domingo, 12 de maio de 2013

DEUSES «MANDA CHUVA» II, por artur felisberto

INDRA, O divino «manda chuva» hindu. 1

 

INDRA, O DIVINO «MANDA CHUVA» HINDU.

Indra era el dios principal de la primitiva religión védica (previa al hinduismo) en la India. Aparece como héroe y figura central en el libro Rig vedá (hacia el siglo XI a. C.). Es considerado el dios de la guerra, la atmósfera, el cielo visible, el rayo, y la tormenta que era representado como una espada con ondulaciones (como un rayo).

clip_image001

Figura 1: (Indra (alias Sakra) and Sachi Riding the Divine Elephant Airavata, Folio from a Jain text, Panchakalyanaka (Five Auspicious Events in the Life of Jina Rishabhanatha [Adinatha]), circa 1670-1680, Painting in LACMA museum, originally from Amber, Rajasthan)

Posteriormente, en el hinduismo, se convirtió en el rey de todos los semidioses (dioses inferiores) y fue superado por los dioses Brahmá, Vishnú y Shivá.

Su arma es el relámpago (vashra).  Su vajana (vahana: ‘vehículo, montura’) es el elefante Airavata, que representa la nube de la cual Indra hace descargar su lluvia. 

Indra é o deus das tempestades no hinduísmo, filho da deusa mãe Aditi com o sábio deus Kashyapa. Rei de todos os deuses no passado, perdeu importância no período pós-védico.

In Puranic mythology, Indra is bestowed with a heroic and almost brash and amorous character at times, even as his reputation and role diminished in later Hinduism with the rise of the Trimurti.

A lenda relata sua fúria quando seus seguidores abandonaram seu culto e passaram a venerar Krishna. Quando Indra enviou uma tempestade para puni-los, eles oraram a Krishna, que ergueu uma montanha para protegê-los da força da tormenta.

The Veda itself sustains this view. It is certain that the victory of Indra over Vritra is essentially the same as his victory over the Panis. Vritra, the storm-fiend, is himself called one of the Panis; yet the latter are uniformly represented as night-demons. They steal Indra's golden cattle and drive them by circuitous paths to a dark hiding-place near the eastern horizon. Indra sends the dawn-nymph, Sarama, to search for them, but as she comes within sight of the dark stable, the Panis try to coax her to stay with them: "Let us make thee our sister, do not go away again; we will give thee part of the cows, O darling." According to the text of this hymn, she scorns their solicitations, but elsewhere the fickle dawn-nymph is said to coquet with the powers of darkness. She does not care for their cows, but will take a drink of milk, if they will be so good as to get it for her. Then she goes back and tells Indra that she cannot find the cows.[1]

clip_image002

Figura 2: Indra o rei dos deuses Védicos. (restauro cibernético do autor)

Na versão hindu da façanha que envolve Hércules num conflito mortal com Caco pela posse do «gado do céu», a semelhança com o roubo do gado de Apolo levado a cabo por Hermes chega ao ponto de Indra ter tido a ajuda de Sarama, etmicamente uma irmã de Hermes, equivalente fonético de Artemisa factos míticos que no final colocam os Panes (Pan e os Penates) no lugar de Caco e Apolo.

Sarama < Shar-Hama < Ish-har-kama ó Artemisa.

Indra tem muitos epítetos, notavelmente vr.s.an, o touro, e vr.trahan, assassino de Vrtra. Indra parece-se com o nome de um arqui-demónio oa Zoroastrismo, enquanto Verethragna se aparece como um deus de vitória.

Quer dizer que do mesmo modo que nas mitologias caldeias o deus das tempestades era um “manda chuva” de eficácia irregular que nem sempre era benéfico como deus supremo, nem sempre tão fértil como desejado nem tão vantajoso como o esperado nas lides guerreiras pelo que passou de rei dos deuses a divindade secundária com a criação da trindade védica, Trimurta.

 

Ver: HERMES, O DEUS DA CLÉPTOMANIA (***) & HÉRCULES & GERIÃO (***)

 

Quem era então Indra na tradição mítica mais arcaica representada nas mitologias ocidentais? Indara, o que parece ter pouco a ver com a evolução que o nome tem na geografia do extremo oriente.

"....As other discovered texts proved, the Hittite pantheon was in fact borrowed from (or through) the Hurrians. But this particular treaty held a special surprise: toward the end of the tablet, among the divine witnesses, there were also listed Mitra-ash, Uruwana, Indar, and the Nashatiyanu gods - the very Mitra, Varuna, Indra, and the Nasaya gods of the Hindu pantheon!

Indar = The Old Iranian god of warfare, courage and bravery. The Indra = One of the seven Daevas and the personification of apostasy; not to be confused with the Indian god Indra. His eternal opponent is Asha vahishta.

Indar seria o nome do deus indo-ariano anterior à rivalidade entre persas e hindus. A ideia duma invasão ariana da Índia fica assim comprometida pela evidência duma rivalidade que remontará precisamente à época desta suposta invasão. Esta rivalidade visceral teria passado a ser de tal monta que os deuses da guerra em voga num lado se tornaram nos diabos do outro. Quando se verifica que Indar era Indra na índia, seguramente por uma transformação fonética por ressonância com o próprio nome hindu, os persas conseguiram o supremo milagre, ou o maior dos crimes de blasfémia e apostasia que foi o de terem transformado o poderoso deus dos exército no seu oposto. Claro que os hindus terão reagido ideologicamente do mesmo modo. Porém, o dualismo mazdaista era muito mais exclusivo do que o politeísmo tradicional dos hindus para os quis deuses e demónios eram entidades de igual dignidade e respeito.

Na tradição budista, Indra é chamado também S'akra (Pali: Sakka).

Ele é conhecido em birmanês como algo pronunciado como ðadʑá-mɪ́ɴ, em tailandês como Phra Intra, em malaio como Indera, em Tamil como Intiran, em chinês como Dìshìtia-n, e em japonês como Taishakuten.

Ishtaran (Angal): - Patron god of Der, a city East of the Tigris.

Sak(ir)ka < S'akra < Sakura > Sírio, Sacar ó Saturno.

Ðadʑá-mɪ́n < Thadza Min, literalmente *tedusha, o deus menino, Min.

Chin. Dì-shì-tian ó Jap. Ta-ishaku®-ten

Persic. Tish-trya

Phra | Intra < In-dera < In-tir-an < Istaran < Ish-kur-an

ó Luv. Tar-hun (variantes) = Tar-hunt, < Tar-huwant < Tarhunta

< Hattic *Taru = Hurrian Te-Chuwe.

Pois bem, uma revisão etimológica deixa-nos a suspeita de que teria existido uma forma *Mnutar / *Intar muito mais arcaico do que Indar em relação com Mitra, directamente relacionada com o Minotauro da tradição egeia, berço de toda a civilização arcaica.

De facto, o lado guerreiro de Indra permite a sua correlação com Marte quanto mais não seja porque os seus marotos assistentes eram chamados Maruts! A correlação com os restantes deuses «manda chuva» do próximo oriente pode ser feita a partir da correlação entre do Egípcio Min e do caldeu Iscur por meio do Minotauro.

Indra, the god of firmament and the king of the abode of gods, is probably the most colorful character in Hindu mythology. The ebb and tide of his career, the rise and fall of his power provides a very fascinating story to all, who are interested in the lives of Hindu gods and goddesses. His parents were the sky god Dyaus Pita and the earth goddess Prthivi; he was born fully-grown and fully armed from his mother's side. His wife was Indrani, and his attendants were called the Maruts.

   Maruts < Marutish,filhos de Marut < Sumer. Martu > Marte.

Minutar > Mnutar > Mutar > Mitra < Mitar ó Martu.

Minutar > Mintar > Nithar > Indar > Indra.

O antepassado destas entidades foi seguramente Enki, protótipo arcaico de todos os deuses de morte e ressurreição.

The monk Georgius, in his Tibetanum Alphabetum (p. 203), has given plates of a crucified god worshipped at Nepal. These crucifixes were to be seen at the corners of roads and on eminences. He calls it the god Indra.

Enki era o deus das «águas doces do céu» na forma judiciosamente proposta por Kramer de senhor do Kur, ou seja *En-kur, o mesmo deus que deu nome à cidade de Ankara e à civilização lacustre de Ankor e que se encontra presente na etimologia do conceito persa Angra Mainyu.

                              > An-Kar > Angal.

Anhur < *An-Kur > *En-kur.

               *An-Kur + Chu > An-Wer-ish > Onouris > Onuro

ó Ourano.

                                       > An-*Kertu > Anhert > Inher.

A relação de Onuro com aquele que conduz o carro do sol confirma o quanto este deus era luciferino e portanto verdadeiramente An-kur, o Sr. Dos infernos do Kur.

                                                 ó Nethura > Natura.

Indar < Indra ó Indira < En-Thura < En-kur => «Ankor» / «Ankara».

                           Ner-gal ó < An-ki-ur = An-ur-ki > Ner-Ki > Hit. Nérik.

                                         En-Kur ó An-Kur > Anhur > Onur(is).

 

Ver: HERMES (***)

& CHU, O “MANDA CHUVA DO EGIPTO” (***)

 

Vritra, no mesmo plano da analogia, seria Gerião.

Vritra < Weri + tar, lit «3 x Wer ó Geri + An.

Indra é aqui o vaqueiro apascentando o seu gado, ora «branco e dourado» pela manhã ora violeta alaranjado ao pôr-do-sol e que são as nuvens no céu, tal qual Apolo, o deus do sol diurno que se diverte em «danças de manda-chuva» com «milagres do sol».

Mas este gado teria que ter asas para poder voar no céu e para cumprir com as regras do bom senso comum e então seriam mais provavelmente aves, seguramente gigantescos patos brancos e cisnes!

Another story, which I cite from Mr. Tylor, shows that Malays, as well as Indo-Europeans, have conceived of the clouds as swan-maidens. (...) "If the cloud was supposed to be a great bird, the lightnings were regarded as writhing worms or serpents in its beak. These fiery serpents, elikiai gram-moeidws feromenoi, are believed in to this day by the Canadian Indians, who call the thunder their hissing." [ Baring-Gould, Curious Myths, Vol. II. p. 146. Compare Tylor, Primitive Culture, Vol. II. p. 237, seq.]

As nuvens das tempestades sujeitas a serem mordidas por víboras flamejantes de relâmpagos serpentinos e perfuradas por raios como tridentes seriam acompanhadas pelas aves agoirentas que anunciam a morte do gado, os abutres e as hárpias.

clip_image003

Figura 4: Indra com os relâmpagos na mão era tipicamente um deus «manda chuva» védico.

Indra, the god of light, is a herdsman who tends a herd of bright golden or violet-coloured cattle. Vritra, a snake-like monster with three heads, steals them and hides them in a cavern, but Indra slays him as Jupiter slew Caecius, and the cows are recovered. The language of the myth is so significant, that the Hindu commentators of tile Veda have themselves given explanations of it similar to those proposed by modern philologists. To them the legend never became devoid of sense, as the myth of Geryon appeared to Greek scholars like Apollodoros. These celestial cattle, with their resplendent coats of purple and gold, are the clouds lit up by the solar rays; but the demon who steals them is not always the fiend of the storm, acting in that capacity. [2]

The Sanskrit parvata, a bulging or inflated body, means both "cloud" and "mountain." "In the Edda, too, the rocks, said to have been fashioned out of Ymir's bones, are supposed to be intended for clouds. In Old Norse Klakkr means both cloud and rock; nay, the English word CLOUD itself has been identified with the Anglo-Saxon clud, rock. See Justi, Orient und Occident, Vol. II. p. 62." Max Muller, Rig-Veda, Vol. 1. p. 44.

«Nuvens» < Lat. * nubine, por nube < Anukinas, lit. filhas de Enki ou < Ninki, esposa de Enki esparramadas no céu!

Engl. Cloud < Anglo-Saxon clud < *Kruth =>

Kluk > Phluw > Lat. pluvius > «chuva»

=> Klak-kar, lit. as que transportam a chuva? > Old Norse Klakkr

< *Kruth < Kurat < Iscur, o epíteto de Enki, ou de um filho seu, em funções de deus das tempestades e da chuva «esparramadas» sobre a terra.

 = *Kruth > Kaurwat > phar-vata = Ninki.

Ninki, literalmente a Sr.ª Ki, era a mãe e esposa de Enki, a deusa homónima de Afrodite e, facto agora esclarecido, cavalgava ao colo dum cisne no céu como as bruxas numa vassoura (seguramente um «cavalo de pau» em representação simbólica grosseira e improvisada duma «cobra solar alada» ou do colo dum cisne!).

Quando o paradigma do «gado do sol» cedeu à pressão fertilizante dos touros as nuvens transformaram-se em vacas aladas o que obrigou a imaginação criativa dos caldeus a criarem os majestosos e magnificou touros alados, os lamachu, supostas imagens do aguerrido deus do «curros», Nergal.

They are stolen every night by Vritra the concealer, and Caecius the darkener, and Indra is obliged to spend hours in looking for them, sending Sarama, the inconstant twilight, to negotiate for their recovery. Between the storm-myth and the myth of night and morning the resemblance is sometimes so close as to confuse the interpretation of the two. [3]

clip_image004

Figura 5: Lamachu, o touro alado do gado do deus das tempestades.

It is the old story of the shield with two sides; and a comparison of the ideas fundamental to these myths will show that there is no valid ground for disagreement in the interpretation of them. The myths of schamir and the divining-rod, analyzed in a previous paper, explain the rending of the thunder-cloud and the procuring of water without especial reference to any struggle between opposing divinities. [4]

Ora, se as nuvens são o «gado do sol» então o mito do «roubo das nuvens» decorre da evidência dum céu limpo o que só constitui um mau presságio quando corresponde a um paradigma interpretativo muito primitivos mas subtil da temível canícula por falta de chuva, tão comum nas regiões do mediterrânico.

Many legends which Max Muller explains as myths of the victory of day over night are explained by Dr. Kuhn as storm-myths; and the disagreement between two such powerful champions would be a standing reproach to what is rather prematurely called the Science of comparative mythology, were it not easy to show that the difference is merely apparent and non-essential.

Assim sendo, entre um mito de tempestade fecundante, onde o que é roubado pela deusa mãe é o sol fecundante e não as nuvens, e um mito banal da aurora podemos encontrar duas soluções mais acertadas:

1º – A que corresponderia a uma interpretação genérica dum mito meteorológico e climatérico.

2º – A que corresponderia a uma interpretação específica dum mito de triunfo do deus das tempestades, enquanto o grande «manda chuva» fecundador da terra.

A interpretação seguinte carece duma subversão completa do que o senso comum sempre soube: que a luz do sol nada tem a ver com as nuvens a não ser na sua capacidade para ocultarem o sol e serem por isso umas responsáveis pelo roubo meteorológico da luz do sol.

But in the myth of Hercules and Cacus, the fundamental idea is the victory of the solar god over the robber who steals the light. Now whether the robber carries off the light in the evening when Indra has gone to sleep, or boldly rears his black form against the sky during the daytime, causing darkness to spread over the earth, would make little difference to the framers of the myth. To a chicken a solar eclipse is the same thing as nightfall, and he goes to roost accordingly. Why, then, should the primitive thinker have made a distinction between the darkening of the sky caused by black clouds and that caused by the rotation of the earth? He had no more conception of the scientific explanation of these phenomena than the chicken has of the scientific explanation of an eclipse. For him it was enough to know that the solar radiance was stolen, in the one case as in the other, and to suspect that the same demon was to blame for both robberies.

Pois eu diria que no mito de Cacos encontramos vários mitos sobrepostos: Pelo menos um relativo ao mito de Cacos que, enquanto deus vulcânico, teria roubado as nuvens do céus para esconder na sua caverna do mundo subterrâneo dos infernos donde são expelidas pelas chaminés vulcânicas ao ponto de ocultarem a luz do sol sendo neste caso um mito específico de ocultação solar por explosão vulcânica.

 

VARUNA

Varuna < Wer-Anu ó Pher-Anu, «o que transporta o céu», ou seja, metaforicamente o mar, representado como um monstro marinho metamórfico, e que tem encima de si o céu!

 

Ver: KAIUS (***) & HÉRCULES E GERIÃO (***)

 

A relação semântica que faz Varuna passar de deus cósmico para deus do mar deve ser idêntica à de Aruna- dos hititas, seguramente relacionada com Arina, deusa da aurora solar. De facto,

Varuna < Wer-Anu ó Pher-Anu< Kauran > Hauran > Hit. Aruna.

                                                                           > Grec. Ouranos > Urano.

De qualquer modo, a tradição semântica destes deuses do Verão e do mar manteve-se no português em termos como «varina e vareiro»

Varina = • (afér. de ovarina?), s. f. rede de arrasto, mais pequena que a neta, e de malha mais miúda; • (Lisboa) vendedeira ambulante de peixe; • mulher da beira-mar, entre Aveiro e o Porto.

Vareiro = • (de ovareiro, de Ovar ?), adj. relativo à beira-mar, entre Aveiro e Porto, aproximadamente;

clip_image005

Figura 6: Varuna, who as god of the cosmic order, featured with some prominence in the Vedas, gradually drifted into obscurity becoming merely god of the oceans. He is shown with two or four arms and his main weapon is the pasha (lasso). He rides a beast called Makara that is part fish and part antelope.

A cobra era o que restava da semiologia enquiana e o laço seria um precursor dos nós de marinheiro?

Muhra: "face both ways", name of the two-faced gatekeeper in the Underworld. See also Ushmu. Usmu, Ismud: Sumerian god, two-faced vizier of Absu. Perhaps known in Akkadian as Muhra.

Makara < Maukaura

> Mu-Kar => Muhra?

A relação destes termos com Ovar só secundariamente poderia ser relevante porque, doutro modo, seriam, de facto, relações etimológicas primárias demais! Já agora também as varas dos varadoiros derivariam de Ovar?!(J)! Claro que estamos perante etimologias muito arcaicas que vão de varão a vara e de vara a varino e de varino a marujo embarcadiço ao serviço de *Var-ano, variante de Enki na forma de Sr. do Kur, *Kur-Anu = *En-kur, o deus arcaico do mar alto, que manteve a mesma fonética no nome de Viracocha!



[1] Myths and Myth-Makers: Old Tales and Superstitions Interpreted by Comparative Mythology, by John Fiske.Section II

[2] Myths and Myth-Makers: Old Tales and Superstitions Interpreted by Comparative Mythology, by John Fiske.Section II

[3] Myths and Myth-Makers: Old Tales and Superstitions Interpreted by Comparative Mythology, by John Fiske.Section II

[4] Myths and Myth-Makers: Old Tales and Superstitions Interpreted by Comparative Mythology, by John Fiske.Section II

Sem comentários:

Publicar um comentário