quinta-feira, 19 de setembro de 2013

DEUSES DO ANTIGO EGIPTO – NUTE, TEFNUTE & NEIDE (actualização em 06/12/2015) por Artur Felisberto.

clip_image002
Figura 1: Nut, a deusa mãe da noite primordial dos egípcios.
 
Nute era a figura central da primeira teoria escrita da relatividade da história: o movimento solar diurno como resultante do facto de Nute parir o sol quotidianamente para o devorar em cada pôr-do-sol.

Quase todos os povos da Itália viam a Noite, ora com um manto volante, recamado de estrelas, por cima de sua cabeça, ou com um outro manto azul e archote derrubado, ora representada por uma mulher nua, com longas asas de morcego e um fanal na mão. Representam-na também coroada de papoilas e envolta num grande manto negro, estrelado. Às vezes num carro arrastado por dois cavalos pretos ou por dois mochos, e a deusa cobre a cabeça com um vasto véu semeado de estrelas. Muito frequentemente colocam-na no Tártaro, entre o Sono e a Morte, seus dois filhos. Algumas vezes um menino precede-a, empunhando uma tocha, - símbolo do crepúsculo. Os romanos não a punham em carro, e representavam-na ociosa e adormecida.
O menino que precede a noite só pode ser o Amor, o filho primogénito da Aurora! Na verdade, para muitos poetas clássicos Nyx, «Noite», era filha de Eros, o «Amor». Para outros, muito mais avisados a respeito das “coisas da vida”, foi a «Noite» que pariu o Amor em conjunto com o Caos da paixão!

Ver: EROS (***)

Texto 1: Black winged Nyx, some say, laid a germless egg in the infinite bosom of Erebus, the Darkness of the Underworld, and after long ages, sprang golden-winged Eros. But others have said that Nyx is the daughter of Eros, whereas others called them both children of Chaos.
Niquê, a deusa da vitória < Nyx, a deusa da noite < *Anish, a filha de Anu, o deus do céu > Anat > Atena, a “rainha do céu” da republicana e democrática cidade de Atenas.
Texto 2: Deusa das Trevas, filha do Caos, é na verdade a mais antiga das divindades. Certos poetas a consideram como filha do Céu e da Terra; Hesíodo dá-lhe um lugar entre os Titãs e o nome de Mãe dos Deuses, porque sempre se acreditou que a Noite e as trevas haviam precedido a todas as coisas. Desposou Érebo, seu irmão, de quem teve o Éter e o Dia (< Hemera).
Erebus < Herewus < Kur-Kus => Kurkurus > Kerewrus > Cerebrus!
Hemera < *Ki-Ama-Ur > Quimera.
                        Ama-Ur > Amaur > Amor!
                *Ki-(Ama)-Ur > Kur> *Kar > Hórus > Eros.
Mas sozinha, sem unir-se a nenhuma outra divindade, procriara o inevitável e inflexível Destino, a Parca Negra, a Morte, o Sono, a legião dos Sonhos, Momo, a Miséria, as Hespérides, guardadoras dos pomos de ouro, as desapiedadas Parcas, a terrível Nemesias, a Fraude, a Concupiscência, a triste Velhice e a obstinada Discórdia; em resumo, tudo quanto havia de doloroso na vida passava por ser obra da Noite. Algumas vezes dão-lhe os nomes gregos de Eufrone e Eulalia, isto é, - Mãe do bom conselho.
Na verdade estamos perante uma nítida adaptação fónica por ressonância étmica a posteriore. Eufrone tem a fonética de Perséfone e Eulália só veio a significar boas palavras depois de terem saídas da boca duma deusa homónoma e terem ressoado como tais na estrutura semântica do grego, se é que não foi mesmo do nome desta deusa que o sufixo de «fala» (-lalia) se gerou!
Eufrone < Auphurania < Kaphuran (iha) < *Ka-kur-An-ka => Afrodite.
Eulalia < Hit. *Alalu(a) < Auraria < Aruru (Ninmah, Nintu, Mami), a deusa mãe da Suméria.
Há quem marque o seu império ao norte do Ponto-Euxino, no país dos Cimérios; mas a situação geralmente aceita é na parte da Espanha, - a Esméria, na região do poente, perto das colunas de Hércules, limites do mundo conhecido dos antigos. [1]
A Esméria < Ish-Ma-uria < seria em Portugal, no Algarve, ou mais linguistivamanete em Málaga, Marrocos ou na Mauritânia!
«Noite» < Lat. nocte < > *Nauket < *An-Phiat < Anuket.
Texto 3: In Upper Egypt, around Elephantine, Anuket was worshipped as the companion (generally the daughter) of Khnum and Sati. Her sacred animal was the gazelle. She was believed to be the dispenser of cool water, and wore a feathered crown on her human head.
<= Anu-Ki-at = Enki-at, literalmente a esposa de Enki, o deus supremo da «terra e do céu» > Anish > Grec. Nyx.! Enki-at < Ki-Antu = *An-phi-tu? ou Nephi-at > Nwt lit. a «N.ª Senhora»! Nwt = Niwet = Niw(er)et=>
ð    Newetu = Nebetu = Nebtuu = Nebuut < *Nebu-at lit. “esposa de Anpu/Nebo, o deus fenício da sabedoria”? =>
Nebetu = An Egyptian local goddess.
ð    Newit > Nepit, esposa de Neper, com possível variante de *Niweret
ð    = *Nepherit.
Neper / Nepit : An Egyptian god of grain who was particularly associated with barley and emmer wheat.
ð    Ne-wet + Kiki > Ne-(Kiki)-Wet > Nekhbet. =>
Nekhbet, upper Egyptian patron goddess, represented as a vulture in iconography, and often part of the crown of the pharaoh, along with her Lower Egyptian counterpart Edjo.)
ð    Nehebkau < Ne-kewe-Cacu > Enki-Wekiki > Enki-Wet > Ne(ki)wet(u).
According to one tradition Nehebkau was the son of the scorpion goddess Serket. As god of infinite time he was invoked by the dead, but he was also invoked against snake bites and scorpion stings. Nehebkau was depicted as a serpent with human arms and legs.
ð    Neb-hut = Nebt-Hwt = Nebthet = Nebet Het = Neb(t-h)et => Grec. Nephtis, por analogia com a precedente também com a possibilidade da variante *Nephert-het > Anfritite.
ð    Nekhekh < Nekihe-Kihe < An-Kiki-Kiki => *Ne(ki)wet.
Texto 4: In this passage {teta, line 218} we read of the "star Nekhekh in the Night-sky" on the other hand too much stress must not be laid upon the derterminative, because in the word, which seems to mean the "firmament strewn with the stars," the determinative is that of the Day-sky. [2]
E eis, as voltas que os nomes da “mãe dos deuses” tive que dar para que o homem pudesse começar a falar?!!
A verdade é Inana/Istar que, como a “estrela da manhã”, era a Aurora e, enquanto deusas lunares, eram esposas do sol como Arina/Ariadne. Ora, como se viu, Atena foi Areia ou a micénica Areja, obvias esposa de Ares, o deus da guerra que era uma variante bélica de Kar/Horus, o Sol.
Ora, *Nauket parece-se com nome de deusa Egípcia e, sem ser preciso muita sorte tê-lo-á sido, se é que não foi mesmo uma das variantes do nome de Nwt = Nut < Nuit < Neuth > Neit, com a pronuncia de Newet < *Nauket. Pois bem, *Nauket > Nephiat => Neftis.
Figura 2: Nut, com estrelas em manchas de vaca leiteira, era uma das muitas vacas sagradas do Egipto.
Nwt is shown as a woman or cow with black or midnight blue skin covered with stars arching over the earth. The Milky Way is shown leaking from Her breasts and the Moon is typically shown resting in Her genitals.
clip_image004
Goddess of the sky. The modern English words “night”, “nocturnal”, and “equinox” (as well as the French “la nuit”, meaning night) are all derived from Nuit’s name.
Claro que parece estranho que o nome da noite derive do nome duma egípcia “deusa do céu diurno” mas, tal deve ter acontecido ainda num período arcaica em que esta deusa era tão primordial quanto o Caos com que o mito clássico a associa.

Ver: FORTUNA (***)

De facto, uma deusa que quotidianamente sacrificava o seu próprio filho, sol, num cenário de sangrento crepúsculo para, com ainda maior zelo maternal, o parir todas as manhãs só poderia, enquanto deusa do Sono eterno e da Morte, ser uma deusa terrível e antropófaga, das que devoravam as próprias crias, pelo que tinha que ser uma deidade tão caótica quão primitiva. Assim, natural viria a ser que, pelo menos fora do Egipto, viesse a ficar relacionada com o lado mais escuro e lunar do céu que era a noite. Esta foi a evolução que teve Anat, a deusa homóloga dos canaaneus profundamente relacionada com a noite e com a morte, sobretudo enquanto Tanit.
Supõe-se, no entanto que, de início, esta deusa era apenas o céu onde as nuvens se formavam, tão visível à luz do sol quanto ao luar.
The goddess Nut was the daughter of Shu and Tefnut and the wife of Geb, the earth god. She was the goddess of the daytime sky and the place where clouds formed. In later periods, she was no longer the goddess of the daytime sky, but of the sky in general.
Figura 3: clip_image005, Nut The goddess was typically portrayed as a woman who wears on her head a vase of water clip_image007.
At a very early period, however, the difference between the Day-sky and the Night-sky was forgotten, at least in speaking, and it is chiefly from good funeral texts that we learn that a distinction between them was made in writing.
clip_image009
In the Papyrus of Ani are several examples of the name Nut written, or, and the latter form is several times found in the Papyrus of Nu, which dates from the first half of the period of the XVIIIth Dynasty; whenever one or other of these forms is found in good papyri it is the Night-sky which is referred to in the text. -- [3]
Esta deusa do pote era quase de certeza a mesma divindade aguadeira que tinha o nome na Grécia micénica Atana Potinija. Assim, esta deusa era sobretudo referenciada por “trazer a humidade à cabeça”, tão preciosa para o ressequido deserto que o Egipto seria sem as águas do Nilo.
Os mitólogos não o afirmam mas é manifesto que esta Nut moderna deriva duma Deusa Mãe muito mais arcaica e primordial que seria, essa sim, a deusa do céu em que se prolongavam e alongavam as águas do mar primordial.
We have already seen in the paragraphs on the god Nu that he had a female counterpart called Nut, who represented the great watery abyss out of which all things came, and who formed the celestial Nile whereon the Sun sailed in his boats; this watery path was divided into two parts, that whereon the Sun sailed by day, and that over which he passed during the night.
clip_image011
The goddess Nut, whom the texts describe as the wife of Seb, is for all practical purpose the same being as Nut, the wife of Nu; this fact is proved by her titles, which are,
"Nut, the mighty one, the great lady, the daughter of Ra";
"Nut the lady of the heaven the mistress of earth gods",
"Nut, the great lady, who gave birth "to the gods";

"Nut, who gave birth to the gods, "the lady of "heaven", "the mistress of the Two Lands." The shrines of the goddess were not very numerous, but there was a Per-Nut, in Memphis, and a Het-Nut, in the Delta, and three portions of the temple territory in Dendera were called respectively Ant-en-Nut, Per-mest-en-Nut, and Per-netch-Nut-ma-Shu -- [4]
Essa deusa seria a esposa do deus Nau /Nu / Nuno, o deus das águas primordiais que Nut / Naut também era.
Naut < Nawet < *Nauket < Anu Kiki <= Enki.
             > Nawiat > Lusit. Nabia.

Ver: NUN (***)

In the text of Unas {line 557} we find mentioned the two gods Nau and Naut, who are, however, regarded as one god and there mentioned addressed accordingly. Thus it is said, "thy cake is to "thee, Nau and Naut, even as one who uniteth the gods and who "maketh the gods to refresh themselves beneath their shadow." [5]
A verdade é que toda a tradição aponta para o nome de uma Deusa Mãe primordial dos egípcios denominada Nut.
In Thebes Nut was identified with Isis, the god-mother, the lady of Dendera, the dweller in Ant, the goddess Nubt, who was born in Per-Nubt, and gave birth to her brother Osiris in Thebes, and her son Horus {the Elder} in Qesquest and to her sister Nephthys in Het-Seshesh, and in the same city she was regarded as a form of the goddess Apet, or Api, i.e., the hippopotamus goddess Ta-urt, and also of the local city goddess Apet, and also she also became a form of Hathor. [6]
Ao acreditar numa deusa que dá à luz filhos e irmãos estaríamos aparentemente nos domínios do puro absurdo, que só a mitologia aceitaria! A verdade é que qualquer mulher que engravida do pai acaba por cair nestas situações de parentesco tão paradoxais quanto os relativos às Deusas Mães primordiais, que, por pressuposto lógico da própria teoria mítica, teriam necessariamente que procriar por partenogéneses, dos pais ou dos irmãos! Tal seria frequente não apenas nos tempos do recuado paleolíticos em que vigorava o regime do “macho dominante”, que ainda ignorava a sua função genitiva, como depois continuou a ser, ainda que em decrescendo até às formas de perversidade e violência familiar dos nossos dias, não tão resquiciais como se desejaria!
Nubt < Nuwet = *Niwet < Nwt < *Nauket > *Niket > Nikê.
Ora, se Nubt = Apet = Ta-urt = Hathor é também possível que:
Egit. Taurt =
TA
WER
ET


Ka
Kur
At
=> Hator
Lat. Neverita <=
NE
WE(R)
ET
=> Nwt





Afrodite <=
An
Kur
At

Bem como e mais ainda ...
Nut < Naut < Natu < Antu > An(a)tu > Anat > At-An > Atena.
Ora, a deusa egípcia mais próxima funcionalmente de Atena foi
Net < Neith < Nuit < Neuth < Nut < Nwt.
Se existem suspeitas de Atena ter sido outrora Afrodite então não há dúvidas de que Nut veio a ser também Hator.
Night (n.) = Old English niht (West Saxon neaht, Anglian næht, neht) "night, darkness;" the vowel indicating that the modern word derives from oblique cases (genitive nihte, dative niht), from Proto-Germanic *nakht- (cf. Old Saxon and Old High German naht, Old Frisian and Dutch nacht, German Nacht, Old Norse natt, Gothic  nahts).
The Germanic words are from PIE *nekwt- "night" (cf. Greek nuks "a night," Latin nox, Old Irish nochd, Sanskrit naktam "at night," Lithuanian naktis "night," Old Church Slavonic nosti, Russian noch', Welsh henoid "tonight"), according to Watkins, probably from a verbal root *neg- "to be dark, be night." For spelling with -gh- see fight.
The fact that the Aryans have a common name for night, but not for day (q.v.), is due to the fact that they reckoned by nights. [Weekley]
Como é mais do que óbvio a noite dos Indo-europeus não tem nada a ver com o facto de eles contarem os dias pelas noites como se as noites fossem feitas para contar e os dias para viver. A razão de tanta unanimidade linguística tem que ser muito mais forte e nem passar sequer pela raiz *neg- da negritude e da negatividade mas sim pelo facto de a Deusa Mãe da Noite Primordial ser uma intuição universal de todas as memórias virtuais anteriores ao parto e ao nascer do sol!

TEFNUTE

Tefnout la fille de Rê et déesse fugueuse avait quitté son père et son époux Shou pour vivre en liberté dans les montagnes de Nubie où elle terrorisait les habitants. qui s'ennuyait de sa fille envoya Shou avec le dieu Thot de la sagesse sous la forme d'un singe qui utilisa sa sagesse et son Verbe pour réussir à convaincre Tefnout, la déesse lointaine à revenir sous la forme d'une inondation bienfaisante qui s'adoucit dès le passage de la première cataracte de Philae.
clip_image013
Figura 4: Ani adorant Atoum, Chou et Tefnout. Papyrus d’Ani conservé au British Museum (BM 10470), 19 ème dynastie.
Na verdade, as semelhanças caprunas de Tefnet com Ptá são suspeitas de ter sido sua esposa como Sekhmet, com quem aliás se assemelha na representação do papiro de Ani, onde aparece na tríade heliopolitana como filha de Atum e esposa do irmão Chu.
clip_image015
Figura 5: Figurativamente Tefnut tem a cor glauca dos deuses das águas primordiais, como Nuno, os cornos caprinos de Ptah e Khnum (e o grego Pan) e a coroa dos deuses lunares como Tot e Conso.
The goddess name is related to the root tef, "to spit, be moist" and nu, "sky, waters". Appropriately, she was the personification of the moisture of the sky. (...) Tefnut was depicted in the form of a woman who wears on her head the solar disk circled by two cobras. She holds in her hands the sceptre and ankh. Many times she has the head of a lioness or is shown as one.
Sendo provavelmente uma importação cretense da época da colonização na lendária época tinita de Menés o nome de Tefenut deve ser lido de acordo com os falares egeus onde tudo aponta para se tratar de um nome composto por Tefi-Anut, ou seja literalmente a “deusa Antu”, Anat...ou Nut.
Te(os) *Phian-at, lit. “esposa do deus Pan/Phian/Kian/Enki”.
< Te-Phi-Antu, lit. “deusa Ki Antu” > Conso, esposa de Enki.
> Tefnut esposa de Chu, afinal heterónimo de Enki.
«Nafta» ? < *Nauphta > Phta > Ptah-Nu + at
=> Etftanut >Teftanu > Tefnut < Tefnu-et < Tefnwt < *Tef-niwet > Tefnet.
= *Te-fnesh, lit. deusa (te) Phi-an-et, esposa de Phian” => Grec. Tiphenis.
Fanes < Phian < Kian = Enki.
Selon le mythe, La Lointaine (Tefnout), fille du soleil, s'enfuit dans le désert de Nubie où elle laisse libre cour à sa férocité. Son époux Shou et Thot sont chargés par Rê de la ramener, ce qu'ils firent après l'avoir enivrée de vin. Apaisée, la lointaine retrouva alors son aspect bénéfique, soit l'Inondation, et rentra en Égypte.
Ora bem, este mito tem semelhanças com o de Sekhmet que por sua vez vai ter semelhanças com o mito do Dilúvio!
Conta-se que Rá cansou-se dos pecados dos homens então criou a deusa para punir aqueles que deviam ser punidos. No entanto Sekhmet não teve controle tomando gosto pelo sangue corrupto foi além do planejado por Rá. Desesperados, os seguidores de Rá pediram ajuda ao deus e, para solucionar a situação o deus estratego causou o amansamento á Sekmeth. Os egípcios tiveram a ideia de fazer uma bebida da cor do sangue (vinho tinto) e embebedaram a deusa.
No túmulo de Seti I a vaca sagrada do céu e deusa da destruição é Hator.
clip_image017
Figura 6: The Eye of Ra and the Destruction of Mankind – Depiction of the Heavenly Cow in Seti I’s Tomb.
Shu, Tefnut, Geb, Nut came along with the god of the watery abyss Nun from where Ra had arisen in the creation myth. He also summoned The Eye of Ra, who took the form of the goddess Hathor, his fiery daughter and protectress.
This divine meeting took place in secret so that mankind would not get the hint that something was happening. After taking counsel, the gods and goddesses present gave their advice to the Sun God and asked him to send his great Eye in the form of Hathor to take vengeance on the rebellious men. Hathor went into hot pursuit of the men, slaughtering them indiscriminately.
She had taken the form of the lioness Sekhmet and began her destruction in the town of Hensu.
For three days Hathor-Sekhmet killed and drank the blood of men. She had become blood-thirsty. -- The Eye of Ra and the Destruction of Mankind, [7]
clip_image019
Figura 7: O “olho do Ra” é ente na mitologia egípcia antiga que funciona como uma contrapartida feminina do deus sol Ra e uma força violenta que subjuga os seus inimigos. O olho é uma extensão do poder de Ra, equiparado com o disco do sol, mas também se comporta como uma entidade independente, que pode ser personificada por uma grande variedade de deusas egípcias, incluindo Hathor, Sekhmet, Bastet, Wadjet, e Mut. A deusa dos olhos actua como mãe, irmã, cônjuge, e filha do deus sol. Ele é o seu parceiro no ciclo criativo em que ele gera a forma renovada de si mesmo quando é parido de madrugada. O aspecto violento do Olho Ra defende-O contra os agentes da desordem que ameaçam O seu governo. Este aspecto perigoso da deusa dos olhos é frequentemente representado por uma leoa ou pelo uraeus, ou cobra, um símbolo da protecção e autoridade real.
Mas este mito é também contado a propósito de Mehetweret a deusa do grande dilúvio e uma da “vaca sagrada” de Hator! Porém o dilúvio não era uma realidade ameaçadora para o Egipto que dele beneficiava e necessitava como de pão para a boca e o mito possivelmente de origem cretense e relacionado com os efeitos do fim da última glaciação foi substituído pela vingança mortífera de todas as formas de morte naturais associadas às deusas mães da vida e da morte.
   Porém, se assim foi, estamos perante uma flagrante troca de nomes porque sendo Tefnut = Tef (= humidade) – nut (= céu) deveria ser esta a trazer o pote da água à cabeça e ser a filha do céu, ou seja de Nut.
Um anagrama do nome desta deusa parece ser a «nafta»
La parola, attraverso il francese napthe e il latino naphtha, deriva dal greco νάφθας náphthas o νάφθα náphtha che indicava un tipo di combustibile volatile (petrolio). L'origine più probabile della parola è l'avestico napta (persiano näft, arabo nafṭ) "umido", forse imparentato anche col latino Neptūnus.
Nafta també es pot haver originat a partir dels texts vèdics hindús i l'Avesta zoroàstric, on apareix Apam Napat, déu del foc.
Que a «nafta» terá estado relacionada com Ptá prova-o o facto de ser duvidosa a etimologia oficial:
«Nafta» < Lat. naphtha < Gr. náphtha < Ár. naft < Pers. Näft.
A nafta já seria conhecida muito tempo antes do antigo império persa e, quanto aos Árabes, estes só terão influenciado as culturas ocidentais muitos séculos depois da queda do império romano. A semântica aqui proposta para a «nafta» faz sentido na medida em que significaria literalmente ou o “óleo do céu” ou o “azeite (com que se «calafetavam») naus”! De facto, a raiz -phta ó -pta parece relacionada com o óleo em alipta e iatralipta.
«Alipta» < Lat. alipta < Gr. aleíptés, (o que unge), s. m. escravo que, nos balneários gregos e romanos, ungia com óleos aromáticos os que saíam do banho ou os atletas que iam entrar em luta. ó Lat. Iatr-alipta < Gr. Iatr-aleíptes, maçagista.
«Calafetar» = tapar com estopa alcatroada as fendas (de navios).
«Calafetar» parece não ter etimologia certa por ser duvidosa a sua origem do provençal. Ora bem, se aceitarmos que, metaforicamente, o acto de calafetar é uma espécie de colagem com nafta e, menos metaforicamente, uma aplicação de betume, este, já de facto, feito de cale e óleo seremos levados a aceitar que a etimologia mais provável seria:
«Calafeta®» < Lat. Cal(ce) +| feta < -phta ó -pta = cal + óleo = «betume»
< Lat. Bitumen < Kitu (< lit. filho nascido da terra) | > Phitu > phta > pta |
-minu.                 Kitu < Ki-at < Ki-ash.
O uso da nafta para calafetar navios já era usado possivelmente desde o início da descoberta da construção naval. Pelo menos já Noé a utilizou:
14 Fac tibi arcam de lignis cupressinis; mansiunculas in arca facies et bitumine linies eam intrinsecus et extrinsecus.
De facto a nafta era conhecida na palestina e tanto os gregos e latinos quanto os egípcios a terão conhecido sem interferência necessária dos povos orientais.
Não sendo necessário procurar a nafta na Pérsia podemos aceitar que ela foi denominada no Egipto ou na civilização Egeia a partir do nome de Enki / Phta, patrono dos navios e deus dos líquidos, incluindo os óleos minerais.
«Nafta» < Lat. naphtha < Gr. náphtha < ? Egipt. *Ne-Fta ?
                                                                > Pers. Näft > Ár. Naft.[8]
O facto de não se saber se *Ne-Fta existe ou se está registado nestes termos nos textos antigos egípcios nada nos diz pois tal termo poderia ser apenas um mero regionalismo de falares egípcios em zona ricas em jazidas naturais de nafta na península arábica, como por exemplo na zona de Median. De qualquer modo, existe a suspeita de Nefta ter sido um antigo deus da água quente como Enki e ter dado nome à cidade tunisina de Nefta junto ao Atlas. O facto de ainda hoje esta cidade ser um importante centro religioso sunita só confirma a possibilidade de a sua importância religiosa vir já de muito longe na pré-história, segundo as lendas deste os tempos do dilúvio.
Nefta = located at the Tunisian south, am wedged between chott Jérid and dunes. It have an oasis is immense and counts close to a half million date palm. According to a local myth, Nefta was founded by a Kostel, grandson of Noah. After the Flood, he Nefta to settle when he discovered that this was the first place on earth were water boiled. No surprise then that Nefta is an important religious town, both in people's minds and with its many holy buildings.
«Nefta» < *Ne-Fta < En-Phi-ta < Enki-te, deus Enki.
                                          > Ne-phi-tan, Enki o cobra, Neptuno.
A troca virtual de nomes deve ter resultado de um qualquer equívoco etiológico durante as fases de manipulação mítica que levaram à complexa e politeísta teologia menfítica. Na verdade, Nut, enquanto deusa do pote da chuva do céu, nunca poderia ser a filha de Enki, de forma coerente, senão enquanto variante patriarcal de Inana. Nut será sido Antu / Ki, a própria esposa e mãe de Enki. Neste contexto, a Nut filha de Tef-Nut seria uma forma egípcia de Atana Potinija e mais um equívoco que nos leva a Nut por Neit.

NEIT

clip_image021
Figura 8: Sendo o céu concebido como uma extensão do mar primordial Nut seria a deusa do caos primordial...e do céu!
What Allen calls a "bubble" corresponds to St. Clair’s description of Neith as the vaulted sky above and below (clip_image022and clip_image023), with the earth in between. Allen refers to this phenomena as a ‘box’ clip_image024(op. cit., p. 66, N. 41), while this author believes that St Clair’s description of the "ecliptic circle" of air and light is more likely, drawing upon Egyptian uterine parallels in mythology (such as Nunet forming the boundaries of Nun; see Troy, op. cit., Fig. 1, p. 17), as well as other ANE mythological parallels (such as Tiamat in Babylonian mythology) [right].
Ramadan el-Sayed, in La Déese Neith de Saïs I notes that the post-pharaonic Egyptian author, Horapollo, states in his Hieroglyhica that Neith is the "superior sky, the most pure, and Mut is the inferior sky." ("…passage faisant penser à la philosophie obscure pour nous d'Horapollon selon lequel Neith était considérée comme le ciel supérieur, le plus pur, et Mout le ciel inférieur." p. 70). -- © Katherine Griffis-Greenberg, 1999. Home Page for Goddesses of Ancient Egypt
clip_image026
Esta diferenciação entre um sol superior e outro inferior era já uma variante do que seria mais tarde chamado «éter cósmico» e «espaço sublunar».
George St. Clair, Creation Records, (London, 1898), pp. 177-178. St. Clair holds that Neith, is shown at times as a goddess with a line of stars across her back (as opposed to Nut’s representations with stars across the belly) [See Doc. 644, above, in text], and maintains that this indicates that the ancient goddess represents the full ecliptic circle around the sky (above and below), and is seen iconographically in texts as both the regular and the inverted determinative for the heavenly vault, indicating the cosmos below the horizon. St. Clair maintains that it is this realm that Neith personifies, for she is the complete sky which surrounds the upper (Nut) and lower (Nunet?) sky, and which exists beyond the horizon, and thereby beyond the skies themselves. Neith, then, is that portion of the cosmos which is not seen, and in which the sun is reborn daily, below the horizon (for the statement assigned to Neith is "I come at dawn and at sunset daily").
Todas estas teorias seriam virtualmente congemináveis por sacerdotes egípcios de pendor mais especulativo mas a verdade é que ao apostar nisso com frouxos argumentos estaríamos sempre e apenas a dar corpo a teorias tardias invocadas para diferenciar conceitos que na origem faziam parte da mesma ideia relativa ao «céu» do senso comum dos mortais tão indeterminado e difuso na sua inacessível substância quanto real e presente na sua universal permanecia sobre a cabeça dos homens!
Mesmo assim, e deixando correr as especulações mais plausíveis, como Mut era Naunet em Tebas e Nut era a esposa de Geb ficamos com Net para o papel de ambas de tal modo que Mutv/vNaunet seria Afrodite Uraniana e a Nut caberia o papel sublunar de Afrodite Pandemos.
Para os egípcios parece que o sol nunca chegava a aproximar-se de Geb, a terra masculinizada, porque passava a noite no “corpo escuro” de sua mãe Nut, a deusa do céu nocturno, até ser parido nos montes da aurora, voltando a percorrer o céu diurno em sentido inverso. Ora, um dos aspectos espantosos desta teoria cosmológica é o de ela estar completamente a leste do senso comum que chegou até nós, e que tem sido a de que o sol, ao entardecer, mergulhava na terra, ou no mar que a circundava, tese esta na verdade, muito mais próximo das teorias elaboradas pelos caldeus. Mas, mais espantoso ainda é o facto de ter existido, mesmo assim, uma certa unidade de pensamento mítico na medida em que estas teses estão ainda longe do dualismo maniqueísta que viria a ser o dos persas de meados do último milénio antes de Cristo. Tal como o «frio é a ausência de calor», e não uma oposição antagónica e dualista, no Egipto antigo o dia era a presença de Hator e a noite a de Nut, a deusa da noite, e na Suméria a noite era apenas a ausência de An, o deus do céu diurno!
clip_image028
Figura 9: Nut e a complexa cosmologia do antigo Egipto num baixo-relevo do sarcófago de fiorite de Uresh-nefer procedente de Sacara e pertenceu a um sacerdote de Mut.
La Diosa Nut, diariamente paría al Sol que viajando sobre su cuerpo llegaba hasta su boca, desapareciendo en el interior para renacer al día siguiente.
Nesta figuração de difícil leitura, não faltam: a deusa devoradora do auróboro solar, Nut / Mut; a via láctea de Mehetweret / Hator; o círculo cósmico como “esfera celeste” do céu de Nut / Neit sustentado pelo deus do Ka que dá a vida ao mundo e aos mortos, com olho de Rá ao peito; o “disco solar alado” de Atum; os leões Aker, guardiães das portas da aurora; as esfinges em anti-simetria; os gémeos Anpu-at, e sobretudo, ladeados pelas gémeas Isis e Néftis. Esta figura resume bem toda esta cosmologia egípsia que, contrariamente ao que seria de esperar por uma inferência apressada, foge bastante do senso comum que estava presente nas cosmologias caldeias. Quer a terra fosse concebida como um prato quer como uma esfera, o sol girava em torno da terra depois da aurora de tal modo que este se passeava durante o dia no céu exterior até ser quotidianamente devorada pela grande baleia (Neshustan) do mar primordial que cercava Antu, a Terra Mãe, ao anoitecer!
An analysis of her attributes shows that she was a goddess with many roles. From predynastic and early dynasty periods, she was referred to as "Opener of the Ways" (wp wA.wt) which may have referred not only to her leadership in hunting and war, but also as a psychopomp in cosmic and underworld pathways. The main imagery of Neith as wp wA.wt was as deity of the unseen and limitless sky, as opposed to Nut and Hathor, who represented the manifested night and day skies, respectively. -- [9]
Em boa verdade a contradição é meramente aparente e de natureza mínima. De facto, deve ter havido apenas uma divergência de proeminência de sexos porque na origem arcaica da mitologia o céu das 24 horas seria formado por um casal divino An,u / Nu(n) & An(a),tu de tal modo que An / Anu / Nu, que seria mais tarde o Urano dos helenos, presidia ao céu solar e a sua esposa Nut seria a deusa lunar do céu nocturno. Mas para que estas coisas tivessem sido claras para todos teriam que ter sido reais...o que é pouco claro.
Ana > | An(a) / An-at / Antu / Newet > Neute > Nute > Nut.
Portanto, Ana seria primordialmente a mãe e a esposa de Anu que foi Nuno, o deus do caos primordial dos egípcios, antes de terem sido separados para criarem o dia e a noite! Separados deram origem ao céu que os sumérios identificaram como Anu. Não sendo a separação do céu e da terra um facto cósmico objectivo mas um postulado especulativo mítico inevitável da cosmologia primitiva é natural que tenha sido contado de forma diversa por diversas mitologias antigas sendo também de suspeitar que tenha havido partilha de informação entre estas diversas culturas.
De forma subtil e indirecta os mitos egípcios sugerem que era Urano que segundo os órficos era filho da Noite. De facto só assim se pode entender que Rá sendo o sol que iluminava o céu diurno tivesse que ser devorado pela noite para atravessar o seu corpo assim considerado como submundo, ou seja uma forma de caos primordial presente na Natureza: nas trevas da Noite sublunar e nas entranhas da Terra (Gaia).
Angered by the marriage of Nut and Geb, Ra decreed that Nut could not bear children during any month of the year. Thoth, the god of wisdom, took pity on Nut and played a game with the moon (Khonsu) — the regulator of time — that allowed him to create five extra days in the year. Because these days were not covered by Ra's decree, Nut was able to give birth to five children: Osiris*, Isis*, Set*, Nephthys, and Horus.
When Ra found out, he was furious. He separated Nut from her husband Geb for eternity. Her father, Shu, was to keep them apart. Nevertheless, Nut did not regret her decision.
Este comportamento mimado de ao opor-se ao casamento de Nut só comprova a suspeita de que ele seria seu filho e esposo e que portanto Nut seria uma deidade caótica primordial e não uma filha de Shu e Tefnut o que deve corresponder a um mito posterior que tinha por função a de dar ao mito patriarcal ascendente de Rá a primazia da criação.
clip_image030
Figura 10: Nut, desnuda, con el cuerpo arqueado a modo de bóveda celeste, sobre su marido Geb (la Tierra). El padre de Nut, Shu (el aire), intenta separarlos ...
Nut e Geb, os filhos do deus Shu (Ar) e deusa Tefnut (humidade), nasceram juntos e presos num abraço apertado. O deus sol Ra ordenou a Shu que os separasse e Shu elevou e segurou a filha acima da terra, criando espaço entre Geb e Nut para outras criaturas poderem viver. Em outra versão do mito, Ra subiu às costas de Nut e pediu-lhe que elevasse o corpo para o céu. Como Nut subiu muito alto, ele ficou com vertigens, mas quatro deuses firmaram-lhe as pernas, e Shu ergueu-lhe o corpo a meio. Desta forma o corpo de Nut tornou-se o céu e Ra encastrou nele as estrelas. -- Myths Encyclopedia.
Nut's body divided the cosmos and helped keep the forces of chaos from breaking through the sky and overwhelming the earth. During the day, Ra sailed along Nut's body in a boat. When he reached her mouth, she swallowed him, bringing on the night. After traveling through Nut's body at night, Ra emerged again at dawn and brought on the day. In some myths, Nut plays an important role in the underworld, providing fresh air for the souls of the dead. -- Myths Encyclopedia.
No entanto os mitos encobrem mal a dependência de Rá em relação a Nut que assim revela o seu papel de deusa caótica primordial que aliás Atena, variante patriarcal clássica já de todo também não tem. Ora como veremos Neite, a que supostamente seria a antepassada de Atena nunca perdeu os seus pergaminhos de deusa mãe primordial e caótica!
Como um casal modelo não poderia estar dividido contra si mesmo, dia/noite seriam dois aspectos temporais complementares da mesma realidade espacial e nunca uma antinomia metafísica. Em conclusão, existia menos divergência entre as mitologias cosmológicas do Egipto e da Caldeia do que a que é aparente. Virtualmente pelo menos não são contraditórias e, no que até hoje ficou patente nos registos arqueológicos podemos pressupor que os sumérios se preocuparam pouco com o papel cosmológico de Antu enquanto os Egípcios limitaram o papel cosmológico de Nu ao de deus das águas primordiais. Sendo assim, as aparências de contradição nos dois registos cosmológicos míticos resultam mais das omissões, que poderão ser apenas fortuitas ou consequências de diferenças superficiais de postura política e ideológica (uma vez que a Suméria era uma confederação teocrática de cidades estado enquanto o Egipto histórico foi já desde tempos antigos uma teocracia imperial), do que de diferenças na origem. Na verdade, nada indicia que estes mitos tenham sido originalmente independentes e, pelo contrário, tudo aponta para que, na origem os dois mitos tenham sido comuns!
When the Greeks of. historic times came into contact with Egypt, they identified Athena with the great goddess of Sais, Neith or Neitha, by inversion Athena, whose emblem was the ewe. No ewe lamb was sacrificed to Athena. Neitha was the mother of Rà, the Sun; Athena was the mother of Apollo, the Greek sun-god. [5] A weaver’s shuttle was employed to express the name of Neitha, because, like Athena, she was supposed to have invented the art of weaving. Athena is admittedly not a word of Greek origin. M. Ch. Lenormant, in his Galerie mythologique, compares the name of Athena with that of Tanath, the Phenician goddess with whom she has much in common. Neitha and Tanath belong to the primitive group of goddesses who were self-born. -- Paul Lafargue.
Ora, reconhecida como sendo uma das deusas mais arcaicas do Egipto Neit, a deusa do delta, foi seguramente o elo de ligação com a deusa idêntica do mar Egeu, Atena razão pela qual, apesar de padroeira duma cidade democrática e republicana, tenha tido o epíteto de “rainha do céu”, que já tinha pertencido a Inana.
Herodotus and Plato incorrectly identified Athena with the Libyan (modern Berbers) goddess Neith. -- [10]
Obviamente que, desta vez pelo menos, Heródoto e Platão sabiam o que diziam porque se o não tivessem dito é que seria incorrecto pois toda a moderna investigação mitológica aponta com segurança neste sentido.
Obviamente que Atena tinha pouco a ver com a ovelha e nem sequer era mãe de Apolo mas isso são ninharias no vasto campo das grandes analogias míticas.
The only mention of Mut in the Theban Recension Book of the Dead is found in a hymn to Osiris, which forms the clxxxiiird Chapter; the deceased is made to say to the god, Thou risest up like an "exalted being upon thy standard, and thy beauties exalt the face of man and make long footstep{s}. I have given unto thee the sovereignty of the father Seb, and the goddess Mut, thy mother, who gave birth to the gods, brought thee forth as the first-born of five gods, and created thy beauties and fashioned thy members." The papyrus which contains this passage was written during the region of Seti I., about B.C. 1370, and it was identified with Nut, and that she was made to be the female counterpart of Seb. -- [11]
Assim, para Net / Atena ficaria o duplo papel de ambas ao conter em si mesma o poder total enquanto “Rainha do céu”...que Nut era!
Neith is one of the oldest Egyptian goddesses. Early in Egyptian history she was honored throughout Egypt. Later on, she was mostly recognized in her cult center of Sais. She was self-produced and the Egpytians believed she was of both a masculine and feminine nature. It was said that Neith gave birth to Re while she was still in the waters of Nun.
Por ser mãe de Ra desde os primórdios da criação temos que concluir que Net era Nut. Do mesmo modo podemos considerar que Eritónio era uma arcaica variante de Eros e de Hélios.
Sendo assim, a confusão entre Nut e Net acabaria por ser inevitável!
Então, já não nos surpreende que no Egipto Atena, a sempre eterna Virgem Mãe de origem tão obscura quão “má com as cobras”, tenha sido Nut a deusa que comia o sol do poente para o parir, por defecação cloacal, pela manhã. Sendo Net a “bela aurora” seria também Nut, a que paria o sol todas as manhãs pois, tantas semelhanças fonéticas a par de tanta sobreposição de funções só poderiam corresponderem à mesma entidade mítica.
As a deity, Neith is normally shown carrying the wAs (was) scepter (symbol of rule and power) and the anH (ankh) (symbol of life). She is also called such cosmic epithets as the "Cow of Heaven", a sky-goddess similar to Nut and as the Great Flood, Mehetweret (MHt wr.t), who gives birth to the sun daily. In these forms, she is associated with creation of both the primeval time and daily "re-creation". [12]
Ou seja,
           *Anu-at, lit. «esposa de Anu > Nuet > Niet > Neith > Neut > Nut.
Ou, Nephiat < Enki-at, esposa de Enki > Newisht > Neith.

Ver: ATUM (***)

Por outro lado o mito do estranho nascimento de Atena a partir da cabeça partida de Zeus era também o resultado dos equívocos compromissos teóricos a respeito de teorias cosmológicas arcaicas e contraditórias!
clip_image032
Figura 11: Emblems of Neith in serekh of a queen. Estes emblemas são óbvias estilizações florais de um arco e duas flechas.
clip_image034
Figura 12: Estela pré dinástica com a representação proto hieroglífica do nome de Neit.
Notar que em ambas as representações aparece um pássaro que já seria seguramente o precursor do mocho de Atena enquanto “animal de transporte” das almas dos mortos a que as deusas da «noite» e do caos primordial sempre estiveram associadas, por várias razões míticas mas também por semelhança formal da noite com o luto da morte solar!
Um aspecto interessante dos hiroglifos emblemáticos de Net é o de que a estilização das setas cruzadas pode ter permitido a evolução para o conceito do «quiasma» relativo às deusas do fogo quer por relação com uma simbologia do X relacionado com Ki-Ki, a dupla terra, taui, do alto e baixo Egipto, quer com a Deusa Mãe do “duplo orifício”: a vagina e o anus!
Mais interessante ainda nesta estela é ela revelar de forma inesperada, o que se pretende demonstrar por contexto mítico, que Neit também esteve na origem relacionada com conceito criador dos deuses das águas abissais representado pelo hieróglifo da cobra serpenteada e ainda presente no nome de Aten clip_image036!
A verdade é que sendo o hieroglifo clip_image037 = N, pictograma de Nun, a cobra do mar primordial, deveria fazer parte da versão recente do nome de Net, clip_image038 e não faz, seguramente porque o “saco de setas” era o emblema que indicava imediatamente a deusa caçadora em causa.
Porém, como se comprovou na referida estela pré-dinastica, nos tempos arcaicos da história pré-dinastica do Egipto a “cobra de água” teria feito parte do nome desta deusa caçadora. Ora esta relação pictográfica entre Net e Nun não pode ser fortuita nem meramente ortográfica.
Figura 13: Net. Notar o aspecto guerreiro desta deusa igual ao de Atena/Diana "the mother, of whom no one is master".
Neith = Golden Dawn, Thoum-aesh-neith, it is believed that she was originally a goddess of war (due to the bow and arrows imagery) and may have become later a goddess of weaving (when wearing the shuttle). Revered as a goddess of wisdom, identified with Athena by the Greeks;
In later traditions, the sister of Isis, Nephthys, and Selket, and protectress of Duamutef, the god of the stomach of the deceased.
clip_image040
Thoum-aesh-neith < Atum-ash-Neut, literalmente Anat o fogo (-ash > -at) do sol Atum?
A relação solar de Net < Anet > Aten, viria a reencontrar-se no nome do disco solar, Aten.
Tal como se suspeita duma arcaica relação entre Poseidon, o deus que veio a ocupar o lugar do deus supremo da talassocracia cretense, e Atena, a evolução civilizada da deusa mãe das cobras cretenses por intermédio de Atana Potinija, também no caso de Net se suspeita que tenha sido esposa de Nuno.
Por ser representada com cabeça de leoa era uma variante de Sekhmet e logo esposa de Ptah.
clip_image042
Figura 14: Salquet e Net
Mother of the crocodile god Sobek. Her largest temple, Sapi-meht, was located at Sais, the capital of the fifth nome of Lower Egypt. In Upper Egypt, she was portrayed with the head of a lioness. Here her husband was Khnemu, the ram-headed creation god of the
clip_image044
Figura 15: Net e Isis.
First Cataract, and her son was Tutu, a form of the god Shu.
It may be noted that as Khenmu-shu absorbed the attributes of Nu, Ra, Ptah, Thoth, etc., so several great goddesses, besides those already mentioned, were identified with his female counterparts, e.g., Nut, Net, < Neith < *Neut < *Newetu > Nebuut, etc.

Figura 16: Neit, a mais máscula das deusas machas e referencial das deusas Virgens mães da caça e da guerra como Atena e Artemisa, aparece aqui alada e ictifálica como Min na qualidade de deusa criadora e autogerada.
Dito de outro modo, tempos houve em que Nu = Ra => Urano.
Ptah = Thoth => Neptuno, todos variante de Enki.
Então, Ptah não só absorveu os atributos de Khnemu / Chu como era seguramente uma variante heteronímica do mesmo deus criados que ambos eram.
De qualquer modo, o realce na natureza aguerrida e caçadora de Net não pode deixar de ser uma consequência da ênfase que passou a ser dada ao componente masculino duma Atena implicitamente bissexual enquanto Virgem Mãe primordial, herança esta que já vinha dos tempos em que os povos do mar Egeu partilhavam Atena com a Neit dos Egípcios. Por tudo isto Net não passava de uma mera variante pós dinástica da mesma arcaica Deusa Mãe das águas primordiais de que iriam derivar pelo menos três variantes relativamente autónomas conhecidas. Net, a deusa da caça equivalente de Atena, Nut, supostamente a filha de Shu & Tefnut e a mais adequada potinija egípcia, e Nunet a esposa oficial de Nun.
Nunet Egyptian goddess of the ocean. <= Naunet An Egyptian goddess who representes the primordial abyss of the underworld. Her male counterpart, as well as her consort, is Nun. In the cosmogony of Hermopolis she was a member of the Ogdoad of eight primordial deities.
Esta variante da mitologia Egípcia confirma a suspeita que se irá repetir a respeito dos equívocos de Tefnut, que Neit deveria ser Nut.
Antu ó Anta ó Anat > Atan > Atena.
Net <Neith < Neit < Neut < *Newt < Nwt > *Nwit > Nuit > Nut.
Anta (Anat) = Considered by the Egyptians to be a daughter of Ra, Anta is an aspect of Ishtar.
Anastasia, St. = Christian title of Rome’s 'Great Goddess', personified as a pseudo-saint. Her three attendants Agapeta, Theonia, and Irene were originally the three Horae or Graces who attended the Goddess, or they were herself in triad from. Her holy day coincided with the winter solstice, when the Great Mother gave birth to the sun, beginning on its eve, December 24, called Matrum Noctem, ‘Night of the Mother’. Angerona was probably part of this tradition.
Anastasia. < An-ast-akia = aka Anat, lit. deusa Antat”!
Quer isto dizer que, a corrupção dos nomes tem múltiplas causas que vão da simples degradação natural por erros de memorização e simplificações linguísticas por manipulação premeditada por motivações doutrinárias. Anastasia já pouco ou nada teria a ver com Antu / Anat por ter sido decorada na forma anatólica de “aka Anat” em posição inversa. Santa Anastácia seria outra perversão mas já essencialmente semântica porque deveria ter sido chamada de Virgem Mãe e não de Santa. Angerona seria um dos epítetos telúricos da Deusa Mãe
Angerona = Winter soltice goddess whose holy day was on Dec. 21 and connected with the sun after the solstice. She was a tutelary goddess of ancient Rome and a goddess of secrecy. She is depicted holding a finger to her closed mouth.
Angerona < An-Ker-Auna, lit. “a grande Anker, ou a Sr.ª mãe de *Enkur,
o senhor dos infernos!”




[1] Mitologia Greco-Romana, página da Inter-Net desenvolvida por Rosana's Art Designer.
[2] Design, Layout and Graphic Art by Jimmy Dunn, an InterCity Oz, Inc. Employee.
[3] Design, Layout and Graphic Art by Jimmy Dunn, an InterCity Oz, Inc. Employee.
[4] Design, Layout and Graphic Art by Jimmy Dunn, an InterCity Oz, Inc. Employee.
[5] Design, Layout and Graphic Art by Jimmy Dunn, an InterCity Oz, Inc. Employee.
[6] Design, Layout and Graphic Art by Jimmy Dunn, an InterCity Oz, Inc. Employee.
[7] http://www.experience-ancient-egypt.com/egyptian-religion-mythology/ancient-egyptian-mythology/eye-of-ra-destruction.
[8] Nota: a relação etimológica convencional é outra: «nafta» < Lat. naphtha < Gr. náphtha < Ár. naft < Pers. näft.
[9] Goddesses of Ancient Egypt, © Katherine Griffis-Greenberg 1999.
[10] Crystalinks by Ellie Crystal
[12] Goddesses of Ancient Egypt, © Katherine Griffis-Greenberg 1999.

Sem comentários:

Enviar um comentário