domingo, 22 de setembro de 2013

DEUSES DA CALDEIA, ENKI / ABZU, por Artur Felisberto

ENKI

clip_image002

Figura 1: Corte celeste com Enki. Cilindro-sello sumerio que aparentemente representa constelaciones zodiacales: de izquierda a derecha, Urgula, Pabilsag, Anunitu, Shamash/Utu (con un cuchillo en la mano), Simmah (la Golondrina), Ea/Enki y Luhunga.

The Akkadian cylinder seal of Adda the scribe, from the third millennium BCE (British Mus. cat. #89115), includes all the elements of 21.World (see Butterworth, Tree Pl. XIII for a good photograph). On the ground at the lower right is a bull, above which stands Enki (or Ea, the Mesopotamian equivalents of Hermes), from whose shoulders flow the waters of Apsu (the Abyss), reminiscent of Aquarius, the Water Bearer (indeed Enki is often seen with a vase from which the water flows; see Van Buren for more on this ubiquitous symbol). An eagle perches to the left on Enki's right hand; on the ground at the lower left is a lion. Thus we have the all four figures of the Tetramorph in a mirror-reversal of the familiar arrangement.

Enki ou Ea - era entre os Sumérios o deus (dingir) das águas doces (quer dos rios e dos canais, quer da chuva), mas também o deus das águas subterrâneas, chamadas Apsu (ou Absu), equivalentes ao caos primordial de outras culturas antigas. A água (A para os sumérios) tinha um significado também relacionado com o conhecimento ou sabedoria. Por este motivo Enki era também conhecido como o deus do conhecimento e da sabedoria. Como terceiro filho de AN, Enki era verdadeiramente muito importante no panteão sumério, sendo por isso (por vezes) chamado de Rei dos Deuses em diversos hinos religiosos. Era especialmente adorado na cidade de Eridu; Enki tinha por mulher a sua irmã Ninhursag, da qual teve filhos, entre os quais se destacaram Marduk e Nabu (o biblico Nebo). O nome Enki, de resto, significa mesmo senhor da Terra (En, uma corrupção de An, significa senhor, e Ki significa terra).

Os seus símbolos iconográficos eram o peixe, a cabra e a serpente, os quais foram combinados numa único animal, o mítico Capricórnio (o qual se tornou um dos doze signos do Zoodíaco, cuja ideologia teve a sua base na civilização suméria). Quando os Acádios, de origem semita, dominaram a Suméria, adoptaram-no sob o nome de Ea. Enki (En-ki / Ea) é descrito como filho de An, um dos deuses principal do panteão sumério. Irmão mais novo (?) de Enlil e de Ninhursag, foi o líder responsável por "organizar" o planeta Terra (Ki) antes da criação do HOMEM. Enki perdeu o controle da terra na altura do dilúvio, (épico de Gilgamesh) para o seu irmão Enlil, herdeiro legitimo do trono e segundo no poder do universo de AN.

Em conjunto com a sua irmã Ninhursag, participou no momento da criação do homem usando do seu próprio sangue na sua concepção. Em alguns excertos subentende-se que foi Enki quem sussurrou ao ouvido de Utnapishtim (o biblico Noé -Génesis 6) a maneira de escapar ao dilúvio. Pode ser que o bíblico Enak se referira a Enki, e este seria um pai dos Gigantes na terra! Um dos símbolos da casa de Enki era a serpente, por este motivo existe quem defenda que este deus seria também a serpente do Éden que levou Eva a comer do "fruto proibido".

Ritual Age and the Sumerian times were dominated by the female goddesses. Enlil was wind in the lowlands and in the highland they worshipped the stormgod as symbol of power besides the Bull and the Lion that were on the Animal Round. An was the old creation god and together with Ninhursag they lived for long even in Babylonian times. Enki / Ea "the first on earth" was inventor of agriculture and civilisation. Maybe his first incarnation was Orion and the later Aquarius.-- Idols and Myths[1]

Enki aka Ea. Prince Nudimmud of Eridu aka Masda aka Ea aka Mazdoa aka Samael. The Great Shepherd. Second son of Anu but prior claim to be Lord of the Earth and Waters.[2]

Enki = Kur = Masda => Kur-| Kaur > | Haur(a)  + | Mashu > | Masda.

 => Ormuz = Hermakis > Hermes.

Samael < Shama(z)-El, lit. “Sr. Chamaz, o Sol!”

Na verdade, são vários os indícios que apontam para a possibilidade de *Enki-Kur ser um deus da aurora heterónimo de Enki.

Many think that Abzu/Apsu or Engur/Enkur was the original divinity later known as Enki. Joseph Campbell follows the mainstream in a sociopolitical reading: "Such a mythology represents an actual historical substitution of cult...." The main intention of the cosmic genealogy was to effect a refutation of the claims of the earlier theology in favor of the gods and moral order of the later. In Akkadian and neo-Babylonian times, Enki was identified as Ea, in this guise become the "conqueror" of apsu, in a way uncharacteristic of the nature of the earlier god. After Ea tore off Apsu's tiara and carried away his splendor, he killed Apsu, he set up his dwelling upon the dead god. This is considered as the origin of the apsu where Ea lives in myths set during later time periods. Marduk, though called "firstborn son of the apsu" is actually Ea's (Enki's) son, not Apsu's; the title is meant to be taken metaphorically, as Marduk was the first "child" born in the apsu. Others consider it (i.e. Engur/Enki) to demonstrate the older association of apsu and Enki, which would suggest that Abzu may have been the original name by which the divinity of Enki later became known.

Os deus da aurora não seriam senão a forma infantil dum deus solar do meio-dia razão pela qual Horus “o deus menino” se transforma em Horus Hermakis do duplo horizonte do dia de «sol-a-sol»! Este Horus Hermakis seria explicitamente um deus do disco solar alado entre os persas de Haura-Mazda e Hermes, um deus do sol-posto, na Grécia. *Kar, derivado de Kur será um étimo de muitos deuses solares registados ou esquecidos da história mítica.

Enki, son of An and Nammu, was the god of the subterranean freshwater ocean (the "abzu" (< Awizu < Akiku), sometimes referred to as the "apsu").

Abzu” < Awi-Zu < Akiku)

clip_image003

Figura 1: Enki/Eia < E-a, lit. “templo da água”

His name can be taken to mean "Lord Earth," but "ki" can also refer to 'the below' in the two-tiered cosmic structure, in opposition to "an": heaven.

Enki is also a god of wisdom, a faculty which included practical skills (such as arts and crafts), intellectual faculties, the ability to "decree fates", and the command of magical powers. Enki was one of the major Mesopotamian gods, holding a rank just below An and Enlil (and competing for this third position, at times, with Ninhursag).

His most important cult centers were E-abzu and E-engura (< Enkur) at Eridu. As a provider of fresh water, and a creator god and determiner of destinies, Enki was always seen as favorable to mankind.

In the Atrahasis myth, for example, it was Enki's intercession which saved mankind from the flood and pestilence ordered by Enlil.

He is sometimes referred to as Nudimmud < An Kime tu, (< Anu- | Thi-Ma-muth < Ki-Ma-Matu > Ki Mammetum), a name associated with function as a creator-god

or Ninsiku, previously misread as a Sumerian phrase nin-igi-ku, "Lord of the bright eye", epithet of Ea. Meaning not exactly certain, but translated here as "far-sighted" and partly synonymous with "wise".

clip_image005

Figura 2: A lâmpada de azeite de Nusku, o deus do lusco-fusco.

Nissiku: > Nu-Isis-ku > *Anu-ish-ku > Nusku.

Nusku:. God of light, important shrines with the moon-god at Harran, and Neirab. Vizier of Anu and of Ellil. Symbol: Lamp! One of Anu’s sons was Gibil, alias Nusku (Nunska) who was an Assyrian fire god as in one of the four elements. Gibil was called governor of gods and men. His special task was to sit in judgment over the souls of men who in their lives had been unjust judges.[3]

Nin-gursu (< Nin-kur-Zu): "Lord of Girsu" patron god of Girsu, son of Ninmah (Ninhursag), Temple Eninnu. God of fertility, vegetation, and war. Symbol: Anzu, the lion-headed Eagle. Weapon: Sharur, a personified and deified mace.

Shulpae: (< Kur-Phahi < kur-kaki, Ea) Major Sumerian god with very wide range of attributes, including fertility, and demonic powers. Identified with planet Jupiter. Consort of Ninhursag, wife of the water-god Enki.

His wife is Ninki or Damkina, Damgalnunna, also Ninkhursag).

Damgalnuna < Dam Kak inuna < Dam Kaki innana /Damkina

                         Thiam + Kar-Nuna > «Dama Karenina».

          *Kima > Thiam + Ninki > Damkinina ó Damkina.

                             Ninki < Ananke.

Ananke = Mother of the Fates (the Moirae). Also mother of Adrasteia (daughter of Jupiter and distributor of rewards and punishments). Goddess of unalterable necessity .

A expressão lusa do lusco-fusco relativa ao anoitecer exprime a semântica da transição entre dois deuses lusitanos, Lusco (< Lux / Lugo), o deus da luz do dia, e o da noite, Fosco (< Lat. Fuscu).

«Fosco» < Fusco < Phi-usco (> «fiasco») > Ki-usco < Ki-usho

                                                                                      > «cusco».

Como é obvio a mãe do destino era a esposa do deus da tábuas do destino, o me, logo teria sido a esposa de Enki.

Among his children are:

1 - Asarluhi < Anshar Luki < Anshar Urki => Loxias, epíteto de Apolo.

God of Ku'ara, son of Ea, assimilated with Marduk. He has powers of magick and healing, and is often invoked in incantations and magical literature.

2 - Enbilulu < Enwillu < Enphirlu < Enki-lu-lu, o pequeno Enki ou, para «pai Enki» º Apa, > Enki lu-lu º Apkallu => Apolo.

A Sumerian god of irrigation, canals, and farming, meaning of name uncertain. Assimilated with Adad in Babylon.

3 - Adapa. Para o «pai do céu» Apa = An=> Adapa º Adonis. Adapa (= Uan, < Oannes) was the son of the god Ea, the god of wisdom, and was the Priest-King of Eridu, Babylonia's oldest city. He was the first of the Apkallu, the Seven Sages sent by Ea, who brought the arts and civilization to mankind. Ea ga ve Adapa knowledge but not eternal life. He was also a fisherman and when the South Wind, Sutu, broke his boat on the cliffs, Adapa caught him and broke one of his wings.

4 - Nanse (< Nanki < An + Enki). => Dionísio?

O Capricórnio e o peixe-cabra eram um dos seus símbolos e ainda o pássaro Anzu, o anjo ou pombo-águia, os golfinhos e todos os grandes cetácios e monstros marinhos.

 

Ver: ZIDÍACO(***)

 

The Babylonian god of earth and the waters, the master of wisdom and medical science, equivalent to Hermes. Ea is the oldest manifestation of the universal trickster-god, who deceives man by taking immortality from him.

Animais sagrados de Enki eram também as:

«Aves» < Awis < Aphis lit. animais ambivalentes, do céu e da terra, < An kis, como Enki.

...particularmente a:

«Pomba» < lat. columba < Karumwa < Kaur Enkia) do Espirito Santo e a:

«Águia» jupiteriana < lat. aquila <ãkira < Enki-ura.

                                                                  < Enki-ka > Ankiha > Anka.

Anka - s. Zoon. Aguila. DICCIONARIO QUICHUA – CASTELLANO.

Podemos afirmar que estes deuses Urki/Kur descendem todos do Deus Pai Aba, Enki, Senhor da Terra e do Céu, a cobra emplumada, a Ave ou Pomba Sagrada do Espírito Santo da Sabedoria, Anzu => «Anjo».

Elah Sh'maya V'Arah - God of Heaven and Earth: (Ezra 5:11). The Mighty One is the ruler over the entire universe. There is nothing that is not under His power.

Ea-sharru: "Ea the king" a form of Ea's name.

 

Ver: ENKI = ENLIL (***)

 

clip_image007

Figura 2: A apresentação do sol diante do barca do deus Enki, entronizado sobre as águas! Como se vê, o mito da«barca solar» aparecia já entre os sumérios. Ora, esta «barca solar» de Enki é quase um barco engalanado do tipo que encontramos nos frescos minóicos de Tera em Acrotiri, da figura seguinte.

Quer isto dizer que é muito possível que a mitologia suméria derive duma cultura marítima iniciada nas ilhas do mediterrâneo mas que cedo se viu confrontada com a dinâmica ideológica da agricultura mesopotâmica.

clip_image009

Figura 3: A frota de galés da talassocracia cretense engalanada para um dia de festa de fazer inveja ao «Carnaval de Veneza». Pormenor de fresco proveniente de Tera.

O mesmo barco vamos encontra-lo na civilização de Harapa do vale do Hindu.

clip_image011

Figura 4: selo de Harapa.

Dito de outro modo é possível postular, sem riscos de grandes heresias, que os sumérios descendem afinal de povos insulares mediterrâneos como foi o caso da talassocracia cretense mas, que terá sido também o das Baleares, Sicília, Sardenha, Malta e Chipre. Do mesmo modo, as relações de estilo de trabalhar o marfim que os arqueólogos encontram entre o Egipto pré dinástico e a sumério poderão ter por explicação esta mesma ligação comum com os impérios navais e mercantis mediterrâneos. Do mesmo modo podemos explicar a propagação ao logo da costa africana de tradições antiquíssima que só podem ter origem cretense ou a partir de colónias guanches arcaicas que partilhariam a cultura comum dos sumérios.

O ser supremo e criador dos Masai chama-se Enkai (também chamado Engai) guardião da chuva, da fertilidade, do sol e do amor, aquele que deu o gado ao povo Masai. De acordo com algumas fontes, Nei-ter-kob "aquele que fundou a Terra" pode ter referência com Enkai. Neiterkob é uma deidade menor, conhecido como o mediador entre seu deus e o homem. Olapa é a deusa da Lua, casada com Enkai.

Não pode ser mera coincidência que assim, o deus criador dos Massai seja literalmente Enk(a)i casado com a deusa lunar Olapa / Europa, a cobra cretense do crescente lunar, raptada por Zeus aos fenícios e trazida sobre o mar com a aurora para a Europa, literalmente a casa da cobra guerreira.

Olapa < Aurapa < E-ur-opa < *E-Ur-Kaka ó Kur-kiki => Istar.

No entanto, o espírito subjacente a toda a cultura suméria revela-se-nos já tipicamente semita na forma dum patriarcado emergente numa região que lhe propícia por ser onde a agricultura, também nascente, se desenvolvia como petróleo na fogueira. Mesmo assim, as saudades marítimas que os sumérios teriam das ilhas do mediterrâneo iria manifesta-se no seu culto particularmente carinhoso pelo deus de todas as águas, Enki/Ea e na força matriarcal do culto da sua filha querida, Inana/Istar!

Voltando à interpretação da figura anterior deve notar-se que alguns autores referem os dois deuses em frente de Enki como se fossem a mesma entidade em duas posições, neste caso o sol em fases diferentes do dia, o que estaria pouco de acordo com as convenções narrativas lineares próprias de gente que acreditava piamente na evidência do senso comum do movimento do sol em torno do disco plano da terra. Os grafistas da época mítica pretenderam representar fases da mesma entidade divina criaram convenções como as hindus nas quais os deuses aparecem com múltiplos membros! Não discordando, no entanto, inteiramente da possibilidade duma relação com as fases do sol aceita-se que possa tratar-se já do começo duma personalização politeísta de entidades divinas que inicialmente seriam uma só e então é bem possível que estejamos diante de dois Apkallu ou dois filhos gémeos de Enki, o anjo que sobe ao topo do Zigurate e o que nasce das entranhas da terra com o fogo solar, ou seja os antepassados gémeos de Hermes & Apolo, talvez como conotações míticas do «nascer e do pôr» do sol! Notar que o astro rei aparece como tocha de fogo transportada por um deus alado que só pode ser Dil-Kar, o Lúcifer sumério. A leitura atenta da cena litúrgica deste selo sumério deixa transparecer que estes dois deuses alados e gémeos têm estranhas ressonâncias com os dois anjos mensageiros do Senhor que acompanhavam sempre as epifanias divinas do Deus de Abraão!

Ora o deus da aurora sumério parece que teria sido, antes de mais, Enlil, o deus que o suave vento Zéfiro da manhã é ainda uma reminiscência!

 

Ver: GEMEOS (***), OS VENTOS (***) & Ver LUA (***)

 

Uma das grandes descobertas antropológicas dos tempos modernos que permitem deitar luz sobre a transição dos arcaicos politeísmos para os monoteísmos modernos foi a dos mandeienos, autentico povo de cultura fóssil e que é um dos elos recuperados entre o antigo politeísmo caldeu e as fontes judaicas do monoteísmo.

The Mandaean Nation. The story of our nation is this. Two hundred and fifty years ago the S'ubba, who are the true children of Adam Paghra and Hawa Kasia, lived in Serandib (Ceylon). They were all cut off by plague except one pair, whose names were Ram and Rud.

A datação de toda esta história é completamente incompreensível.

Adam (Paghra) & Hawa são seguramente os antecedentes de Adão & Eva.

«Cabra» <) Paghra < Pha-Kra > *Sakiphura < Ishkur? &

«Eva» < Hawa < Kasia < Kakia < Kiki.

                          > Hebe

No entanto, não deixa de ser preocupante verificar que para um povo da zona geográfica do Iraque o «paraiso terrestre» seja referido como tendo ficado situado a oriente, em Ceilão o que já parecia depreender-se da mitologia suméria.

The Masiqta, or raising up are primarely celebrated for the service of the newly departed, and food are eaten in the name of the departed, and a priest takes his position in the participation of the rite. The most important role this ritual serve are to bestow upon the departed a spiritual garment, clean and eternal nourishment, lustration in the holy water of life and praises sung in his name to the great counsel of heaven, to which the dead soul are transported by the help of the Sun-boat. The ritual in overall resemble also the Shamanic practises of certain peoples all over the world, which reach back into the very birth of our civilisations. (...) It baffeled me the first time I read the sections descriptive of the Masiqta in the Ginza ; here we have not only a ritual that are resemblant of the Christian obsevance of the Eucharist on the exterior, involving the distribution and ingestion of bread and wine , but also an interior - descriptive of the redemptive dimension of participation in the mysteries. -- primary source E.S.Drower: The Mandaeans in Iran and Iraq. Clarendon Press, Oxford, 1937.

 

Þ ENKI / KAIUS (***) & ZODÍACO (***)

 

Like the Greek Hermes, Nebo was a messenger of the gods and an instructor of mankind. Jastrow regards him as "a counterpart of Ea", and says: "Like Ea, he is the embodiment and source of wisdom. The art of writing—and therefore of all literature—is more particularly associated with him. A common form of his name designates him as the 'god of the stylus'."1 He appears also to have been a developed form of Tammuz, who was an incarnation of Ea. Professor Pinches shows that one of his names, Mermer, was also a non-Semitic name of Ramman.* Tammuz resembled Ramman in his character as a spring god of war. -- Donald A. Mackenzie - Myths of Babylonia and Assyria.

 

ABZU - Abissus abissum invocat

Falemos então primeiro do deus Enki = An + Ki, ou seja do deus que constitui, no plano da metafísica suméria primitiva, que é o que as teogonias da criação de facto eram, o resultado da união mística da Terra e do Céu.

Citação 1 - Enki - Contrary to the translation of his name, Enki is not the lord of the earth, but of the abzu (the watery abyss and also semen) and of wisdom. This contradiction leads Kramer and Maier to postulate that he was once known as En-kur, lord of the underworld, which either contained or was contained in the Abzu. He did struggle with Kur as mentioned in the prelude to "Gilgamesh, Enkidu (< enkitu, nascido de Enki?), and the Underworld", and presumably was victorious and thereby able to claim the title "Lord of Kur" (the realm). He is a god of water, creation, and fertility. He also holds dominion over the land. He is the keeper of the me, the divine laws. (Kramer & Maier Myths of Enki 1989: pp. 2-3) The me were assembled by Enlil in Ekur and given to Enki to guard and impart to the world, beginning with Eridu, his center of worship. From there, he guards the me and imparts them on the people. He directs the me towards Ur and Meluhha (< Merukika > ilhas Malucas? ) and Dilmun, organizing the world with his decrees. (...) At the direction of his mother Nammu and with some constructive criticism from Ninhursag, he created man from the heart of the clay over the Abzu. Several flawed versions were created before the final version was made..[4]

Na ignorância das leis do naturalismo moderno a mitologia arcaica tinha o papel interpretativo da Natureza. Ignorando o ciclo da água os antigos explicavam a origem das chuvas como resultando dum reservatório de aguas doces que existiria entre a terra e o céu, nos confins dos oceanos e a que chamariam Abzu. Inicialmente, e por ser de água doce como leite materno, chamaram a este lugar o mar primordial da deusa mãe Tiamat, lit. deusa mãe! Com o tempo e a descoberta do papel fertilizante do sémen com a pastorícia, iniciou-se a ideologia matriarcal que transformará este local como o reservatório da “água doce” enquanto líquido seminal dos deuses “manda chuva” que Enlil e e Escur eram. Então, já na época babilónica, a doçura do Abismo passa a resultar do suposto sabor a castanhas do sémen com que os deuses “manda chuva” fertilizam a terra em oposição ao salgado marinho que resultaria das secreções vaginais da Deusa mãe! Assim, a analogia da chuva que fertilizava a terra impunha a analogia da “água doce” lustral com o sémen dos deuses abissais!

Claro que a contradição do nome de Enki não pode ser resolvida apenas com o postulado de Kramer and Maier.

Na verdade se Enki tivera sido *En-kur o E-kur teria sido a sua casa.

E-kur:"Mountain-house" The temple of the god Ellil in Nippur, where Ninurta was born.

Porém, E-kur é a casa de Ellil e não de Enki, ou seja, a mitologia tem contradições a mais para serem resolvidas apenas com um mero e pequeno postulado semântico. Na verdade existem fortes razões para supor que Enlil é um deus tardio mais ou menos da mesma altura da escrita. Inicialmente um mero epíteto de Enki, enquanto deus dos ventos das tempestades que faziam chover, Enlil terá passado a irmão gémeo de Enki e adquirido autonomia e supremacia com o início do patriarcado.

Neste caso, no princípio Enki foi de facto o senhor da terra e do céu pelo que nenhuma contradição existia na origem do seu nome. Então, enquanto deus primordial, ou pelo menos na qualidade de primeiro soberano divino, foi deus único de todas as partes e lugares, e, por isso, tanto do Kur como do Abzu. A certeza de que foi senhor do Kur vem-nos de Kramer and Maier mas, os seus direitos míticos são reconhecidos pela tradição grega quando chamaram Urano ao deus primevo. Ora Urano tem a ver com Enki e com Kur pelo lado guerreiro de Ur. De facto, Urano tem na tradição clássica de Hesíodo tais características de senhor da terra e do céu que, enquanto reinou, viveu de tal modo colado à terra, com a qual copulava como cão frenético, que não deixava ver o céu. Nesta acepção ele era então verdadeiramente o senhor aguerrido da terra e, logo, com direito ao título de Kur. Nesta mitologia poderemos incluir deuses egípcios como Onuris ºChu º Arens-nuphis!

Então é possível a equação:

Egipt. Onuris ºChu º Arens-nuphis

            Arens-nuphis < Har-en-Anuk < | *Kauran > Crono | -Enki

Lat. Urano < Grec. Orano < Haur-ano < *Kauran < Ki-Ur(-An)

       Ur-an = An-ur >Aunur(is) > Egipt. Onuris.

=> Kur-An = *Enkur = Enki (Ur).

Quanto ao Abzu, só na cosmologia Babilónica, em pleno triunfo explosivo do patriarcado, é que adquire personalidade divina pois que nos tempos sumérios não passava de um conceito cosmológico do tipo do paraíso e dos infernos (Kur) e, por isso, entidades divinas difusas.

Citação 2: Absu (Apsu, Abzu, Apzu): - Literally "sweet water." In Sumerian cosmology, the immense space, source of the primeval waters where Ab, the father of the waters, the lord of wisdom lives. In Babylonian cosmology, the husband of Tiamat, father of the primeval gods, and then after his death, the domain of sweet, fresh water beneath the earth, home of Ea and of the Seven Sages. Also the name of Ea's temple in Eridu.

A literalidade de Absu, Apsu, Abzu, Apzu enquanto «agua doce» pode ser questionável sobretudo se Ab fosse literalmente também = «pai das águas e senhor do saber». No entanto parece que abba é = pai, idoso, antepassado (father; elder; ancestor) e ainda algo como «mar do céu». Dito de outro modo, o céu, ao ser considerado como macho fecundante da terra, seria o «pai» da sua criação! De acordo com este paradigma mítico, duma evidência tão natural quão ingénua e infantil, a «chuva» seria o sémen. Como em sumério abzu tinha também o significado de «sémen» (ver Citação 1) somos obrigados, pela lógica natural das coisas, a concluir que este semantema de abzu resultou dum pensamento analógico como o do parágrafo anterior pelo que acabou tendo o significado de «agua doce» como mero eufemismo de chuva seminal. Claro que a elaboração do pensamento mítico envolve processos de imaginação e pensamento um pouco mais complexos que têm tanto de evidência empírica quanto de preconceituosa e imaginativa subjectividade.

Citação 3: No Céu da suméria havia também uma santíssima trindade: Nanna deus da lua, Utu, do sol e Inanna a deusa mãe do Céu. Como se vê, com os dois astros maiores como deuses masculinos e uma grande deusa mãe do céu, não é claro que esta trindade seja já uma sagrada família patriarcal. O que mais parece é de facto uma grande matriarca com os seus dois filhos predilectos: o deus do dia e o deus da noite! No entanto este matriarcado não era das simpatias dos sacerdotes que se apressaram a afirmar, segundo Carl Grimberg, que a origem das coisas resultava de dois princípios seChuais opostos: Apsu, princípio da masculinidade bondosa e Tiamat, da maldade feminina.

Parece que a mitologia suméria seria inversa, ou seja, ainda eivada de matriarcado! Esta teologia teria sido iniciada pelo patriarcado babilónico depois da queda da civilização minóica! Apzu era um princípio de bondade máscula por pura misoginia sacerdotal, obviamente, mas esta teoria que acabaria por ter como consequência a fundamentação do patriarcado emergente deve ter tido como base objectiva a fruste constatação do cheiro a castanhas doces do sémen e do sabor salgado das excreções vaginais, reforçada pela analogia do abzu com a «chuva» e da suposição de que Tiamat era a deusa das ondas alterosas que se supunha que o salgado mar faria nas profundezas abissais dos limites do mundo! Como causa ou consequência disso as cobras, que prefiguram as ondas do mar, eram monstros que guardariam tanto os limites do mundo como as monstruosidades da primeira geração de seres gerados por esta «mãe do caos» primevo.

Citação 4: Tiamat (also pronounced Tiwawat and Tamtu, probably pronounced Tethys in Ionian Greek; also known as Ayabba chiefly in West Semitic.): "Sea, salt water personified as a primeval goddess.  Mother of the first generation of gods in the Enuma (< Anu-Ama). Spouse of Absu. Epitomizes chaos.

«Tanto» < Tamtu < Tam(i)tu < Ti-am-at < *Ki-Ama-At

                                                  Ti-waw-at < *Ki-Kaki-at ó

Tiwa| Thiva > Dea/Tea > Hebe > Eva |-Wat ó *Phiat, a esposa de Ptah

Ki-at > *Te-at ó Kiki-ish > *kakiat > Hepat ó Hepat

                             Te-(ti)-at <              > Te-Ti-ish > Tethys.

Nammu: Sumerian birth-goddess who created heavens and earth. Goddess of the watery abyss and is Enki's mother. She instructs him on how, with the help of Nimmah/Ninhursag to create man.

Aliás, é comparando ambas as mitologias ficamos a poder concluir que tanto a mitologia babilónica quanto a hitita reflectem as convulsões socio-políticas que se seguiram ao fim do equilíbrio geo-político da civilização cretense e suméria.

Ora, voltando ao Abzu da Suméria parece que ab = «sal do mar < agua salgada < mar» < Abismo < Abssu e então ...

Absu <= ab, + su, (= «mão») = «mão de sal» ou «pai do corpo» ????<

Abzu <= ab, + zu, (= «saber» < AnZu) < | Apa < Aba < | Zu «pai do saber».

Quer dizer que, a melhor tradução para o termo Absu / Abzu deveria ser procurada na mitologia do «sal» do mar enquanto precioso produto que impede a corrupção da carne e dá à água doce o sabor a mar > de acordo com o saber dos antepassados > «Mar primordial».

Em qualquer caso estamos no campo da mitologia de Enki. A conotação com a «água doce» parece difícil de encaixar por aqui! Para analisar as outras duas variantes teríamos que inquirir sobre o significado de Ap que pode ser uma mera variante de Caco, o pai do fogo primordial.

Kaka > Haku > awu < Ab(a) > Adad > apa > ab > ad > ap.

Então, Apa < Ap seria o mesmo que abba > adda = «pai», tal como em Adapa e Apkallu.

De facto, a informação seguinte parece mais derivada do que determinante mesmo aceitando que o conceito de asa apela para o pássaro Anzu de Enki.

áþi, aþ5, á: arm; wing; horn; side; strength; wages.

Então as variantes restantes seriam variações das anteriores. Sendo assim, Absu (e qualquer uma das suas variantes) já não era literalmente «agua doce» nos tempos da escrita suméria mas poderia tê-lo sido na origem pois um dos termos sumério para «doce» era = Ze-Eb (< eb-ze < Abzu). Em Sumério doce = du (> du-ur-kas, «bebida doce da cidade, vinho doce?» = > Lat. dulce > «doce»).

Kas-Du = Sweet drink < Kas = Beer; Ku = Food

«Doce» < Lat. dulce < durke < sumer. du-ur-kas.

Apsu, Se o não foi, explicita e directamente, poderia ter sido secundariamente, a partir de *Ap-ku, «pai da boa comida» > «pai da água potável»! Só assim se entende que, sob o ponto de vista da cosmologia suméria, Abzu é o logar das águas doces primordiais, e então, existe a forte suspeita de que Abzu, tenha sido um epíteto de Eia.

Gu = Aquarius, Lord of waters = Rammanu (< Ur ma An => Hermes )= God of the storm (Aquarius).

A = Drink, Liquid, Water, Seed, Semen.

                                                        > Kaua > «Côa»!

Pop. pt. «Au-a» < A-w-a < A-Ku-a > Lat. aqua.

Pop. pt. «Au-ga» < «água» = A-Gu-A.

De facto, Ab(zu), sendo the father (of the waters)” deixa a suspeita dum equívoco semântico por homofonia pois, também Aba é pai, e pode ter acontecido que o termo Apsu/abzu tenha sido antecedido por uma forma aba-zu, literalmente «pai doce ou doce pai»[5]. Por sua vez, este termo seria já uma generalização do nome de Apa-Zu, literalmente pai Zu, “doce pai” < “paizinho” < Apa-| Chu < Ush | variante do nome de Enki na forma de “deus menino” alado de que iria derivar a pomba do espírito Santo!

 

Ver: ZU (***)

 

Se “Ab, is the father of the waters” era, na lógica da mitologia, o deus das águas e vivia em Abzu que era também “home of Ea and of the Seven Sages” e “also the name of Ea's temple in Eridu” então Ab era Eia que, e não seria por mero acaso, também era o deus das água. Assim, sendo... Ab, o pai primordial = Enki = Eia => o deus hitita da sabedoria, Ayas.

Quer isto dizer que a teoria das aguas abissais, ao ter surgido como necessidade explicativa cosmológica para a origem das “aguas doces dos rios pode ter tomado este nome não apenas por mera confusão semântica mas pela necessidade mitológica de contrapor um pai genésico à mãe de todas as água salgadas que era a mar[6], termo que em português arcaico ainda era feminino! Desta mesma confusão semântica se alimentaria a teoria babilónica do mito da doçura do princípio masculino face à maldade feminina, intencionalmente sexista e apenas circunstancialmente reforçada pelo facto de a água salgada não ser potável!

 



[1] http://freepages.history.rootsweb.com/~catshaman/13Sumerian/0myths.htm

[2] http://freepages.genealogy.rootsweb.com/~luijkenaar/genea/chaos/enki_damk.html

[3] From The Alpha and the Omega - Chapter Three, by Jim A. Cornwell, Copyright © 1995, all rights reserved, " Sumerian Information of the Annunaki -- compared to the Anakim ".

[4] Sumerian Mythology FAQ (Version 1.8html) by Christopher Siren,

1992, 1994 cbsiren@hopper.unh.edu

[5] de que derivaram os termos portugueses das bacias e dos abismos abissais!

[6] O mar das vagas remansosas e pródigo de pescarias que era o mediterrânico gozava de tradições maternais que os mares tenebrosos dos cabos das tormentas, sulcados pelas cascas de nós que eram as caravelas portuguesas de marear das descobertas quinhentistas, não revelaram razão pela qual o mar português se masculinizou num pai severo e padrasto.

Sem comentários:

Enviar um comentário