo da pele de felino que caracterizava Hércules, seguramente a sugerir que este deus seria a sobrevivência dum antigo culto solar.

A tradição das máscaras funerárias:

Death Mask Pectoral, Post-Classical Pre-Columbian

*

Desta época de 2000 a.C. remontam movimentos migratórios semitas e as origens da Grécia. Num relatório à Academia das Inscripções e Bellas Lettras pelo estudioso C. Renan (t.23, leitura de 9 de outubro de 1857), Renan "não admite que a Grécia tenha feito aos fenícios empréstimos para seus cultos mais antigos, particularmente aos que parecem ter raízes mais profundas no solo pelásgico. Estes mitos, diz ele, figuram em Hesíodo e Homero como velhas tradições cuja origem é desconhecida". Ora, as divindades pelásgicas, gregas e romanas tem seus nomes ou etimologias exatas na língua quíchua, donde resulta terem sido importadas da América equatorial.

Claro que neste ponto o autor vira a argumentação de pernas para o ar! Se atendermos à lógica do perfil temporal do desenvolvimento das grandes civilizações antigas é obvio que as civilizações ameríndias são muito posteriores às europeias pelo que a conclusão mais correcta teria sido a de que os gregos importaram os seus deuses dos pelágicos que os teriam outrora levado também para as Américas!

They called the Spaniards "teteuh", meaning "gods", which the Spaniards corrupted into "teules".

Teteuh é quase o grego e faz lembrar um nome grego que seria o esposo da Deusa Mãe Terra, Tétis ou Teteia.

Tloque-Nahuaque, "Lord of the Close Vicinity," sometimes Ipalemo-huani, "Giver of Life," sometimes Moyocoyatzin, "He who Creates Himself."

He also had two aspects, one masculine and one feminine. Thus he was also invoked as Ometeotl, "God of Duality," or given the double names Ometecuhtli and Omecihuatl, "Lord and Lady of Duality," Mictlantecuhtlitli and Mictecacihuatl, "Lord and Lady of the Region of Death," and others. [1]

Ometeotl = Ome-(teo-tl) < Grec. Homo, o étimo da ambivalência presente no termo «homossexual».

Los toltecas eran politeístas pero reconocían sobre todos sus dioses a un ser divino superior llamado Tloque Nahuaque, a quien adoraban ofreciéndole flores y resinas aromáticas.

Tlaloque ó Tloque < Tro-(que) < Tor < Kur

                     Nahuaque < Naku-(a-que) < Naku < Enki.

A repetição final que faz lembrar, de maneira estranha, a partícula conjuntiva latina que em função enumerativa.

Tloque Nahuaque = (Tlo-Nahua)que => Enki-Kur-Kaka

 

Ver: DEIDADES ASTECAS (***)

 

GUERREIROS EMPLUMADOS

 

Figura 3: maia emplumado.

The feathered headdresses, according to Herodotus and a late Assyrian text, are typical of Caria and Lycia during the Bronze Age. Later, the same style of headdress is also worn by "Ionian and Karian warriors in an Assyrian relief, and by a Lycian contingent in Xerxes' fleet" (Burn 1930, 143). Herodotus states that "the Greeks are indebted to them [Carians] for three inventions: fitting crests on helmets, putting devices on shields, and making shields with handles" (Rieu 1954, 82). The Iliad, however, does not describe a feathered helmet similar to that of the Sea Peoples, though it describes various other types of helmets. The feathered headdress also appears on a ceramic, anthropoid coffin uncovered at Beth-shean in Israel.

 (…). Anthropoid coffins have been found at other sites associated with Egyptian rule in both Egypt and Canaan. In addition, feathered headdresses appear on Sea People warriors pictured on a twelfth-century ivory game box and on a conical seal from Cyprus. The distinctive feathered headdress clearly seems to belong to the Sea Peoples, the Philistines in particular. In addition to showing feathered headdresses, the Phaistos Disk links Crete and Anatolia in other ways. The disk also pictures beehive-type structures (probably huts), which have features similar to those of Lycian architecture in southwest Anatolia. As well as mentioning the huts, Pendlebury cites the type of bow pictured on the disk as having an Asiatic origin (1965, 170). He believes that Anatolia played an important role on Crete in both the Early Minoan (before 2000 B.C.) and Middle Minoan (ca. 1800 B.C.) periods (1965, 53, 121-22). Nearly five hundred years separate the Phaistos Disk and the Egyptian reliefs at Medinet Habu (T. Dothan 1982a, 13), pointing to long-standing ties between Crete and Anatolia. [2]

 

Figura 4: Of course, all kinds of trans-atlantic similarities cannot be accepted as the evidence of connections between the Old World and the Americas in pre-columbian time. By the way, there are some very curious ones among them, such as these two frescoes from the different sides of the Atlantic ocean - the first one from Palenque and the other from Crete.

Figura 5: Guerreiros zulus do século 19.

Costumamos enfatizar as relações transatlânticas entre a Europa e o novo continente e esquecemos frequentemente que deste lado do Atlântico se situa também a África. Sendo assim, natural seria ter dado conta da flagrante semelhança entre muitos aspectos formais da cultura africana e idênticos ameríndios. No caso dos trajes guerreiros dos zulus a semelhança com maias e incas é tão patente que se estranha nunca tal ter sido suficientemente enfatizado. Obviamente que o preconceito rácico participa da cegueira histérica ocidental.

Os zulus estariam, na mesma época do século 19, ao nível de desenvolvimento entre a dos índios selvagens da América do norte e a dos maias. De forma autónoma ou participando no desenvolvimento do mesmo motivo cultural?

É obvio que o processo de desenvolvimento só pode ter padrões formais muito semelhantes se participar de alguma forma ou de padrões comuns que não necessitam necessariamente de ser contemporâneos bastando que tenham tido semelhanças genésicas ou tenham tido influências comuns marcantes em estados importantes do seu desenvolvimento. A origem genésica podemos encontra-la na civilização egeia e a lógica de desenvolvimento até estádios formais semelhantes, como que de acordo com um padrão comum, na embriogénese.

O mito da virgindade da América só tem sido sustentado pelo super-ego dos europeus, particularmente dos ibéricos porque este continente só deixou de ser visitado desde que a Europa foi hegemonizada pela potência continental que foi Roma! Os gregos haviam esquecido as rotas ameríndias porque o eixo do mundo se havia inclinado para o lado dos impérios orientais, primeiro o assírio e depois o persa comos quais os gregos tiveram que se preocupar particularmente a quando da colonização da Ásia menor! Assim, depois dos micénicos que terão andado feitos incas pelas regiões andinas, os filisteus terão sido os últimos, nos tempos antigos, a atravessar o atlântico e a chegar à cidade ameríndia de Tolan. Já no começo da época clássica só os fenícios sabiam, de forma secreta e oral, as rotas do atlântico, possivelmente pertença pessoal de certos capitães e almirantes, e que se terão perdido com a derrota de Cartago!

Figura 6: friso de guerreiros micénicos num vaso grego arcaico.[3]

Picture

 

Figura 7: guerreiros de cerâmica moche.

Figura 8: Guerreiros helénicos arcaicos. (A. Furtwängler und K. Reichhold, Die Sammlung Sabouroff)

 

LINGUÍSTICA COMPARADA

A linguística comparada poderia confirmar que não será por coincidência fortuita que as grandes civilizações centro-americanas têm nomes sugestivos de parentesco indo-europeu. Assim, consultando a ciência comum duma enciclopédia, verificamos que:

Toltec, (Nahuatl,master builders”), indigenous people of Mesoamerica (Mexico and northern Central America) who migrated from the north of what is now Mexico after the decline (about AD 700) of the great city of Teotihuacán and established a military state at Tula, about 64 km (40 mi) north of modern Mexico city, in the 10th century AD[4]

Nahuatl < Nahu | Naki = Enki | - | Atl(ant) < ash-Tal < Talos|

= Sr. Enki, filho de Tellus, variante de Hermes Propileu.

Ora bem, o facto de o nome da língua dos azetecas ter implícita esta semântica (que bem conhecemos tanto da arcaica mitologia megalítica dos cultos solares à deusa mãe da «dupla montanha da aurora» quanto da mitologia de Talos e de Talábriga!) a verdade é que esta faz sentido uma vez que os toltecas a si mesmos se denominavam por «mestres construtores».

 

Ver: TALOS & TALÁBRIGA (***) &  MEGALITOS (***)

 

De facto, Toltec = Taul-tec, lit. «(arqui)téc(tos) da pedra (= taula em maltês e «tala» em português)» = pedreiros (massões ou mestres Atlantes)!

One of the most intriguing links between Mayan and Egyptian cultures is the word Hu-Nab-Ku. Ku in ancient Sumer means ‘light’ and in ancient Egyptian Khu means ‘Magical Body’, recalling the Egyptian name for the Sphinx; Hu Nb. And what is the Sphinx if not a magical body? The interesting thing is that Hu-Nab-Ku, whose name is sometimes written as Huun Ab Ku, meaning ‘One is God as Measure and Movement’, was actually a Mayan Divinity who created the concept of Measure and Motion in Mayan mythology. In fact, the Mayans attributed the entire mathematical structure of the universe to his creation, and his work is represented by a square within a circle. The Mayan divinity is also related to the Egyptian God Thoth, who is said to have travelled to South America and shared his knowledge with the local gods in antiquity – possibly the pre-Columbian Olmecs, but certainly pre-Mayan.

Thoth was said to have authored sacred texts on subjects related to measure and movement, and the constellation of Libra, which is sometimes called the Scales of Thoth, was known as the constellation of the Bee in the Dogon cosmology, prior to the second century AD. The synchronicity calls attention to other similarities between the two cultures – such as pyramid building. In fact, the symbol of Hu-Nab-Ku’s mathematical structure of the universe – the square within a circle, is represented in the geometry of the pyramids. -- Bee Symbolism Beyond the Mediterranean. Andrew Gough.

La referencia más antigua de Hunab Ku proviene del siglo XVI, del Diccionario de Motul, obra en la que es identificado como el dios único y verdadero de los pueblos de Yucatán.1 2 3 También apareció el término en el Chilam Balam de Chumayel. Pero, como ya se mencionó, no resulta conocido en ninguna fuente de escritura maya prehispánica. Hunab Ku fue durante la colonia asociado al dios creador de los indígenas mayas Zamná, a fin de hacer uso del sincretismo religioso.

(…) En sus libros, Martínez planteó el concepto de que Hunab Ku demostraba el monoteismo de los mayas y sugirió que estaba representado por el símbolo de un cuadrado dentro de un círculo, o un círculo dentro de un cuadrado, el círculo representando la noción del movimiento y el cuadrado la idea de la medida. Martínez relacionó a Hunab Ku a los símbolos de la francomasonería, muy particularmente con la idea del "Gran Arquitecto del Universo" y del compás con la escuadra masones.

O facto de ter sido encontrado nenhum deus pré-colombiano com o nome Hunab Ku pela arqueologia não prova que não possa existir. Infelizmente a ciência só comprova o que existe mas não pode demonstrar o que nunca existiu. De qualquer modo aceita-se que não tenha sido um deus corrente e apenas um epíteto do deus supremo que seria entre os mais como noutras culturas o deus supremo das tempestades ou seja Ku-kul-kan ou Quezalquatle.

Andrew Gough conseguir vislumbrar a relação possível com um conceito egípcio relacionado com Tote quando divaga nas águas de metáfora criativa afirmando como facto provado que tenha sido este deus a navegar para a América do Sul onde plantou a civilização. Na verdade Tote era representado por um íbis uma ave pernaltas com pescoço longo e bico comprido que tinha a sagacidade de anunciar as enchentes do Nilo porque é a última ave a desaparecer antes de um furacão e a primeira a surgir depois da tempestade passa. Assim sendo esta ave teria sido associada aos mensageiros dos deuses como Hermes Trimegisto que os clássicos associaram também a Tote. Isto não quer dizer que tenha sido sempre assim.

Quase seguramente que foi no Egipto que a sabedoria foi associada às aves pernaltas porque no caso dos Apkallu os Oanes que ensinaram a civilização aos sumérios eram associados ora ao a uma carpa ou peixe ou a uma pomba que veio a ser o Espírito Santo. O interessante é pensar que o Íbis seria visto como a cobra emplumada que deu nome ao deus ameríndio Quezalquatle traduzido literalmente como cobra colibri, ou seja, uma vaga metáfora de um Íbis. A sua relação com Kukulkan, deus das tempestades e dos furações permite entender o resto da relação entre Tote, a sabedoria e a previsãod as tempestades e da enchentes do Nilo.

Quando ao conceito maia Hu-Nab-Ku o mais provável é que seria de facto uma frase de origem egípcia porque Hu era o deus do verbo criador.

The Egyptian god Hu was one of the minor gods in some respects, but he was one of the most important gods for those serious about Egyptian deities. Hu is the power of the spoken word. He personifies the authority of utterance. (…) However, some legends maintain that he was not just a part of creation, but that he was the creator. It is said that as Hu drew his first breath, there was in that sound the essence of his name. Hence, we have the name Hu, which sounds remarkably like the sound of an expelling breath. (…) So it is said that Hu is the Word of God, the first and the last breaths, Hu Hu.

The Ancient Egyptians recognized the Sphinx at the Giza Plateau as an image of Hu. -- The Egyptian God, Hu By Catherine C. Harris.

Pois bem, se a esfinge era a vera efígie de Hu é aceitável que tivesse também o epíteto sagrado de Hu-Nb, quase seguramente lido como Hu-Nebo, ou seja a palavra criadora de Nebo, que nem por acaso era o deus da escrita caldeu, ou seja, Hermes Trimegisto reconhecido como relacionado com a Esfíge enquanto Her-machis, literalmente Hermes, que em tempos arcaicos teria sido um leão alado, ou seja um dragão minóico ou um grifo. Como Ku é um dos elementos de Kukulkan é possível que tenha feito parte de Hu-Nab-Ku com o mesmo significado que teria em língua minóica, ou seja, a poderosa “apalavra de Nebu que protege (ku). De facto, Nebucadnezar é na ortografia babilónia Nabu - kudur - uzur, Nebo, o que proteja a coroa (da cidade). Assim, ficamos a saber que Ku-kul-kan, seria literalmente o “monte (kian) protector (ku-| thur < kur > Kul) que seriam as prirâmides.

 

TULA

Tula: La región fue ocupada por los chichimecas, una de las tribus náhuatl del mitológico Chicomostoc. A esta tribu se le nombró posteriormente tolteca-chichimeca. Chichimeca en función de la vida nómada que se pensaba habían llevado y tolteca para precisar que más tarde, fueron ellos los fundadores de un tollan, es decir, una gran ciudad. Tula fue fundada en el siglo X, por Ce Acatl Topiltzin Quetzacóatl, hijo de Mixcóatl, quien alcanzó el dominio de extensos territorios, riquezas y poderío; constituían una sociedad fuertemente estratificada y clasista, unos se dedicaban al trabajo productivo y otros al trabajo intelectual. Los toltecas rendían culto a Quetzalcóatl, deidad dual que simbolizaba el planeta Venus.

Como estrella de la mañana se le conocía como Tlahuizcalpantecutli y como lucero de la tarde se le llamaba Xólotl. La zona arqueológica está constituida por una gran plaza rodeada de monumentos: al norte se encuentran los Atlantes o Tlahuizcalpantecutli y el Palacio Quemado, al este se localiza el edificio principal, hacia el oeste está el juego de pelota número 2 y al sur hay un montículo, cerrando de esta manera la plaza.

Claro que as coincidências têm as costas largas porque, se não houvesse mesmo relações entre os dois lados do atlântico antes de Colombo, então, não deixaria de ser estranho o ter existido uma mítica «última Tule» lá para as bandas nórdicas da Islândia, quiçá precisamente enquanto os toltecas teriam construído outra no México precisamente no período do auge dos vikings! No entanto a Tula ameríndia foi real quando a Tule ocidental foi tão virtual como a Atlântida.

Pois bem, grande parte destes mistérios dissipa-se se postularmos que houve tempos arcaicos em que o conhecimento que se tinha das américas seria vago, mas real.

Tlahuizcalpantecutli < Tel(a)-Kuish-kalpanta-(coatel) < Tela-Kuish-Kar-Panta > Hit. Telephi(nus) Hepantalis

Xólotl < Chauroter < Kaurophoro > Hermes Karióphoro.

Aztec, people who dominated central and southern Mexico from the 14th to the 16th century and who are best known for having established an elaborate and wide-ranging empire destroyed by Spanish invaders. The name Aztec is derived from a mythical homeland to the north called Azatlán; the Aztecs also called themselves the Mexica. The Aztec language belongs to the Nahuatlan branch of the Uto-Aztecan family.[5]

Seria insensato passar como gato por brasas sobre afirmações como estas. Na verdade, seguindo a etimologia anterior, teríamos:

Aztec < Ash-tec, lit, «filhos de pedreiros», que vieram da península ibérica onde havia sido descoberta a «pedra lascada» há muitos séculos!

Nahuatlan < Naku-atlan < Enki-ashuran

                                           > Azatlán < Az Atlan d = Atlântida (Az = Oc? no sentido de ocidental?)

Será também mera coincidência que o étimo Atla- seja na margem ocidental a raiz semântica do Atlântico e do lado de lá Atl signifique água?

 

Ver: TALOBRIGA (***) & AZATLÁN (***) & GUANCHES (***)

 

Seriam os mexicanos originários da mesma região anatólica dos Mashauash > Ma ki ak > Maxik > México?

Inca (Quechua inka, “king” or “prince”), name applied by the Spanish to a Quechuan-speaking Native American people who established an extensive empire over the Andes in South America in the 15th century, shortly before the conquest of the New World (North and South America) by Europeans.[6]

Se Inca < Anki < Enki

<= Quechua < Keshua < Kia-Chu, povo Aqueu do grupo dos povos do mar.

Claro que a ousadia é muita! Entre o grego e esta língua as semelhanças serão poucas ou já nenhumas. Se o núcleo primitivo de emigrantes indo-europeu foi pequeno a pressão demográfica externa terá determinado a morte do idioma desses colonos. No entanto, não me espantaria se fossem muitas as surpresas num estudo linguístico comparado.

Maya, (called also Yucatec), the language of the Maya proper, is spoken by about 350,000 people in Yucatán, Guatemala, and Belize[7]

Se Aztec < Azatlán e Toltec < Nahuatlan,

então Yucate < yucatlan…

o que faria concluir que, dos povos do mar, teriam emigrado para o continente americano pelo menos três grupos da mesma tribo dos atlantes (Os *Az-, os *Nuhu- e os *yuc-) e ainda um grupo de Aqueus.

Seja como for, a verdade é que os nomes das principais civilizações centro-americanas são suspeitas de terem tido relações étmicas com os míticos atlantes. Ora, é bem possível que estas relações não tenham sido meramente étmicas e sejam a manifestação de algo mais real e profundo relacionado com o fenómeno historicamente seguro das invasões migratórias dos povos indo-europeus desde as épocas mais recuada da história antiga que poderão ter estado na origem da monarquia faraónica egípcia e minóica dos cretenses, na civilização micénica e hitita e que, são conhecidos no Egipto do sec. XV a.C. com o nome de povos do mar. Nestas coisas de etimologias míticas ficaremos sempre sem saber se foi o ovo ou a galinha que nasceu primeiro, ou seja se foi o nome ou o mito o primeiro a aparecer.

De facto a mitologia grega tem o seu mito cosmológico do Atlas tanto para explicar a segurança do céu sobre o mundo como a etimologia do oceano atlântico. Se Atlas < Atalas < *Atalan- então, este étimo pode muito bem ser anterior tanto ao mito do Atlas quanto ao da própria Atlântida.

 

Ver: ATLAS (***)

 

Ora, o nome da Atlântida é demasiado parecido, no seu étimo *alen, ao do nome de muitos povos indo-europeus antigos, como os Helenos e as tribos dos Alanos.

*Atalanos seria assim, uma variante destas tribos ou seja, literalmente filhos dos alanos, povos identificados pelos egípcios no grupo dos povos do mar com o nome de Seped, Peleset, etc. …O espantoso é ir encontrar este étimo do lado de lá do atlântico quando nem os Hititas o tinham mantido!

Os Hititas têm um nome controverso baseado em referências estrangeiras.

Na Bíblia são Heth(s) e nos anais da Assíria são Hattiti de Hatti = «lingua dos povos antes dos hititas». Hattussa = cidade dos hatt(s).

Em boa verdade, mais espantoso seria pensar que os Hititas tenham sido afinal os Hataluan, lit «homens e senhores dos hates» ó Atlantes do mito da atlântida.

 

POVOS DO MAR do reinado de RamsesIII

Nome Egípcio

Nome corrigido

Nome actual

Seped

???

???

Dana

Danes

Dinamarquese

Peleset

*Pele-ket

Filisteus

ANATOLIOS

HAT IT(as)

 

 

PALA IT(as)

< *Pele-

 

 

…e os palaitas que poderão ser o mesmo povo que apareceu como povo do mar a Ramesés III com o nome de Peleset e que eram afinal os filisteus. Estes terão tido alguma coisa a ver com os Palaicos por intermédio dos Peleketas.

Não será por acaso que os quatro guerreiros com toucado emplumado na pirâmide do centro de Tula, capital dos toltecas são tão semelhantes à representação dos Peleset nas pinturas do túmulo de Ramsés II.

Figure 1: Parte de um relevo do templo de Ramsés III em Tebas (cerca de 1300 a.C.) e os gigantes de Tula, a capital dos toltecas (cerca de 600 d. C.). Entre as duas representações medeiam cerca de 20 séculos, pelas datas oficiais actuais. Porém, as datas de Tula podem ser mais antigas e, por outro lado, os gigantes de Tula podem ser cópias de temas muito mais antigos pois o conservadorismo estético era apanágio de culturas faraónicas como estas.

Pois bem, esta possível alquimia etimológica só seria inverosímil se não tivesse, além das razões de pura intuição fonética, relações com o facto histórico de que alguns dos povos do mar do sec. XII a.C. serem muito seguramente colonos cretenses retornados do mar do Norte, quiçá em virtude duma súbita pequena glaciação, que para chegarem ao mediterrâneo neste século tiveram que dominar (e denominar) vários séculos antes o oceano atlântico.

Assim poderiam ter sido *Atalanos do mar do norte que deram o nome ao Atlântico e, às portas deste, ter nascido o Atlas. Quanto à Atlântida, se não foi mito platónica terá que corresponder a uma realidade geopolítica relacionada com estes *Atalanos!

Terá existido um império exterior à talassocracia cretense com o nome Atlântida ou deveremos ficar pela alternativa mais modesta de aceitar que existiram reis atlantes que dominaram o mediterrâneo cerca do sec. XX a.C. de tal modo que atalenos = Atlantes = povos do mar (do norte)?

Maior estremecimento seria aceitar que tais povos não só fizeram tremer o Egipto e a Grécia micénica como terão dominado o império cretense. De facto, suspeita-se hoje que a Creta minóica tenha sido sede de vários períodos distintos até à sua participação na cultura clássica grega como região de influência dórica.

Até por volta de 2000 a.C. > O mais antigo desde os alvores neolíticos até às invasões anatólicas, minóico, relacionado com o linear A ainda por decifrar, durante o qual Creta terá tido íntimas relações com o Egipto que terá muito provavelmente colonizado no início do período tinita explicando-se deste modo a suspeita, que muitos historiadores da antiguidade têm, de que a monarquia egípcia apareceu subitamente por imposição estrangeira. Esta suspeita está reforçada ainda:

pela estranha etimologia dos nomes dos primeiros faraós;

pelo facto de o primeiro faraó ter o nome de Menes estranhamente tão próximo do fonema Minos;

pela introdução dos túmulos megalíticos (pirâmides), estranhos à tradição local africana e mais comuns entre os povos cantábricos e os das estepes nórdicas, como foi o caso dos citas.

De 2000 a 1700 a.C. > Um outro Período dos Antigos palácios, iniciado com o linear B, hoje aceite como proto-grego, possivelmente coincidente com invasões anatólicas de povos indo-europeus de língua luvita aparentados com os Hititas. Ora, ainda que tidos como de origem Anatólia poderia esta invasões ter tido origem nos Danes do mar do norte? O clima frio dos mares do Norte não terá constituído um estímulo constante à fertilidade e à procura de terras hospitaleiras a sul para o seu excesso de população?

Este período termina com a chegada dos Aqueus ao mar Egeu e o começo da civilização micénica. Este facto pode explicar o mito de Teseu e a parte do relato da Atlântida lisonjeira para os atenienses. Bastará apenas para tanto aceitar que os Aqueus eram os legítimos antepassados dos atenienses. Porém, a única forma de poder encaixar este relato num contexto de subalternidade ou mesmo capitulação egípcia seria reportar o relato ou para O Primeiro Período Intermédio entre 2200 a 2040 a. C. ou para o Segundo Período Intermédio entre 1785-1580 a.C. Esta segunda hipótese é a mais capaz para responder à narração bíblica, à relação do mito da Atlântida com a explosão da ilha de Kalisté em 1650 e à realidade da invasão da ilha de Creta pelos micénicos por volta de 1700. Porém colocar os factos da Atlântida no Segundo Período Intermédio da história egípcia seria um convite a repensar a natureza étnica dos Hicsos. Na verdade não necessita de ser assim pois os Hicsos apareceram mais em consequência de calamidades do género das descritas no episódio da Atlântida, do que como causa. Na verdade o Segundo Período Intermédio começa na 13ª dinastia, época de anarquia e de caos em que vários faraós se sucedem em curto espaço de tempo ou estavam ao mesmo tempo no poder, enquanto a invasão dos Hicsos aconteceu na 15ª dinastia. A 14ª dinastia corresponde ao governo da região ocidental do Delta por príncipes de Xois (act. Sacka).

Ora, como nada se sabe da história deste período, pois apenas se conserva os nomes dos soberanos desta dinastia, Xois pode ser Kaus < Akauak = Aqueus!

De 1700 a 1400 a.C. > dá-se o Período dos Novos palácios que é já uma civilização micénica proto-grega. De forma paradoxal, enquanto por toda a parte a civilização antiga parece entrar em colapso em consequência da catástrofe telúrica da ilha de Kalisté, em Creta acontece a um aparente renascer das cinzas que não vai durar senão cerca de 250 anos até que novos abalos sísmicos destruam de estes novos palácios de forma definitiva por volta de 1450 a.C.

de 1400 a 1200 a. C. > Período de decadência

> do sec. XII  a. C. > invasão dórica

Também seria possível que as invasões dos atlantes tenham sido muito posteriores ao aparecimento da civilização micénica e às invasões dos Dórios por volta do sec. 12 º e que se sabe terem acabado na conquista de Creta. Porém, seria colocar no relato da Atlântida o fenómeno dos povos do mar que se de facto incomodaram os faraós egípcios não os dominaram e que, se não venceram os atenienses, também não foram por estes dominados.

Theseus, in Greek mythology, the greatest Athenian hero, the son either of Aegeus, king of Athens, or of Poseidon, god of the sea, and Aethra, daughter of Pittheus, king of Troezen.(…) His early adventures included his encounter with the Minotaur, a monster half human, half bull, who was confined in a labyrinth under the palace of Minos, king of Crete. With the help of Ariadne, Minos's daughter, Theseus killed the Minotaur and escaped from the maze. On his return to Athens, however, he forgot to hoist a white sail signalling his success against the Minotaur. Aegeus, seeing a black sail, believed his son dead and threw himself from a rocky height into the sea, which has since been known as the Aegean Sea.[8]

Ora, tanto quanto um mito pode conter de reminiscência da verdade, Perseu dá razão a Platão. Hoje sabe-se que Minos foi o nome genérico dos soberanos de Creta como faraó o foi no Egipto.[9]

Ao matar o Minotauro, que não era senão o deus da nova dinastia de Creta, Perseu simbolizou a cidade de Atenas ”que assombrou os olhos de todos com o seu heroísmo e a sua energia porque ela saiu vencedora” dos Atlantes que haviam iniciado a dinastia minóica em Creta. Nesta mesma linha de pensamento se insere o que a seguir se afirma:

”The story of King Minos and the killing of the Minotaur in the labyrinth by the Greek hero Theseus may be the mythic rendering of the battle for hegemony in the Aegean in which Mycenae gained control of Knossos.”[10]

Do mesmo modo, a parte do mito relacionado com a morte de Aegeus deve ser uma alusão à submersão de parte do arquipélago cretense na forma alegórica da morte do pai cretense da civilização micénica e do começo da hegemonia da cultura egeia de que o dito mar recebeu o nome.

Porém, neste ponto parece-me que teremos que aceitar que a narrativa Platónica é demasiado simplista e compactada para conter a verdade essencial de toda a complexidade histórica desse tempo. A grande carga mítica do relato platónico da Atlântida pode ser o resultado sobretudo da sobreposição de vários estratos históricos de épocas diferentes numa mesma descrição. A catástrofe da ilha de Kalisté é anterior ao sec XVII a.C. e os factos sugeridos no mito platónico, na figura dos reis Atlântida, pode corresponder aos dórios contemporâneos dos povos do mar do sec.XIII a.C. Claro que neste caso seria muito suspeita a postura antipatriota do sacerdote egípcio que neste ponto, se não ignorava, escondia de forma pouco compreensível o glorioso papel dos faraós ramessidas no combate aos povos do mar o que só seria compressível num relato de circunstância, feito por um anfitrião generoso diante de visitante ilustre, que denunciava sobretudo os dórios que não tinham afectado o Egipto (e que, por isso, não tinham sido realmente combatidos pelos Ramsés). Mas, a ser assim, parte do relato ficaria incoerente pelo que a hipótese dória continua pouco plausível.

Figura 9: Friso inferior de um vaso grego.

Figura 10: friso de vaso maia. <= Figura 11: Friso parietal do «Palácio do Governador» na cidade maia de Uxmal.

Figura 12: Mesa Verde.

Figura 13: Chaco Canyon.

Mas há outras semelhanças estilísticas mais difíceis ainda de explicar na medida em que estas não são meramente superficiais mas chegam quase a ser decalques dos mesmos motivos ornamentais.

A única diferença entre estes dois frisos não é nem de forma nem de estilo mas apenas de posição pois no friso maia apenas existe um posicionamento superior com rotação de baixo para cima em relação com o mesmo friso presente num vaso grego.

http://www.ancientgr.com/Unknown_Hellenic_History/Eng/Greeks_in_America.htm

Figura 14: Barcos de papiro construídos conforme técnicas faraónicas e em que, segundo a mitologia, Isis teria embarcado em busca de Osíris.

Figura 15: Índio aimará num barco de junco no lago Titicaca, a sul de Cuzco, a capital dos Incas.

A verdade é que os barcos de papiro do antigo Egipto e os barcos de junco dos não são apenas semelhantes porque são simplesmente iguais. Justificar o facto pelas leis do acaso ou chamar-lhe coincidência seria pouco ou nada adiantar. As leis das «teorias do acaso» são válidas para quantidades em jogo e não para analogias qualitativas que, quando presentes num simples objecto, envolvem não apenas uma mas uma grande variedade de muitas outras coincidências tanto na matéria como na forma do objecto. Neste caso além da semelhança formal verificamos a existência de uma semelhança tanto na matéria com que os barcos foram feitos como ainda nas técnicas utilizadas.

Acresce a tudo isto o facto de o nome aimará ser muito próximo foneticamente de Tamerá, o nome que os antigos egípcios davam ao seu país.

Aimará < Haimera < Ki-ama-ura > Tamerá.

 

Ver: FOMORIANOS (***)

 

De resto, se aceitarmos a hipótese da glaciação generalizada anterior ao décimo milénio antes de Cristo a linha de costa inter-atlântica seria mais curta por serem menos profundos os mares!

Uma segunda vaga de movimentos do mesmo tipo, mas já no período neolítico pós diluviano, bem como o lento percurso em «mancha de óleo» destes fenómenos, terá sido a razão pela qual os vamos encontrar já em plena época histórica na ilha de Páscoa numa mistura quase simultânea de povos originários da cultura megalítica com povos navegantes de origem minóica do começo da fase histórica mas já com conhecimento da escrita hieroglífica. O mesmo se terá passado com a colonização da América pré-colombiana onde a cultura megalítica olmeca terá dado origem à cultura neolítica maia vinda da esfera do mar Egeu.

 

Atlatls = are spear throwing sticks that have been used for thousands of years in many parts of the world, and are still probably used to throw harpoons on occasion.

Asqulalu: Objeto não identificado que é pesado "balanceado por lançar», comparável com um «lançador-de-vara». A palavra também significa uma planta (também conhecido como «cospe-o-sol») e um fenômeno atmosférico.[11]

Azet. Atlatls < Atla-tel, lit «as talas dos atlantes»! < Atlathil < *At -la-ki-lu = *At-ki-la-lu < AshKura-lu < Cald. Ashqulalu.

 

cipactli (crocodile) < ciph(r?)a-| < *Kaphura | Katilo ó (Ka)Kur-kathilo > «Crocodilo».

 

Ver: KARNALIA (***)

 

eecatl (vent) < E(l)ecatel < E(n)lel-cat < En-Lil-kiat, lit. «fogo ou espírito de Enlil => Eolo.

calli (maison) < Esp. calle, a rua (ao longo das) casas. Conotação quase certa com a deusa do fogo Kali, bem como com o étimo de calcário kal- que em algumas línguas ocidentais é étimo genérico de pedra.

cuetz-palin (lézard) < gest-pharino ó  Pharingesto <= Karan-Ki-ash ó Kartu-anish => «sardanisca» = «lagarto»

coatl (serpent) < cauatil < cawatilo > «caudilho».

                                                         < Kakatilo < Saka-Kuro > Iscur.

miquiztli (mort) < mukishtul < «Mefistotles».

                                               ó Mut-tur, lit. «touro de Mut».

mazatl (cerf) < *machathor, lit. «o Touro de Macha» que era Artémis, a Potnia Teron.

tochtli (lapin) >*toca-tor, lit. «o que faz tocas».

atl (eau) ó Atlas > atol(eiro) = pântano.

itzcuintli (chien) < ishkuin(ter) = *kunish > canis

ozomatli (singe) < Auxoma = Ma-hauxo <=> Ma-kaku > «macaco».

malinalli (herbe) < *Malinalha, lit «erva daninha»???.

acatl (roseau) < ac-atl < Ad-atl.

ocelotl (jaguar) < Haukerotilo < *sakarotilho ó crocodilho

quauhtli (aigle) < quakitur < Wautour <  *cacikur > Aqui-la < aguila

cozca-quauhtli (vautour) lit. «o Wautour de Kaushka, a deusa Hitita artemisina»

ollin (tremblement de terre) < Auglin < Haustelin < *catalum ó cataclismo

tecpatl (couteau de silex) < tecapator < *de-capador.

quiauitl (pluie) < quiavitur < *aqui-kathor > aguadeiro.

                                             < *kiakikur = kurakika > Phruwiha > Lat. «Pluvia»

xochitl (fleur) < xochiter < Haushter ó Istar = Flora.

Notar que a morfologia destes hieróglifos maias são, estilisticamente falando, muito semelhantes aos hieróglifos minóicos encontrados no célebre disco de Festos. Este facto reforça a suspeita de que a civilização Maia foi o resultado de uma colonização do continente americano pela talassocracia cretense numa fase precoce do começo da escrita. A brusca decadência do império minóico depois do cataclismo da ilha de Tera terá obrigado a civilização colonial que estes estariam a iniciar no Iucatão a provocar um corte umbilical abrupto com o ocidente. Assim, permanecendo subitamente sozinha a civilização maia teve que crescer, de uma forma quase artificial e desenraizada, como que nascida do nada no meio da floresta tropical, num ambiente hostil e quase completamente à margem das tradições dos povos autóctones que, mais a mal do que a bem eram forçada, por uma política de terror ideológico assente em sacrifícios humanos, a assimilar a civilização agrícola dos maias, estranha à maioria dos ameríndios da mesma época.

 

DEUS KAR NAS AMÉRIOCAS

Diodoro de Sicília (90-21 a.C.), escrevendo em 50 a.C., disse que os Cartagineses seguiram na navegação os rastos dos Cários nos mares do oeste. Os Cários usavam penas como os índios americanos. Segundo alguns historiadores foram deixando na maior parte da América seu nome, estabelecendo uma dinastia de sua raça que reinava em Quito, capital do Equador. Plutarco, em seu Tratado das manchas no orbe lunar, nos conta que, abrangendo todo o ocidente além das Colunas de Hércules, o continente em que reinava Merope foi visitado por Hércules numa expedição que fez para o oeste, e que seus companheiros ali apuraram a língua grega, que começava a adulterar-se. Segundo Heródoto, as origens gregas estariam na América. Ora, os indícios de que as culturas de Cuzco, no Peru, Yucatán, no México, San Agustín, na Colômbia, apresentam na filologia a presença dos Cários é gritante. O prefixo car aparece em numerosas culturas ameríndias. Entre os indígenas de Honduras, figura a tribo dos caras. No centro e no sul de uma vasta região contígua vivem as tribos dos caricos, carihos, caripunos, carayas, caras, carus, caris, carais, caribos, Cários, carannas, caribocas, cariocas, caratoperas, carabuscos, cauros, caricoris, cararaporis, carararis, etc.. Isto pode não significar uma prova, mas é significativo que todas as tribos em cujo nome aparece o prefixo "car" chamem os brancos europeus de "caras". Carioca, por exemplo, na língua guarani significa "terra dos homens brancos". –

 

APACHES E CELTAS, A MESMA ORIGEM TRIBAL.

The Navajo were given the name Ni’hookaa Diyan Diné by their creators. It means "Holy Earth People" or "Lords of the Earth". Navajos today simply call themselves "Diné", meaning "The People". The Tewa Indians were the first to call them "Navahu", which means "the large area of cultivated land". The Mexicans knew them as "Apaches Du Nabahu" (Apaches of the Cultivated Fields), where "Apache" (Enemy) was picked up from the Zuni Indian language.

Ni’hookaa Diyan Diné = da Santísima Terra, povo

= *Nikuka Dishana Thinetos º Thi-na-etos Nin-Kaka Dian(in)a

Como Nin-Kaka = Sr. do fogo purificador = Bona Dea ou Dea Celestis (epíteto de Tanit), então, podemos postular que Ni’hookaa º Dea, e então:

=> Tu-a(n)-(a)tha Dea Dananina º Tuatha Dé Danann.

Tuatha Dé Danann (Danann) = In Irish-Celtic mythology, the Tuatha Dé Danann ("People of the goddess Danu") are the Irish race of gods, founded by the goddess Danu.



[1] The Aztec Account of the Spanish Conquest of Mexico, Copyright by Casado Internet Group

[2] Attacks on Egypt

[3] Restauro cibernético do autor.

[4]idem

[5]idem.

[6]idem.

[7]idem.

[8]idem.

[9] De minus pode ter surgido o nome do primeiro faraó se aceitarmos que a dinastia foi imposta de fora possivelmente por Creta ou pelos povos indo-europeus que estiveram na origem desta duas civilizações

[10]idem.

[11] Asqulalu-weapon: Unidentified object which is "weighed" or balanced for throwing, comparable with a throw-stick. The word also means a plant (also known as "sunspit) and an atmospheric phenomenon.

Sem comentários:

Publicar um comentário